COBERTURA ESPECIAL - UNODC - Segurança

09 de Julho, 2019 - 01:17 ( Brasília )

UNODC - Crime Organizado mata mais pessoas do que conflitos armados

Lançado o Estudo Global sobre Homicídio 2019 com interesantes análises e avaliações sobre os cinco continentes.

 

Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime
UNODC


8 de julho de 2019 - Cerca de 464.000 pessoas em todo o mundo foram mortas em homicídios em 2017, superando de longe os 89.000 mortos em conflitos armados no mesmo período, de acordo com o Global Study on Homicide 2019 publicado na segunda-feira, 08JUL2019, pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. (UNODC).

"O Estudo Global sobre Homicídios busca lançar luz sobre assassinatos relacionados a gênero, violência letal de gangues e outros desafios, para apoiar a prevenção e as intervenções para reduzir as taxas de homicídio", disse o diretor executivo do UNODC, Yury Fedotov. "Os países comprometeram-se com as metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável para reduzir todas as formas de violência e as taxas de mortalidade relacionadas até 2030. Este relatório oferece exemplos importantes de intervenções eficazes baseadas na comunidade que ajudaram a melhorar as áreas atingidas pela violência, gangues e crime organizado."

O estudo mostra que o número total de homicídios aumentou no último quarto de século, de 395.542 em 1992 para 464.000 em 2017. No entanto, devido a população global ter crescido mais rápido do que o aumento do número de vítimas de homicídio registrados, o percentual geral de homicídios diminuiu de forma constante. A taxa global de homicídios, medida como vítimas de homicídio por 100.000 pessoas, declinou de 7,2 em 1992 para 6,1 em 2017.

Crime organizado responsável por 19 por cento dos homicídios




Somente o crime organizado foi responsável por até 19% de todos os homicídios em 2017. Desde o início do século XXI, o crime organizado matou o maior número de pessoas que todos os conflitos armados em todo o mundo juntos. Além disso, assim como os conflitos armados, o crime organizado desestabiliza os países, mina o desenvolvimento socioeconômico e corrói o Estado de Direito.

As taxas de homicídio variam muito entre e dentro das regiões


A taxa de homicídios global média de 2017 (6.1) mascara variações regionais dramáticas. A taxa nas Américas (17,2) foi a mais alta registrada na região desde que os registros confiáveis ??começaram em 1990. A taxa de África (13,0) também estava acima da média global, enquanto as taxas na Ásia, Europa e Oceania estavam abaixo da média global (2,3 , 3,0 e 2,8, respectivamente).

Embora as taxas de homicídio permaneçam altas nas Américas, o quadro varia enormemente dentro da região e dentro de cada país. Na América Central, o país com a maior taxa de homicídios (62,1) teve uma taxa mais de sete vezes maior que a do país com o menor índice. Na América do Sul, o país com a maior taxa de homicídios (56,8) teve uma taxa mais de 16 vezes maior que a do país com o menor índice.

Dentro dos países das Américas, altos níveis de homicídios são agrupados, com algumas populações locais enfrentando taxas de homicídio comparáveis ??às taxas de mortalidade em zonas de conflito e outras com risco insignificante.
A maioria das vítimas de homicídio são homens, mas as mulheres são mais frequentemente mortas por familiares e parceiros íntimos

Globalmente, cerca de 81% das vítimas de homicídio registradas em 2017 eram homens e meninos, e mais de 90% dos suspeitos em casos de homicídio eram homens, de acordo com as estimativas mais recentes. No entanto, o estudo mostra que a disparidade de gênero entre vítimas muda com a idade.

Meninas e meninos com nove anos ou menos morrem a taxas quase iguais, em contraste marcante com todos os outros grupos etários, nos quais os homens representam mais de 50% das vítimas, segundo dados de 41 países.

Em todas as regiões, a probabilidade de os meninos se tornarem vítimas de homicídio aumenta com a idade, embora esse processo ocorra em diferentes estágios. Homens e adolescentes do sexo masculino com idade entre 15 e 29 anos estão em maior risco de homicídio globalmente.

Embora as mulheres e meninas respondam por uma parcela muito menor de vítimas de homicídio em geral do que os homens, elas continuam a ter, de longe, a maior carga de homicídios com parceiros íntimos e familiares.

Enfrentando os indutores de homicídio



Intervenções direcionadas e eficientes para combater o homicídio exigem uma compreensão abrangente de sua escala e motivadores. Os indutores de homicídio destacados no estudo incluem desigualdade, desemprego, instabilidade política, a prevalência de estereótipos de gênero na sociedade e a presença do crime organizado.

O estudo também aponta para a importância de um modelo de governança centrado no Estado de Direito, no controle da corrupção e no investimento no desenvolvimento socioeconômico, inclusive na educação, como fundamental para reduzir a taxa de crimes violentos. Armas de fogo, drogas e álcool são mais facilitadores do homicídio que precisam ser abordados, de acordo com o estudo.


Booklet 1: Executive summary

This booklet summarizes the content of the five subsequent substantive booklets by reviewing their key findings and highlighting a set of policy implications derived from the analyses presented in them

Booklet 2: Homicide: extent, patterns, trends and criminal justice response

This booklet constitutes the second part of the Global Study on Homicide 2019. It provides an overview of intentional homicide counts, rates and trends. Starting at the global level, the analysis turns to regional, subregional and national trends before the focus shifts to the subnational picture of homicide in selected locations where such data are available and patterns can be identified. Urban homicide patterns and urban homicide trends are examined as are the demographics of homicide victims and the sex of homicide perpetrators. The booklet ends with an overview of the criminal justice response to homicide. In-depth contributions by external experts feature throughout the booklet.

Booklet 3: Understanding homicide - typologies, demographic factors, mechanisms and contributors

Constituting the third part of the Global Study on Homicide 2019, this booklet provides an overview of the drivers of homicide and looks at the different typologies and mechanisms of homicide perpetration. The drivers of homicide are manifold and have to do with a number of factors: socioeconomic and environmental conditions, governance and the rule of law, political stability, demographics, and cultural stereotypes (particularly in relation to gender roles). Homicidal violence is also influenced by the availability of mechanisms such as firearms or sharp objects, and by the use and trafficking of psychoactive substances. The links between homicide and socioeconomic and environmental factors, along with the ways in which these factors may drive homicide or contribute to its containment, are analysed in booklet 4, which focuses on the interactions between homicide and development.

Booklet 4: Homicide, development and the Sustainable Development Goals

Constituting the fourth part of the Global Study on Homicide 2019, this booklet starts by examining the relationship between homicidal violence and level of development with reference to the Sustainable Development Goals. A macroanalysis of the extent to which homicide rates can be explained by national levels of development is then presented. The analysis is based on a set of models that incorporate the latest available homicide data and were designed to take into account the social and economic factors most strongly correlated with homicide rates across countries. Comparing the homicide rate predicted on the basis of a country's level of development with the actual homicide rate reported by that country helps to clarify how effective development policies can be instrumental in reducing homicidal violence.

Booklet 5: Gender-related killing of women and girls

Constituting the fifth part of the Global Study on Homicide 2019,this booklet gives an overview of the scope of gender-related killing of women and girls. It provides in-depth analysis of killings perpetrated within the family sphere and examines forms of gender-related killings perpetrated outside the family sphere, such as the killing of women in conflict and the killing of female sex workers. The booklet explores the scale of intimate partner/family-related killings of women and girls, and describes different forms of gender-related killings of women. It also looks at the characteristics of the perpetrators of intimate partner killings, the link between lethal and non-lethal violence against women, and the criminal justice response

Booklet 6: Killing of children and young adults

Violence against children is a multidimensional phenomenon that is often underreported; it can take many forms and is influenced by a wide range of factors, such as the personal characteristics of the victim and perpetrator and their cultural and physical environments. Such violence remains hidden in many instances because children are often afraid to report acts of aggression, and also because reporting mechanisms tend to be inaccessible or even non-existent. Children may also keep silent about the violence they suffer when it is perpetrated by parents and other family members, or by another figure of authority such as an employer, community leader or police officer. Lethal violence against children can occur in a continuum of violence, representing the culmination of various forms of violence that children may be subjected to in different settings. One of the targets of Sustainable Development Goal 16 on peace, justice and strong institutions is to "end abuse, exploitation, trafficking and all forms of violence against and torture of children".



VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Base Industrial Defesa

Base Industrial Defesa

Última atualização 21 JUL, 21:27

MAIS LIDAS

UNODC