COBERTURA ESPECIAL - Venezuela - Geopolítica

22 de Março, 2018 - 11:05 ( Brasília )

Governo Federal e ACNUR disponibilizam novo abrigo para venezuelanos em Boa Vista


O Governo Federal e o ACNUR (Agência das Nações Unidas para Refugiados) abriram nesta quarta-feira (21) novo abrigo para a população venezuelana que buscou o Brasil como refúgio. Desta forma, a população que estava vivendo em ruas e praças passa a ter dignidade, com acesso adequado a solução sanitária, dormitórios, alimentação e saúde.

O local foi escolhido em parceria com o ACNUR, que cuidará da organização do abrigo e registrará as pessoas acolhidas.

O Exército Brasileiro realizou a adequação parcial do local, e juntamente com as demais Forças, fornecerá a alimentação, apoio à saúde, segurança e a logística necessária para o funcionamento do abrigo.

No novo abrigo, o governo estadual apoiará com a segurança externa. A Prefeitura de Boa Vista apoiará o Governo Federal no transporte dos venezuelanos para os abrigamentos e na cobertura vacinal.

O espaço receberá hoje 220 pessoas, sendo que as famílias com crianças terão prioridade, além de mulheres gravidas e pessoas com necessidades especiais. Após o término da adequação do local, prevista para a próxima semana, poderá receber cerca de 800 pessoas.

Em paralelo, o Exército também está realizando a melhoria das instalações do abrigo "Tancredo Neves" e as Forças Armadas estão providenciando alimentação para 1.250 venezuelanos/dia, com previsão de aumentar o número de refeições e também poder alimentar a totalidade dos venezuelanos também na próxima semana.

O deslocamento de venezuelanos da Praça Simon Bolívar para o novo abrigo permitirá que a população local usufrua dos bens públicos de Boa Vista. A solução de abrigamento serve ainda para que os venezuelanos ali instalados tenham tempo de organizar documentação para começar a trabalhar no Brasil.

Novo abrigo oferece refeição, banheiro e bebedouro a imigrantes¹

Cerca de 220 venezuelanos foram retirados da Praça Simón Bolívar na manhã dessa quarta-feira, 21, e encaminhados ao novo abrigo da Capital, localizado no bairro Jardim Floresta, zona Oeste da Capital. Por meio de um processo de registro realizado pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), foram identificadas e priorizadas famílias, grávidas, idosos e pessoas com necessidades especiais (PNE).

O abrigo, que está funcionando no prédio da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil do Corpo de Bombeiros, foi alugado pela Acnur por dois meses e tem capacidade para atender uma média de 800 pessoas. Após o término da adequação do local, que deve ser feita pelo Exército Brasileiro, outros imigrantes devem ser encaminhados ao abrigo. O espaço está situado na Avenida Carlos Pereira de Melo.

Conforme apontou o porta-voz da Acnur no Brasil, Luiz Fernando Godinho, o abrigo está incluído nas medidas provisórias apresentadas pelo Presidente da República, Michel Temer (MDB), durante sua passagem por Roraima em fevereiro de 2018, apesar de também ter a Acnur como responsável pela organização e administração. “É um esforço conjunto para que possamos dar um abrigamento mais decente a essas pessoas”, disse.

No local, foram instaladas até o momento 44 barracas e diversos banheiros químicos. Além disso, o espaço conta com chuveiros e bebedouros para atender aos imigrantes. Segundo Godinho, a alimentação será provida pelo Exército Brasileiro, que vai fornecer três refeições ao dia, além de auxiliar na saúde, segurança e logística necessária para o funcionamento do abrigamento.

Chegando ao abrigo, os imigrantes passaram por um novo processo de triagem, realizado pela Prefeitura de Boa Vista, em que foram entregues carteiras de identificação. Os documentos serão utilizados tanto para a entrada dos imigrantes no local, como para receber comida, colchonetes e kits de higiene e limpeza. Antes de entrar, os venezuelanos ainda foram imunizados pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa).

AÇÃO CONJUNTA - Todos os órgãos envolvidos vão assumir responsabilidades. O Governo Estadual vai fornecer apoio com a segurança externa por meio da Polícia Militar, a Prefeitura de Boa Vista vai apoiar a União no transporte dos venezuelanos para o local e na cobertura vacinal e o Exército Brasileiro vai fornecer a alimentação três vezes ao dia.

INTERIORIZAÇÃO - Sobre a situação dos imigrantes que devem ser encaminhados a outros Estados, Godinho ressaltou que as cidades precisam estar preparadas para tal mudança. Conforme declarou, a decisão de quais cidades vão receber e como e quando as pessoas vão sair de Roraima será tomada pelo Governo Federal, que está conduzindo o processo.

NOVOS ABRIGOS - Com a chegada do inverno, a preocupação gira em torno dos imigrantes que ainda não estão alojadas, apesar de o novo abrigo ainda ter espaço para receber mais pessoas. “É uma discussão constante considerando o contínuo fluxo de pessoas para o Estado, é uma questão que está em negociação, faz parte da agenda de trabalho e certamente está no radar de todas as autoridades”, relatou Godinho. (A.G.G)

“É uma oportunidade para conseguir me estabilizar no Estado”, diz imigrante

Com a filha de um ano e meio nos braços, Adriana Farjado esperava ansiosa pela van que a levaria a um verdadeiro abrigo. Desde que chegou à Boa Vista, há quase dois meses, ela vivia com a filha na Praça Simón Bolívar. Na região de El Tigre, na Venezuela, ela deixou outros dois filhos e a mãe. “Eu trabalhava em um supermercado quando chegou o momento que não dava mais pra comprar comida para os meus filhos, então decidi vir”, contou.

Na praça, Adriana vivenciou inúmeros imigrantes bebendo e fumando todos os dias. Já no abrigo, ela sente a segurança que tanto procurou. A partir de agora, ela vai buscar emprego para garantir a independência financeira, alugar uma casa e, só então, trazer a família para Roraima. “É uma oportunidade para conseguir me estabilizar no Estado”, declarou.

A família de Heijdrina Rodriguez também foi encaminhada ao abrigo Jardim Floresta nessa quarta-feira, 21. Há cerca de um mês em Boa Vista, a vida na praça não parecia estar perto do que ela sonhou quando abandonou o país natal. Junto aos pais, o esposo e os filhos, Heijdrina é mais uma imigrante que resolveu criar um novo começo no Brasil. “Me sinto mais segura aqui, agora temos base para procurar emprego sabendo que temos onde dormir em paz”, pontuou. (A.G.G)

¹por
Ana Gabriela Gomes - Folha Web (BV) - Via Notimp / Agência Força Aérea / FAB

 



Outras coberturas especiais


Base Industrial Defesa

Base Industrial Defesa

Última atualização 17 DEZ, 00:05

MAIS LIDAS

Venezuela