COBERTURA ESPECIAL - Venezuela - Geopolítica

27 de Dezembro, 2017 - 11:20 ( Brasília )

Em resposta à Venezuela, Brasil expulsa diplomata


O governo brasileiro declarou ontem 'persona non grata' o encarregado de negócios da Venezuela no Brasil, Gerardo Antonio Delgado Maldonado, em retaliação à decisão do governo venezuelano, anunciada no sábado, de fazer o mesmo ao embaixador brasileiro em Caracas, Ruy Pereira.

Informações extraoficiais indicam que o diplomata venezuelano encontra-se em solo brasileiro. Nesse caso, ele terá de deixar o País num prazo ainda a ser determinado, que costuma ser de 48 horas, mas pode variar.

O Estado entrou em contato com a Embaixada da Venezuela, mas não conseguiu saber se o diplomata está no Brasil. A pessoa que atendeu ao telefone disse que aquele número era só para emergências consulares.

Quando a presidente da Assembleia Constituinte, Delcy Rodríguez, anunciou a decisão de expulsar Ruy Pereira da Venezuela, ele já havia chegado ao Brasil para as festas de fim de ano.

Com isso, ele apenas não retornará a Caracas, mesmo que o governo de Nicolás Maduro formalize sua decisão. A expulsão do diplomata venezuelano estava prevista desde o sábado, quando o Itamaraty prometeu medidas de reciprocidade à decisão venezuelana.

A chancelaria brasileira esperou um gesto formal do governo venezuelano para reagir porque o Brasil não reconhece a legitimidade da Constituinte, criada pelo chavismo para anular os poderes do Congresso, dominado pela oposição.

O anúncio feito por Delcy, portanto, não foi considerado pelo País uma notificação oficial, como prevê a Convenção de Viena para relações diplomáticas.

A Venezuela está sem embaixador no Brasil desde o ano passado, em protesto contra o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, considerado por Caracas um "golpe".

Assim, a medida de reciprocidade foi aplicada ao diplomata mais graduado em serviço no Brasil. Em 2016, o País também retirou seu embaixador do país vizinho, como reação.

Mas, desde maio, Pereira estava em Caracas por determinação do chanceler Aloysio Nunes, que achava importante o embaixador ter trânsito no governo e na oposição venezuelanos.

Um experiente diplomata brasileiro avalia que, com sua atitude, a Venezuela tratou de eliminar as testemunhas dos atos do governo de Nicolás Maduro, "que são cada vez mais típicas de uma ditadura".

Com a decisão de expulsar o embaixador brasileiro, Caracas forçou uma reação no mesmo tom e isso aprofundou as diferenças com o Brasil. No momento, as chances de reatar relações são consideradas "zero". O País não pretende enviar outro embaixador para lá tão cedo.

Críticas. Na quinta-feira, o Itamaraty divulgou uma nota condenando a decisão de Maduro de dissolver os governos municipais da Grande Caracas e de Alto Apure.

O comunicado qualificou a medida de "autoritária" e componente de um "continuado assédio" à oposição. "São medidas que desmentem o anunciado interesse do governo venezuelano em buscar uma solução negociada e duradoura para a crise."

A nota também chamou a atenção para a crise venezuelana e pediu que Caracas autorize a entrada de ajuda internacional. O comunicado reiterou a intenção do governo brasileiro de doar alimentos e remédios. No mesmo dia, Brasília havia sediado a reunião de cúpula do Mercosul e a crise no vizinho foi mencionada com preocupação pelos presidentes do bloco.

Opinião dissonante veio do governante da Bolívia, Evo Morales, para quem a Venezuela é alvo de "um ataque político, midiático e comercial".

Artigo relacionado:  

Venezuela decide expulsar embaixador brasileiro [Link]

Polícia venezuelana prende 22 em confronto com saqueadores

Pelo menos 22 pessoas foram presas no Dia de Natal em Ciudad Bolívar, no sul da Venezuela, em meio a vários atos de pilhagem e tentativas de saque. A polícia local usou bombas de gás lacrimogêneo para dispersar uma multidão que se aglomerou diante de uma loja de bebidas alcoólicas no município - os cidadãos responderam arremessando pedras, segundo informações do jornal El Nacional.

Casos similares ocorreram em outros estabelecimentos de venda de bebidas e mercados de alimentos. O prefeito de Ciudad Bolívar, o chavista Sergio Hernández, pediu calma e informou que um dispositivo de segurança foi iniciado "para resolver qualquer situação e garantir a paz".

Ontem, o Exército e a polícia patrulharam as ruas de Ciudad Bolívar com blindados para evitar novos distúrbios. A Venezuela enfrenta grave crise de escassez de comida, remédios e combustível.

Leia também:  

RIOTS - Venezuela Campo de Prova para Equipamentos Chineses [Link]


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


PROSUB S40

PROSUB S40

Última atualização 15 DEZ, 17:00

MAIS LIDAS

Venezuela