05 de Dezembro, 2017 - 10:00 ( Brasília )

SOF

Curso de Comandos de Força Aérea




O Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento, conhecido como PARA-SAR, realizou, em 24 de novembro, a formatura do Curso de Comandos de Força Aérea (CCFA), que visa capacitar os militares para atuarem em Operações Especiais.

Durante três meses, os alunos participaram de ati vidades nos mais variados ambientes operacionais do País: selva, mar, montanha, área urbana e rural. As instruções exigiram não só a capacidade fí sica, mas também a psicológica dos alunos. “Existem militares bem preparados fisicamente, mas que, ao longo do curso, acabam desisti ndo devido aos fatores emocionais. Nós trabalhamos muito com os atributos afetivos, como resiliência, persistência e comprometi mento, necessários para o cumprimento de nossas missões, geralmente realizadas em ambientes hosti s, inóspitos e que envolvem elevado grau de periculosidade”, ressaltou o Coordenador do CCFA, Major de Infantaria Antonio Luiz Moura Junior.



O candidato à vaga é submetido a uma rigorosa seleção. O aluno Evilásio Fernando Barros se preparou durante quatro meses para estar em melhores condições de realizar o curso. “A marcha com mochila pesada é a que eu imaginava ter mais dificuldade, então treinei bastante para isso e também as demais áreas, tendo em vista que todas as atividades do curso são bem cansativas e com grau elevado de exigência. Pretendo, ao finalizar o curso, fazer parte do Destacamento Operacional do EAS e poder cumprir as ações de Força Aérea atribuídas ao Esquadrão”, disse.

Realizado de dois em dois anos pela FAB, o curso inclui oficiais e graduados do PARA-SAR e das Unidades de Infantaria de todo o país. Os futuros comandos estarão aptos a comporem os destacamentos operacionais do PARA-SAR, visando ao cumprimento das ações de Força Aérea previstas na missão daquele Esquadrão.

“O curso ocorre desde 1994 e é considerado a porta de ingresso no PARA-SAR, sendo uma oportunidade na qual os militares de outras unidades da FAB são testados e selecionados para prosseguirem nas demais especializações do Esquadrão, recebendo o título de Pastor.

Com a conclusão do curso, o militar torna-se apto a cumprir ações de Força Aérea de Reconhecimento Especial, Ação Direta e Contraterrorismo, bem como terá os requisitos para ser capacitado em Guia Aéreo Avançado (GAA).

Os Comandos de Força Aérea têm como ideal ‘viver como poucos e ir além dos demais’, em prol do cumprimento da missão atribuída ao Esquadrão. "Nossa lida, vossa vida”, comentou o Comandante do PARA-SAR, Tenente-Coronel de Infantaria Anderson de Oliveira Schiavo, Pastor 145.

O aluno Bruno Pinheiro Negromonte pretende se especializar cada vez mais na área de operações especiais. “Para mim, concluir o curso é ver portas abertas de oportunidades na minha carreira, como o ingresso no PARA-SAR, além de poder realizar outros cursos especializados nessa área”, destacou.

Fases

Fase 1
Nivelamento Tático: nesta fase, realizada ainda em Pirassununga (SP), os instruendos possuem pouco tempo de descanso e passam por diversas avaliações, como técnicas aquáti cas e defesa pessoal. Também são levados a conhecerem seus próprios limites em longas marchas a pé conjugadas com instruções de navegação terrestre. A roti na é estressante e realizada sob condições de relevante desgaste físico e mental.



Fase 2
Consolidação: realizada em Campo Grande (MS), o objetivo é consolidar os atributos adquiridos na primeira fase, esti mulando o raciocínio estratégico do aluno em situações não convencionais, semelhantes ao que as Operações Especiais exigem. Durante essa fase são transmiti dos conhecimentos na área de armamento, explosivos, tiro tático, planejamento de missões especiais, operações de inteligência e de apoio à informação.



Fase 3
Técnica: realizada no Rio de Janeiro (RJ), é a fase em que os alunos aprendem métodos de infiltração no mar, de adaptação ao ambiente e de operação em relevo de montanha. Também são treinados em áreas edificadas, pelo Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE-RJ), e nas técnicas e táticas de contraterrorismo, com o Batalhão de Operações Especiais de Fuzileiros Navais (Tonelero), da Marinha do Brasil.



Fase 4
Operações: desenvolvida em Manaus (AM), essa fase é composta pelo módulo de adaptação e operações na selva, ministrado pelo Esquadrão Harpia (7º/8º GAV).



Fase 5
Conclusiva: realizada em Campo Grande (MS), promove o módulo final com instruções de combate rural e rastreamento com o Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE-MS) e aplicação das técnicas de fuga e evasão, simulando o abandono de uma área hosti l.



Processo Seletivo

O processo seletivo do Curso de Comandos de Força Aérea (CCFA 2017) durou 3 dias e foi realizado na Academia da Força Aérea (AFA), em Pirassununga (SP).

Contando com a presença de 37 candidatos, incluiu testes de aptidão física e de conhecimentos práticos. O primeiro foi composto por flexão de braços na barra fixa, abdominal, flexão e extensão de braços, subida na corda vertical, corrida de 8 km, marcha a pé de 16 Km, natação, nado submersão e flutuação.

Já os testes de conhecimentos práticos avaliaram o desempenho dos candidatos em patrulhas, nós e amarrações, orientação, armamento, comunicações, primeiros socorros, explosivos e demolições. No final dessa fase de nivelamento, apenas 25 militares se tornaram aptos a prosseguir no curso.

Leia também:  

FAB - Curso de Comandos e aniversário do PARA-SAR [Link]


Fotos: Agência Força Aérea / FAB