COBERTURA ESPECIAL - Especial Terror - Geopolítica

09 de Maio, 2017 - 11:30 ( Brasília )

Escândalo de extremismo no Exército alemão tem nova prisão

Radical de direita, soldado é preso sob suspeita de planejar ataque contra segurança nacional. Ele seria cúmplice do primeiro-tenente detido em abril e, juntos, teriam preparado atentado contra políticos pró-imigração.

Investigadores que apuram a presença de simpatizantes de extrema direita Forças Armadas da Alemanha (Bundeswehr) detiveram outro militar suspeito de planejar um "sério ataque contra a segurança nacional", anunciaram promotores federais nesta terça-feira (09/05), em Karlsruhe.

De acordo com o portal alemão Der Spiegel, um soldado da Bundeswehr de 27 anos identificado como Maximilian T. foi detido perto da cidade de Kehl, no estado de Baden-Württemberg, no sudoeste da Alemanha. Maximilian foi interrogado pela Contra-Inteligência Militar (MAD) na manhã desta terça-feira. Em seguida, investigadores declararam sua prisão e o levaram sob custódia.

"O acusado é fortemente suspeito de planejar um ato severo de violência contra o Estado por causa de uma convicção extremista de direita", disse a promotoria, em comunicado.

Autoridades suspeitam que ele seja cúmplice do primeiro-tenente Franco A., de 28 anos, e do estudante Mathias F, ambos presos no fim de abril. Segundo a promotoria, os três tinham planejado realizar um ataque e fazê-lo parecer que foi executado por terroristas islâmicos. O ex-presidente da Alemanha Joachim Gauck e o ministro da Justiça, Heiko Maas, estavam numa lista de possíveis alvos.

Investigações apontaram que, em 2015, Franco usou um nome falso para se passar por refugiado sírio e, mais tarde, deu entrada no pedido de refúgio. O primeiro-tenente recebeu dinheiro como refugiado desde janeiro de 2016.  As detenções de Franco e do estudante levantaram sérias questões sobre a extensão do sentimento de extrema direita nas Forças Armadas da Alemanha. 

O Exército alemão investiga 275 casos suspeitos de extremismo de direita dentro de suas fileiras. A maioria dos casos estava relacionada a crimes de propaganda e comentários racistas na internet.

No fim de semana, investigadores descobriram um quarto em um quartel de Donaueschingen, no sudoeste do país, decorado com objetos da Wehrmacht, as forças militares do antigo regime nazista. Uma busca em todos os quartéis do país foi ordenada, na procura de objetivos similares.

Leia também:

Escândalo põe Ministra da Defesa em atrito com as Forças Armadas da Alemanha [Link]