COBERTURA ESPECIAL - Venezuela - Geopolítica

08 de Março, 2019 - 11:10 ( Brasília )

Venezuela sofre grande blecaute e governo culpa "sabotagem"


Uma grande falta de energia atingiu a Venezuela nesta quinta-feira, de acordo com testemunhas da Reuters, um problema que o governo do presidente Nicolás Maduro rapidamente apontou como resultado de uma “sabotagem” em uma hidrelétrica que fornece a maior parte da energia do país.

A falta de eletricidade é frequente na Venezuela, onde a economia está em colapso sob a hiperinflação, com falta crônica de alimentos e medicamentos e uma emigração em massa de mais de 3 milhões de pessoas.

Críticos afirmam que a corrupção e o baixo investimento deixaram a rede de transmissão de energia do país incapaz de funcionar, enquanto Maduro afirma que os problemas são causados intencionalmente por adversários políticos. Multidões tomaram a principal avenida de Caracas.

Muitas pessoas afirmaram esperar que teriam de caminhar por várias horas para chegarem em suas casas devido aos poucos ônibus nas ruas que estão lotados e ao fato de o sistema de metrô da cidade estar desativado. “A pessoa responsável por isso chama-se Nicolás Maduro”, disse Pedro Fernández, 44, um engenheiro de sistemas no bairro de Altamira, em Caracas, enquanto caminhava para o outro lado da cidade.

“Isto é só a ponta do iceberg, dadas todas as coisas que estamos sofrendo.” A mídia local e usuários do Twitter relataram que a falta de energia afetava Caracas assim como 15 dos 23 Estados do país. Um repórter da emissora de TV estatal descreveu o episódio como um “blecaute nacional”.

“Eles atacaram a geração e transmissão da (hidrelétrica) Guri, espinha dorsal do sistema elétrico”, disse o ministro da Eletricidade, Luís Motta, na TV estatal sem fornecer evidências. Ele disse que o serviço seria restabelecido em cerca de três horas.

Venezuela fecha escolas e suspende horário de trabalho devido a blecaute¹

Grande parte da Venezuela sofreu nesta quinta-feira (07/03) um apagão, que o governo de Nicolás Maduro imediatamente atribuiu a uma suposta sabotagem na principal central hidrelétrica do país.

"Fomos novamente alvo da guerra elétrica. Desta vez atacaram a hidrelétrica de Guri", afirmou o ministro da Energia, Motta Dominguez, em referência à segunda maior geradora de energia da América do Sul, atrás apenas de Itaipu.

O ministro da Comunicação, Jorge Rodríguez, qualificou o ataque de um ato criminoso que pressupõe "um novo fracasso para a direita".

O apagão paralisou o comércio, que praticamente não pôde trabalhar sem luz. Num país afetado pela hiperinflação, onde as cédulas perdem logo valor, os pagamentos com cartão são muito importantes, mesmo para pequenas quantias.

A queda atingiu ao menos 23 dos 24 estados e também Caracas, onde o fechamento do metrô forçou milhares de pessoas a seguirem a pé, e o colapso dos semáforos provocou confusão no trânsito. O aeroporto internacional Simón Bolívar também foi afetado pelo corte de energia.

A executiva de vendas Estefanía Pacheco relatou à agência de notícias AFP que teria que caminhar a pé os 12 km que separam seu local de trabalho, no leste da capital, de sua residência, no oeste.

Na capital, a energia foi cortada abruptamente às 16h50 (horário local), e o apagão durou cerca de oito horas, afetando todas as partes da capital e serviços, como transportes, pouco antes do anoitecer. As linhas telefônicas e de internet foram também interrompidas, bem como a distribuição de água nos edifícios.

Os apagões são cada vez mais frequentes na Venezuela, e agora afetam também a capital. Em menos de duas semanas ocorreram pelo menos três apagões que deixaram grandes setores de Caracas às escuras.

O governo venezuelano atribui os apagões à sabotagem da oposição, acusação que esta desmente, atribuindo os problemas à falta de manutenção e de investimentos no setor, o que é confirmado por especialistas.

Segundo a imprensa venezuelana, milhares de empregados da estatal Corporação Elétrica Nacional da Venezuela (Corpoelec) abandonaram a empresa nos últimos anos devido aos baixos salários e à crise econômica no país.

Há um ano, Maduro ordenou que as Forças Armadas ativassem um plano especial para vigiar instalações do sistema elétrico diante do que chama de uma "guerra elétrica" para gerar descontentamento entre a população, mas os apagões persistem.

¹com Deutsche Welle


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


PCC - Gangues

PCC - Gangues

Última atualização 24 MAR, 16:54

MAIS LIDAS

Venezuela