COBERTURA ESPECIAL - US - Geopolítica

17 de Dezembro, 2017 - 15:30 ( Brasília )

RAND - Capacidades e Forças Militares dos EUA para um Mundo Perigoso

Repensando a Abordagem dos EUA para o planejamento de sua estrutura militar

Nota DefesaNet

Na semana de 18 a 22 Dezembro 2017, o governo Trump anunciará a sua National Security Strategy.

Este estudo da RAND Corporation traz análises que certamente foram usadas na formulação e serão na análise da National Security Strategy.

O Editor
 

U.S. Military Capabilities and Forces for a Dangerous World
Rethinking the U.S. Approach to Force Planning

 
1.    Quais áreas e capacidade merecem maior prioridade para a modernização das forças dos EUA para enfrentar desafios emergentes?
2.    Quanto custaria o desenvolvimento e implantação de capacidades e aprimoramentos de postura exigidos pelo emergente desafios no cenários de segurança mundial?
 
Este relatório avalia as capacidades das atuais forças e as programadas das Forças Armadas americanas para atender às demandas de conflitos que poderiam surgir envolvendo um dos cinco adversários potenciais:

-  China;
- Rússia;
- Coréia do Norte;
 - Irã,  e,
- grupos salafistas-jihadistas.


O relatório conclui que as forças dos EUA hoje são maiores do que o necessário para lutar contra uma única grande guerra, não conseguem acompanhar as forças modernizadoras dos adversários dque competem pelo poder, estão mal posicionadas para enfrentar os principais desafios na Europa e no Leste Asiático e são insuficientemente treinadas para o pronto emprego de muitas unidade da Força ativa.

O relatório recomenda uma série de aprimoramentos para as capacidades e postura das forças dos EUA e oferece três cenários de planejamento de força alternativas para ajudar a garantir, que os recursos de defesa sejam, no futuro, aplicados às necessidades de maior prioridade.

Principais conclusões

O Departamento de Defesa dos EUA (DoD) continua a usar um padrão de duas guerras regionais, embora este padrão agora tenha poucas relações com o que a administração e a nação esperam que as forças armadas dos EUA estejam preparadas para fazer.

Importantes interesses nacionais hoje estão sendo desafiados por duas grandes potências - a Rússia e a China - que representam desafios operacionais e estratégicos que superam os que representam os adversários regionais que animam o atual Force Planning Concept (FPC) do DoD.

Com o seu crescente arsenal de armas nucleares e mísseis balísticos, a Coréia do Norte apresenta hoje ameaças pelas quais os EUA e as forças aliadas não possuem respostas satisfatórias.

Embora os Estados Unidos e seus aliados e parceiros tenham feito avanços consideráveis ??ao eliminar a ameaça da Al Qaeda e seus afiliados, as forças dos EUA devem estar envolvidas na luta com grupos salafistas-jihadistas, como o ISIS, por muitos anos à frente.

Enfrentar os desafios colocados pelos adversários mais capazes geralmente não exige uma força maior dos EUA, mas sim uma força equipada com armas modernas adequadas e recursos de apoio que também é posicionado para operações responsivas e resilientes nos teatros de conflitos potenciais.

Recomendações

O planejamento de forças no DoD hoje deve dar maior prioridade à modernização das capacidades e postura das forças dos EUA, a fim de melhor capacitá-los a deter e a vencer as agressões da China, Rússia e Coréia do Norte.

Ao mesmo tempo, os planejadores da força deveriam providenciar a expansão contínua e gradual das forças de operações especiais, modernizar as forças nucleares dos EUA e aumentar os níveis de prontidão das forças de componentes ativos

As principais prioridades de investimento devem incluir:
 
Sistemas e conceitos que permitem às forças dos EUA detectar, localizar e danificar ou destruir forças militares móveis (por exemplo, forças navais, forças terrestres mecanizadas) em áreas protegidas por defesas aéreas avançadas.
Sistemas e conceitos para permitir a supressão / neutralização rápida de redes de defesa aérea avançados.

Novas abordagens para aumentar a resiliência das bases terrestres e marítimas para que possam sustentar operações diante de ataques repetidos por mísseis de cruzeiros (cruise missiles), e mísseis balísticos.

Sistemas e conceitos para aumentar a resiliência das capacidades-chave baseadas no espaço, incluindo posicionamento, tempo e navegação (PNT); reconhecimento; e comunicações.

Preposicionamento de Forças Ativas nos Teatro de Operações possíveis para compensar os desequilíbrios existentes e para apoiar intervenções e operações mais rápidas e em grande escala.

A implementação dessas recomendações no nível atual de gastos de defesa exigiria reduções substanciais da estrutura de força. A nação poderia evitar grandes cortes de força e alcançar os objetivos descritos acima, aumentando as despesas de defesa entre US $ 20 bilhões a US $ 40 bilhões por ano de forma sustentada.


Table of Contents
·         Chapter One
The Need for a New Approach to Force Planning
·         Chapter Two
China: Ensuring Access to the Air and Sea Commons and Sustaining Capabilities for Effective Power Projection Operations
·         Chapter Three
Responding to Russia's Remilitarization of Geopolitics in Europe
·         Chapter Four
Countering a Nuclear-Armed North Korea
·         Chapter Five
Countering Iranian Aggressiveness and Maintaining Balance in the Persian Gulf Region
·         Chapter Six
Combating Salafist-Jihadi Groups: The Roles Played by U.S. SOF
·         Chapter Seven
Alternative Force Planning Constructs and Associated Forces
·         Appendix A
The Third Offset and the Future of DoD's R&D Investment Portfolio
·         Appendix B
On the Future of the U.S. Nuclear Posture
·         Appendix C
Estimating the Costs of Alternative Future Forces: Assumptions and Approach
·         Appendix D
Sizing Force Elements for Alternative Force Planning Constructs
  ______________________________

Alguns pontos anotados por DefesaNet
Recomendamos a leitura atenta do Cápitulo 7
Alternative Force Planning Constructs and Associated Forces
A partir da página 95

Especialmente a tabela da página 100 reproduzida abaixo.
 

- Virginia Nuclear Attack Submarine Class equipped with the Virginia Payload will be able to carry 40 Tomahawks. But once these weapons are expended, the submarine is out of the fight for an extended period as it returns to port to be reloaded. So these platforms, valuable as they are, cannot be a panacea. Unmanned underwater vehicles may provide a less costly means to deploy weapons and sensors to contested battlespaces. Pag107

- A battery of the Army’s THAAD system, for example, costs approximately $750 million to procure. It comes equipped with one radar and six missile launchers that mount a total of 48 interceptor missiles. In our games, capable adversaries typically target THAAD batteries with multiple warheads and decoys, providing high confidence of destroying the system’s radar in the first missile salvo. Until more robust and affordable concepts for defeating attacks of this nature are devised, further investments in TMD do not look appealing. Pag 108

 
A Leitura atenta do Appendix A - The Third Offset and the Future of DoD’s R&D Investment Portfolio Pág 112
Um roteiro para novas tecnologias e reavaliação das atuais

Tópicos listados:
 
-         Autonomous and/or Swarming Unmanned Air and Ground Vehicles
-         Unmanned Vehicle Challenge to the Submarine
-         The Emergence of Enhanced and Armored Infantry
-         Extending the Operational Life of Large Combat Vehicles
-         Global-Range Precision Strike
-         Conflict Through Cyberspace
-         The Emergence of War in the Space Domain
-         Other Areas of Innovation
 
Para finalizar uma análise interessante que afeta o Brasil:

"A somewhat more unconventional option is for the USSOCOM (Special Operations Command) to acquire a fleet of fixed-wing light reconnaissance attack aircraft, such as the turboprop Embraer A-29 Super Tucano, AT-6C Wolverine, or the recently developed all jet Cessna Scorpion.These aircraft have a much higher performance than even an advanced rotorcraft design". Pag 91
 


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Russia Docs

Russia Docs

Última atualização 24 MAI, 11:45

MAIS LIDAS

US