COBERTURA ESPECIAL - Venezuela - Geopolítica

09 de Agosto, 2019 - 00:40 ( Brasília )

Relatório Otálvora: Os EUA mostraram no Brasil seus planos para a Venezuela pós-Chávez


 

EDGAR C. OTÁLVORA
Matéria publicada originalmente no Diario Las Américas
@ecotalvora

 
O secretário de Comércio dos EUA, Wilbur L. Ross, afirmou que, em preparação "para os dias após uma mudança de regime" na Venezuela, os EUA desenvolveram uma abordagem para a estabilização econômica depois da saída de Maduro.

Na manhã de 01 de agosto de 2019, foi realizado em Brasília um evento chamado “Reconstrução venezuelana, a perspectiva da infra-estrutura”. Foi um café da manhã focado, de acordo com o mateial do evento, em vinte projetos críticos para a reconstrução venezuelana com especial interesse no sistema de água de Caracas, o sistema hidrelétrico de Guri, a recuperação da produção de petróleo no Faixa do Orinoco , o sistema de transporte de passageiros em ônibus e a recuperação terminal petrolífero Jose.

Os painelistas foram o secretário especial de Comércio Exterior do Brasil, Marcos Prado Troyjo, o vice-presidente da Ipsos Public Affairs (patrocinadora de café da manhã) Mark Polyak e o vice-presidente para a América Latina da construtora norte-americana Hill International.

O orador principal desta sessão foi o Secretário de Comércio dos EUA, Wilbur L. Ross. A conversa sobre a Venezuela fez parte de um evento de três dias organizado pela CG / LA Infrastructure, no qual foram discutidos grandes projetos de infraestrutura na América do Sul, com ênfase especial na mudança de cenário no Brasil com o mandato de Jair Bolsonaro.
 
A “reconstrução” da Venezuela em um estágio pós-Chávez foi prevista como uma perspectiva de negócios para empresas espanholas durante o governo de Mariano Rajoy, foi mencionado pelo colombiano Iván Duque, é geralmente um tópico em vários eventos em Washington e nas reuniões periódicas de agências multilaterais de financiamento e também empresas privadas, como as que se reuniram em Brasília. Os vinte projetos mencionados na promoção do evento teriam sido identificados pelo governo dos EUA junto com o "governo de Guaidó e outros parceiros e especialistas" e seriam de "importância crítica para a estabilização econômica da Venezuela" na área de "energia, infra-estrutura e meio ambiente”, de acordo com o principal enviado de Washington.

****
O secretário Ross durante sua apresentação disse que seu Departamento, a pedido do Conselho de Segurança Nacional liderado por John Bolton, em preparação "para os dias após uma mudança de regime" na Venezuela, desenvolveu uma abordagem de estabilização nos EUA. Economia da Venezuela após a partida de Maduro. "Quatorze agências federais trabalharam por quatro meses e produziram centenas de páginas de com os planos de ação e  os cronograma das etapas", disse Ross, que avisou que "tudo em que estamos trabalhando são apenas sugestões" (...) "e será o governo Guaidó que vai decidir. "

Ross mostrou três etapas de ação:

- "alívio imediato";
- "inversão do socialismo", e,
- "restauração do crescimento".

 
“O curto prazo é imediato e outro alívio humanitário no primeiro ou segundo mês, a médio prazo é trabalhar para reverter o impacto do socialismo nos próximos três a doze meses, e o esforço de longo prazo é restaurar o crescimento econômico sustentável”, explicou Ross.

Para a definição de seus planos, Ross disse que trabalha "em estreita colaboração com o Brasil e outros países parceiros da América Latina, bem como com instituições financeiras internacionais como o Banco Interamericano de Desenvolvimento e executivos com experiência recente do setor privado na Venezuela". Quatro linhas de trabalho teriam sido definidas por técnicos do governo dos EUA para o processo de estabilização: "energia, estabilização macroeconômica e financeira, padronização agrícola e reabilitação do setor privado". O esforço de longo prazo é restaurar o crescimento econômico sustentável”, explicou Ross.

Para a definição de seus planos, Ross disse que trabalha "em estreita colaboração com o Brasil e outros países parceiros da América Latina, bem como com instituições financeiras internacionais como o Banco Interamericano de Desenvolvimento e executivos com experiência recente do setor privado na Venezuela".

No estágio de “alívio imediato” para o setor de energia, Ross propõe “liberalizar o setor e promover a participação de empresas privadas, incluindo os EUA, por meio da nova lei de hidrocarbonetos em consideração na Assembleia Nacional [da Venezuela]”. No mesmo estágio, "os EUA vão aliviar as sanções, promover o crédito comercial nacional e internacional, empregar assessores técnicos e envolver instituições financeiras internacionais para construir confiança nas novas políticas econômicas da Venezuela".

No período para “reverter o socialismo”, entre os meses 3 e 12 do plano, os EUA propõem “rever o banco central, o sistema tributário, as instituições fiscais, a dívida e o setor bancário da Venezuela no contexto de um acordo para longo prazo com o FMI e a necessidade de estabilidade econômica e eleições livres ”.

 

AGENDA
AUGUST 1, 2019
7:45 AM–9:00 AMBrasil Breakfast Session: Venezuelan Reconstruction –The Infrastructure Perspective

The session is sponsored by IPSOS Public AffairsThis session brings leading public and private sector executives together to focus on 20 projects critical to Venezuelan reconstruction, including projects in:

• Water & Sanitation (e.g. Caracas water system)
• Electricity Generation & Distribution (e.g. Guri Hydropower project)
• Oil & Gas (e.g. Recovery of Production in the Orinoco Belt)
• Transportation (e.g. bus system recuperation)
• Ports & Logistics (e.g. Jose Port Modernization)Special Remarks:
• Wilbur Ross, Secretary of Commerce, United States of America Discussion Leaders:
• Marcos Troyjo, Deputy Minister of the Economy, Federative Republic of Brazil•Mark Polyac, Senior Vice President, Ipsos Public Affairs• Luis Lugo, Senior Vice President & Regional Manager Southeast U.S. & Latin America, Hill International Moderated By:•Norman Anderson, Chairman & CEO, CG/LA Infrastructure


*****
 
Em outra parte de seu discurso, o secretário Ross disse que no estágio de "restauração do crescimento", a largura de faixa e a capacidade dos principais portos e pontes vitais para a mineração e o setor de petróleo e gás devem ser expandidas. E assim, já estamos comprometidos com o setor privado e instituições financeiras internacionais para avançar esses projetos”.
 
*****
 
No dia 01AGO2019, algumas horas depois de o secretário do Comércio Wilbur L. Ross ter apresentado, em Brasília, as propostas do governo dos EUA para uma Venezuela pós-Chávez, no jardim sul da Casa Branca caminhando para embarcar no helicóptero Marine One, Donald Trump mostrou uma escalada nas sanções contra o regime venezuelano. Um jornalista questionou Trump: “Sr. Presidente, obrigado.

Você está considerando um bloqueio ou quarentena da Venezuela, dada a quantidade de participação estrangeira da Rússia, China e Irã? Trump sem mais detalhes e balançando a cabeça respondeu afirmativamente "Sim, eu estou". O jornalista insistiu: "O Senhor está considerando isso?" E novamente Trump disse: "Sim, eu estou.”, segundo a transcrição oficial da Casa Branca.
 
 
*****
 
Do jardim sul da Casa Branca, a caminho de tomar seu helicóptero presidencial, Trump renovou,  em 30JUL2019, um louvor ao clã Bolsonaro: “Eu tenho um ótimo relacionamento com o Brasil. Eu tenho um relacionamento fantástico com o seu presidente. E ele é um grande cavalheiro. Ele esteve aqui, como você sabe. Na verdade, eles o chamam de "Trump do Brasil". Eu gosto. É um elogio. Eu acho que ele está fazendo um ótimo trabalho. É um trabalho difícil, mas acho que seu presidente está fazendo um trabalho fantástico. Ele é um homem maravilhoso com uma família maravilhosa.”

Esta última sentença parece confirmar que Eduardo Bolsonaro, filho de Jair Bolsonaro, receberá a aprovação da Casa Branca para ser o embaixador do Brasil em Washington. Os repórteres perguntaram a Trump sobre um acordo comercial com o Brasil, ele respondeu: “Vamos trabalhar em um acordo de livre comércio com o Brasil. O Brasil é um ótimo parceiro comercial. Eles nos cobram muitas taxas, mas, além disso, amamos o relacionamento ”. Enquanto Trump falava nos jardins da Casa Branca, seu secretário de Comércio chegava à Brasília, onde foi recebido por Bolsonaro e pela equipe econômica oficial.
 
Em 31 de julho de 1919, Donald Trump enviou um memorando ao Departamento de Estado, coberto pelo Foreign Assistance Act de 1961, por meio do qual ele designou o Brasil como “aliado não-membro da NATO aliado dos EUA para os fins da Lei de Controle de Exportação. Armamento” conhecido sob o acrônimo de MNNA. Esta é uma das iniciativas do governo Trump para apontar Jair Bolsonaro como um parceiro especial dos EUA na América Latina.

A designação não implica uma aliança militar, mas é um sinal político sobre o relacionamento de ambos os governos. Em uma declaração conjunta do 01AGO19, o Ministério das Relações Exteriores do Brasil e o Ministério da Defesa mostraram que a indústria militar brasileira poderia se beneficiar da condição de MNNA com maior acesso ao mercado dos EUA, "Esperamos instalações nos procedimentos para a aquisição de produtos de alta tecnologia necessários para programas estratégicos nacionais." O governo brasileiro entende a visita da Secretaria do Comércio e a designação do MNNA como sinal de uma nova etapa de alto relacionamento com os EUA e diretamente com Trump. (Ver  BR-US: EUA oficializam Brasil como aliado preferencial extra-OTAN Link)


 
*****
 
O governo do Paraguai, liderado por Mario Abdo Benítez, esteve próximo de um processo de impeachment.


 



Preidente Mario Abdo, Paraguai, e Jair Bolsonaro, em Brasília.

 
Na noite, de 31JUL2019, as diversas forças políticas da oposição, o Partido Liberal e o esquerdista Frete Guasú, bem como o setor do Partido Colorado, controlado pelo ex-presidente Horácio Cartes, manifestaram-se abrindo um processo de impeachment contra Abdo e demiti-lo para o qual eles tinham os votos necessários em ambas as casas do parlamento. A crise política começou em 25JUL2019, quando eclodiu um conflito no nível das mais altas autoridades do setor elétrico, com os termos de um ato assinado pelos ministérios do Brasil e do exterior sobre tarifas, cobranças e revenda de excedentes de eletricidade da região. Usina hidrelétrica binacional de Itaipu. Secretismo, traição à Pátria, ceder aos interesses das empresas brasileiras às custas do Paraguai foram acusações contra o governo Abdo. Em 29JUL2019, o ministro das Relações Exteriores do Paraguai, Luis Castiglioni, e o embaixador em Brasília demitiram-se de suas posições, bem como várias autoridades do setor elétrico, mas esses movimentos não contiveram a onda crescente de um impeachment.

Enquanto a temperatura da crise em Assunção subia, os governos do Brasil e dos EUA expressaram-se expressamente em apoio a Abdo. Na noite, de 31JUL2019, o embaixador dos EUA em Assunção, Lee McClenny, escreveu na conta oficial do Twitter: “A embaixada manifesta sua profunda preocupação com a situação atual. Estamos acompanhando de perto os acontecimentos políticos e esperamos que os processos democráticos e a Constituição Nacional sejam respeitados ... tomando decisões com calma e de forma participativa, garantindo o devido processo, concedendo os prazos necessários às partes e considerando todas as evidências.”
 
O Ministério das Relações Exteriores do Brasil emitiu um comunicado na manhã, de 01AGO2019, destacando as "excelentes relações entre os dois países" alcançadas pela "excelente relação pessoal" entre os presidentes Abdo e Bolsonaro e "a coincidência de suas visões estratégicas". Temendo um processo de acusação contra Abdo, o Itamaraty advertiu que “reiterando o total respeito ao processo constitucional do Paraguai, o Brasil confia que o processo será conduzido sem quebrar a ordem democrática, no que diz respeito aos compromissos assumidos pelo Paraguai em matéria de direitos humanos”, a cláusula democrática do Mercosul”.

O próprio Bolsonaro manifestou preocupação com o destino de seu colega paraguaio: “o problema é que no Paraguai o impeachment você faz em 72 horas”, disse o presidente brasileiro em referência à tramitação acelerada contemplada na Constituição paraguaia, que em 2012 permitiu a demissão do esquerdista Fernando Lugo.
 
*****
 
O recém-nomeado ministro das Relações Exteriores do Paraguai, Antonio Rivas Palacios, planejava viajar para Brasília em 02AGO2019, para formalizar perante o Brasil a decisão de seu governo de anular o ato, de 24MAIO2019. Mas a rapidez com que a crise política se instalou em Assunção fez com que Abdo e Bolsonaro concordassem em agilizar os passos para anular o ato e exigir novas negociações técnicas para tentar esvaziar a pressão que ameaçava atrapalhar o governo paraguaio. Bolsonaro e seu ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, concordaram, em 31JUL2019, com uma operação de resgate de seu aliado paraguaio.

O Itamaraty instruiu seu embaixador em Assunção, Carlos Simas Magalhães, a assinar um ato com o Ministério das Relações Exteriores do Paraguai, anulando o anterior, em que “as duas Altas Partes Contratantes instruíram as instâncias técnicas no campo Binacional Itaipu a retomarem as reuniões”. A assinatura do embaixador brasileiro Simas Magalhães e do embaixador paraguaio Federico González deixou sem efeito o controverso ato de contratação de energia elétrica. O movimento em favor da demissão presidencial perdeu força com o anúncio do Partido Colorado, que é o partido de Abdo, de estar satisfeito com o cancelamento da ata.

Quase imediatamente, a embaixada dos Estados Unidos escreveu: “observamos atentamente e com espanto os eventos recentes e aplaudimos a prudência dos líderes em encontrar uma saída viável. Apoiamos os esforços do Presidente @maritoabdo em prol da transparência”. A crise paraguaia aparentemente foi amplamente superada pelo apoio político de Brasília.
 
*****

“Venezuela um problema global”, o mais recente livro de Edgar C. Otálvora, está disponível na Amazon. Clique no livro para acessar a página na Amazon.

 

 

 


VEJA MAIS