COBERTURA ESPECIAL - Venezuela - Geopolítica

12 de Dezembro, 2018 - 21:36 ( Brasília )

Maduro - Brasil quer paz, mas Mourão é 'louco' e quer invadir a Venezuela

Maduro sente-se empoderado com a presença dos Tupolev Tu-160 na Venezuela


 

Talita Marchao


Em entrevista coletiva no Palácio de Miraflores nesta quarta-feira (12), o ditador venezuelano Nicolás Maduro disse "o povo do Brasil e as forças militares do Brasil querem paz e cooperação com a Venezuela", mas que o país elegeu um vice-presidente que "tem cara de louco" e "intenções de invadir a Venezuela".

Diante de jornalistas estrangeiros convocados para a entrevista, acusou Mourão de beligerância em relação ao país vizinho:

 

Hamilton Mourão fala todos os dias como presidente paralelo do Brasil. Todos os dias fixa a pauta do que vai ser a política desse governo, todos os dias diz que vai invadir a Venezuela, que o Brasil vai usar suas forças militares

 

Entrevista do Gen Hamilton Mourão na GloboNews onde detalha sua posição referente à Venezuela. Importante



Sobre as supostas agressões à Venezela, Maduro falou que pede "a Deus paz, mas que não se enganem nunca, porque vamos dar uma lição da qual não vão se esquecer em mil anos".

Maduro diz que "quase não se ouve a voz de Bolsonaro" e acusa Mourão de ser agressivo com a Venezuela.

"Ninguém no Brasil quer que o governo entrante de Jair Bolsonaro se meta em uma aventura militar contra o povo da Venezuela", disse.

Mas, segundo Maduro, "no governo entrante, um é mais louco do que o outro", e acusa Mourão de planejar provocações militares no sul da Venezuela -- área que faz fronteira com o Brasil.

Maduro também sobe o tom com Bogotá. "A Colômbia foi convertida em uma base de operações destes planos enlouquecidos, cheios de ódio, que vamos derrotar", afirma.

Palco de uma das maiores crises humanitárias e migratórias do continente, a Venezuela caminha para se tornar epicentro também de uma escalada militar na região.

O país recebeu quatro aeronaves da Rússia na semana, após Maduro ter ido à Rússia pedir ajuda a Vladimir Putin.

"Chegou a nós uma boa informação (...) John Bolton (assessor de segurança nacional americano), desesperado, designando missões para provocações militares na fronteira", disse Maduro.

Declarações controversas

Desde o agravamento da crise econômica e humanitária na Venezuela, soluções mais enérgicas contra o governo de Maduro já foram propostas por outros estados e até mesmo organizações.

Em agosto de 2017, Donald Trump declarou abertamente considerar uma solução militar para Venezuela. "As pessoas estão sofrendo e morrendo. Temos muitas opções em relação à Venezuela, incluindo uma possível operação militar, caso necessário"

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luiz Almagro, também disse avaliar intervir militarmente na Venezuela para resolver a crise que assola o país.

"O sofrimento do povo, no êxodo induzido que está sendo conduzido [pelo governo venezuelano], coloca as ações diplomáticas em primeiro lugar, mas não devemos descartar nenhuma ação. Quanto à intervenção militar para derrubar o regime de Nicolas Maduro, eu acho que não devemos descartar nenhuma opção", disse.

Posteriormente, Almagro se disse mal interpretado.

A Colômbia, país que mais recebeu refugiados venezuelanos, também deu declarações duras em relação a Maduro. Iván Duque, o presidente colombiano, chamou a Venezuela de "ditadura desprezível" e pediu apoio ao resto do continente em relação à crise migratória.

No Brasil, Jair Bolsonaro já se manifestou contrário ao governo de Maduro. As declarações mais duras vieram de seu filho, Eduardo Bolsonaro: "O general Mourão já falou: a próxima operação de paz do Brasil vai ser na Venezuela. Vamos libertar nossos irmãos venezuelanos da fome e do socialismo", anunciou o deputado eleito em outubro na Avenida Paulista.

Pouco tempo depois, em reunião com autoridades dos Estados Unidos, Eduardo Bolsonaro recuou. Segundo ele, a ação do governo brasileiro em relação a Maduro passará por uma cooperação entre Sérgio Moro e o Itamaraty.

"Se você for congelar tudo aquilo que remete e passa pelas ditaduras cubana e venezuelana, você pode dar um calote muito grande nesses ditadores", disse.
Outros países da América Latina se mostram mais cautelosos na maneira de abordar a questão Venezuelana. Sebastían Piñera, presidente do Chile, não concorda com a opção militar para resolver a crise na Venezuela.

"Nós acreditamos que a opção militar é uma opção ruim porque sabe-se como elas começam, mas nunca se sabe como elas terminam e que custos elas terão em termos de vidas humanas e de sofrimento", declarou a jornalistas, à margem da Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York.

Evo Morales, presidente da Bolívia, denunciou na Assembleia Geral o movimento norte-americano contra Maduro. "Os problemas da Venezuela devem ser resolvidos pelos venezuelanos", afirmou.



 

Exclusivo Análise - Tupolev TU-160 na Venezuela Link




Matérias Relacionadas
 

Roraima – A primeira ação rumo à Roraicrimeia DefesaNet Link

Roraima - Incrível Gov Suely Campos no Palácio Miraflores Link

Venezuela, uma nova Síria? Link

BR-VE - Em visita à Venezuela MD negocia fornecimento de energia a Roraima e recebe pedido de ajuda O Globo Link

BR-VE - Ministros de Defensa de Brasil e Venezuela Comprometidos en Fortalecer la Integración Suramericana Link

BR-VE - Fortalecimento de temas de defesa marcam reunião de ministros na Venezuela Link
s

Venezuela pode cortar energia de Roraima Valor Agosto 2018 Link


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


America Latina

America Latina

Última atualização 25 MAR, 14:00

MAIS LIDAS

Venezuela