COBERTURA ESPECIAL - Pandemic War - Defesa

01 de Junho, 2020 - 11:05 ( Brasília )

Defesa e agências mantêm Operações Verde Brasil 2 e COVID-19 ininterruptamente


Acostumados à disponibilidade 24 horas por dia, sete dias por semana, os militares e agentes envolvidos nas Operações Verde Brasil 2 e COVID-19, do Ministério da Defesa, atuam sem interrupção em fins de semana ou feriados. Eles combatem delitos ambientais e atenuam os efeitos da pandemia causada pelo novo coronavírus.

Na Amazônia Legal, as atividades somam mais de mil inspeções navais em embarcações, das quais 62 foram apreendidas. Nos postos de bloqueio e controle de estradas vistoriaram mais de 2,6 mil veículos, retendo 58 veículos por irregularidades. Mais de 7 mil metros cúbicos de madeira ilegal também foram confiscados. Até o momento, quase R$ 20 milhões foram aplicados em multas e termos de infração.

No Pará, o Comando Conjunto Marechal Soares de Andrea utilizou duas aeronaves do Exército para cumprir missões de reconhecimento aéreo e fiscalização, em regiões distintas do Estado. Militares desse Comando panfletaram pelos bairro do município de Marabá (PA), a fim de conscientizar a população sobre os cuidados com o meio ambiente. Também foram cumpridas missões de patrulha motorizada, inspeção naval e escolta de agentes de fiscalização.

O Comando Conjunto Príncipe da Beira, que atua nos Estados do Acre, do Amazonas e Rondônia, utiliza embarcações da Marinha para dar continuidade às patrulhas nos rios e inspeções navais. Dessa forma, coíbem o uso da malha fluvial para crimes ambientais. Em terra, militares apoiam a logística das agências de fiscalização ambiental, desdobradas em diversas regiões, com ações de patrulha motorizada e fiscalização de madeireiras.

 Em Mato Grosso, o Comando Conjunto Barão de Melgaço continua empenhado nas ações contra um garimpo ilegal em Pontes e Lacerda. Houve atividades de patrulhamento terrestre pela Força Nacional, escolta de viaturas transportando 600 metros cúbicos de madeira apreendida, patrulhamento fluvial e reconhecimento aéreo na área de fronteira. O Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE) informou que as atividades da Operação Verde Brasil 2 somam 224 horas de voo.

Operação Verde Brasil 2

A Operação Verde Brasil 2 é coordenada pela Vice-Presidência da República, em apoio aos órgãos de controle ambiental e de segurança pública. A missão deflagrada pelo Governo Federal, em 11 de maio de 2020, visa ações preventivas e repressivas contra delitos ambientais na Amazônia Legal. A determinação presidencial para emprego das Forças Armadas em Garantia da Lei e da Ordem (GLO) foi publicada no Diário Oficial da União por meio do Decreto n° 10.341, de 6 de maio de 2020, e tem validade para o período de 11 de maio a 10 de junho do corrente ano.

Para cumprir a determinação presidencial, o Ministério da Defesa ativou três Comandos Conjuntos. São eles: Comando Conjunto Príncipe da Beira (CCj PB), em Porto Velho (RO); Comando Conjunto Barão de Melgaço (CCj BM), em Cuiabá (MT); e Comando Conjunto Marechal Soares de Andrea (CCj MSA), em Belém (PA). Assim como na Operação Verde Brasil ocorrida em 2019, o Centro de Operações Conjuntas do Ministério da Defesa coordena as atividades a partir de Brasília (DF). Ainda participam da missão integrantes da Polícia Federal, Policia Rodoviária Federal, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio), Força Nacional de Segurança Pública, Agência Brasileira de Inteligência (ABIN) e Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam).

Operação COVID-19

No início da manhã deste domingo (31), uma aeronave C-105 Amazonas, da Força Aérea Brasileira, decolou para transportar 55 cilindros de oxigênio para o Hospital de Guarnição de São Gabriel da Cachoeira, Amazonas. A Ilha das Flores recebeu ação cívico social da equipe da mesma unidade de saúde do Exército. A população participou de ações de promoção da saúde, atendimento médico, além de receberem kits para higiene oral. Já na Terra Indígena Balaio, os militares e o Comandante da 21ª Companhia de Engenharia de Construção entregaram 115 cestas básicas.

Outras Organizações Militares em todo o Brasil também participaram da entrega de alimentos. Em Rio Branco, Acre, o 7º Batalhão de Engenharia de Construção apoiou a atividade em núcleos escolares da Secretaria de Educação. Na capital do Rio de Janeiro, o Comando Conjunto Leste uniu-se ao Serviço Social do Comércio do Rio de Janeiro (SESC-RJ) para entregar 300 cestas de alimentos para quatro instituições públicas que acolhem crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade.

Em São Paulo, o Comando Conjunto Sudeste iniciou apoio logístico à Cruz Vermelha, participando da organização, triagem e preparação de kits de alimentação, de higiene e de limpeza destinados a residentes da capital. No Rio Grande do Sul, o 3º Batalhão Logístico e o Departamento de Água e Esgotos de Bagé distribuíram água em regiões afetadas pela estiagem.

Ações de desinfecção de locais públicos também tiveram continuidade. Em Manaus, foi concluída a higienização da Fundação Hospitalar de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas. O Comando Conjunto Oeste descontaminou a Delegacia de Polícia Civil de Amambai (MS) e o Pronto Atendimento Médico de Cáceres (MG), além de prestar apoio logístico no transporte de materiais de emprego e higienização.

Já no Estado de São Paulo, as instalações do Comando do 8º Distrito Naval, da Marinha, do Comando-Geral de Apoio (COMGAP), do Parque de Material Aeronáutico de São Paulo (PAMA-SP) e do Hospital de Força Aérea de São Paulo (HFASP), também foram desinfectados.

Histórico

O Ministério da Defesa ativou, em 20 de março, o Centro de Operações Conjuntas, para atuar na coordenação e no planejamento do emprego das Forças Armadas no combate à COVID-19. Nesse contexto, foram ativados dez Comandos Conjuntos, que cobrem todo o território nacional, além do Comando Aeroespacial (COMAE), de funcionamento permanente. A iniciativa integra o esforço do governo federal no enfrentamento à pandemia que recebeu o nome de Operação COVID-19.

As demandas recebidas pelo Ministério da Defesa, de apoio a órgãos estaduais, municipais e outros, são analisadas e direcionadas aos Comandos Conjuntos para avaliarem a possibilidade de atendimento. De acordo com a complexidade da solicitação, tais demandas poderão ser encaminhadas ao Gabinete de Crise, que determinará a melhor forma de atendimento.


VEJA MAIS