COBERTURA ESPECIAL - Venezuela - Geopolítica

17 de Fevereiro, 2019 - 00:30 ( Brasília )

Relatório Otálvora: Potências mundiais debatem a crise venezuelana

A situação na Venezuela deixou de ser uma questão regional e se tornou um assunto de alta prioridade entre as potências mundiais


EDGAR C. OTÁLVORA
@ecotalvora

Publicado no jornal Diario Las Americas


A presidente do Brasil, Dilma Rousseff, pode ser a próxima figura da esquerda continental a enfrentar um processo judicial e ser condenada por atos de corrupção. Rousseff governou o Brasil de 01JAN2011 a 31AGO2016, quando foi deposta no meio do segundo mandato.

Antonio Palocci, que era o responsável pelas contas de campanha presidencial de  Rousseff,  em 2010, e serviu como ministro da Economia de Lula da Silva e ministro na Presidência de Rousseff, confirmou à Polícia Federal e ao Procurador da República do Brasil, no final de 2018, ter recebido PT recebido U$ 150 milhões para financiar a primeira campanha eleitoral de Dilma Rousseff. Segundo resenhas do jornal Rio de Janeiro O Globo, Palocci informou às autoridades sobre a abertura de uma conta bancária fora do Brasil pelo Grupo JBS, uma empresa especializada em processamento de carnes que registrou um crescimento impressionante durante os governos do PT, com base em empréstimos concedidos pelo BNDES. A conta no exterior teria sido usada para financiar despesas não registradas da campanha de Rousseff do ano de 2010.

Palocci foi condenado em 2017 a 12 anos de prisão por seu envolvimento no esquema de financiamento de empresas de construção para o partido de Lula da Silva e permanece sob prisão domiciliar como uma "recompensa" por sua colaboração em várias investigações em curso. As acusações contra Dilma ocorrem no meio da "Operação Bullish". Segundo estimativas da Polícia Federal publicadas em 2017, o BNDES teria gasto em 2007 até US $ 4 bilhões sem garantias a favor de uma "grande empresa do setor de proteína animal".

*****

O governo dos EUA realizou reuniões de alto nível com enviados de Nicolás Maduro depois que a Casa Branca reconheceu como presidente da Venezuela o presidente da Assembléia Nacional, Juan Guaidó. Maduro confirmou, em  14FEV2019, durante uma entrevista com a agência de notícias AP que o seu ministro das Relações Exteriores, Jorge Arreaza, realizou duas reuniões com Elliott Abrams, que atua como "Enviado Especial para a Venezuela" no Departamento de Estado dos EUA.

O primeiro encontro entre Arreaza e Abrams teria ocorrido em 19JAN2019, três dia após o juramento de Guaidó e poucas horas após a nomeação de Abrams como coordenador das ações do Departamento de Estado em relação à Venezuela. Ambos concordaram na sede da ONU em Nova York após a sessão do Conselho de Segurança solicitada pelos EUA para tratar da situação na Venezuela. Naquele dia, Abrams, juntamente com a subsecretária de Estado para o Hemisfério Ocidental, Kimberly Breier, faziam parte da equipe do Departamento de Estado que acompanhava Mike Pompeo na sede da ONU.

Após a sessão, Abrams e Breier realizaram uma reunião com enviados de Guaidó. A segunda reunião de Arreaza-Abrams teria ocorrido, em 11FEV2019, também em Nova York, onde o enviado de Maduro chegou naquele dia para negociações na ONU. O Departamento de Estado não negou as reuniões de Arreaza-Abrams e o secretário Pompeo, questionado pela imprensa em Reykjavik, em 15FEV2019, absteve-se de comentar o assunto. As condições da permanência da missão diplomática dos EUA em Caracas e as condições para uma saída negociada por Maduro do governo teriam sido tratadas nas reuniões.

*****

A situação na Venezuela deixou de ser uma questão regional e se tornou um assunto de alto nível entre as principais potências mundiais.

Durante uma conversa telefônica, em 12FEV2019, entre o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo e seu colega russo, Sergey Lavrov, foi discutida a "questão da Venezuela". As agendas dessas conversas geralmente são acordadas anteriormente e o Ministério das Relações Exteriores da Rússia vazou para a imprensa que "Venezuela" apareceu na lista de tópicos.

Segundo o Ministério das Relações Exteriores da Rússia "ao falar sobre questões atuais da política externa, Sergey Lavrov alertou contra qualquer interferência nos assuntos internos da Venezuela, incluindo o uso da força que Washington ameaçou usar em violação do direito internacional. Ele expressou sua disposição em realizar consultas sobre a Venezuela com base nos princípios da Carta das Nações Unidas ". Segundo o Departamento de Estado dos EUA.

O governo russo tornou-se o principal patrocinador internacional do governo Maduro que depende de Moscou para a comercialização de petróleo e fornecimento de produtos, manutenção de armas (sistemas anti-aéreos, aviões de combate), bem como o apoio diplomático e político internacional . A Venezuela tornou-se um registro geopolítico que a Rússia pretende usar em seu xadrez particular com os EUA. Na ONU, o embaixador russo Vasili Nebenzia atua como principal aliado de Maduro na tentativa de agrupar o apoio ao regime chavista. A opção de mobilizar a ajuda humanitária solicitada por Juan Guaidó sob as bandeiras da ONU é impossível, bem como a aprovação no Conselho de Segurança de qualquer resolução favorável a uma transição política na Venezuela.

*****

Mike Pompeo, a caminho da Polônia para a Islândia, fez uma visita a Bruxelas, em 15FEV2019, para uma reunião de café da manhã com a Alta Representante para os Negócios Estrangeiros da União Européia, Federica Mogherini. A agenda do encontro incluiu um intercâmbio sobre posições européias em relação ao Irã e à Venezuela. Pompeo teria insistido na necessidade de apoiar Juan Guaidó e unir esforços para restaurar a democracia na Venezuela.



O secretário de Estado Mike Pompeo e Alta Representante para os Negócios Estrangeiros da União Européia, Federica Mogherini.


Segundo fontes da equipe de Mogherini na reunião, o interesse comum de apoiar a realização de eleições presidenciais na Venezuela teria sido tratado. Após seu encontro com Pompeo, Mogherini viajou para a Alemanha para participar da "Conferência de Segurança de Munique", onde realizou a mesma reunião com o chanceler russo. Segundo a versão oficial da União Européia.

Tanto a União Européia como a OEA já estão trabalhando nos aspectos eleitorais da transição política na Venezuela. O Conselho Permanente da OEA realizou uma reunião extraordinária, em 15FEV2019, a pedido da Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, EUA, Paraguai e Peru para ouvir relatórios do Departamento de Cooperação e Observação Eleitoral da OEA e pelo Secretariado para o Fortalecimento da Democracia.



A sessão, na qual participou um representante do governo Maduro, teve como objetivo avaliar o apoio da OEA à realização de eleições na Venezuela. Os técnicos da OEA propõem que, quando chegar a hora, uma missão eleitoral para a Venezuela seja criada para participar de todo o processo de preparação das eleições, incluindo a avaliação do atual sistema eleitoral e sua reforma.

Enquanto isso, o governo dos EUA está realizando uma intensa mobilização de recursos para apoiar a operação maciça de afluxo de ajuda humanitária à Venezuela programada por Juan Guaidó,  para 23FEV2019. O chefe da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional, USAID, Mark Green, assim como autoridades diplomáticas, viajarão à fronteira colombiana com a Venezuela a partir, de 15FEV2019, para dirigir o manejo das remessas de ajuda dos EUA no campo.



 *****

Na reunião patrocinada pelos EUA realizada em Varsóvia, Polônia, 13-14FEV19 sobre a paz no Oriente Médio, com a presença de enviados de sessenta governos, incluindo ministros de dez países árabes participou o chanceler brasileiro Ernesto Araújo. A reunião também teve a presença do vice-presidente e secretário de Estado dos EUA, Mike Pence e Mike Pompeo e o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu. 

Com a chegada de Jair Bolsonaro à  presidência o Brasil está marcando um ponto de virada na política externa do Brasil e uma abordagem de aproximação operacional com os EUA e Israel marcando uma mudança na tendência política na América Latina. O governo brasileiro está participando da implantação internacional de apoio a Juan Guaidó.

O almirante Craig Faller, comandante do Comando Sul dos EUA (SOUTHCOM), chegou a Brasília, em 11FEV2019, para uma visita de dois dias, que incluiu reuniões com o ministro das Relações Exteriores, Araújo, e comandantes militares brasileiros. Na agenda de Faller havia uma questão de curto prazo como a Venezuela, mas de acordo com várias fontes consultadas, os EUA estão tentando avançar com novos acordos de longo prazo de cooperação militar com o Brasil. Os planejadores militares dos EUA identificaram a Rússia e a China como concorrentes perigosos na América Latina e estão buscando uma aliança com o Brasil para servir de contrapeso.

 


VEJA MAIS