15 de Março, 2017 - 11:00 ( Brasília )

Segurança

Parceria inédita público-privada de segurança será lançada durante a ISC Brasil

Projeto inovador da empresa Genetec promete unir os setores no combate à criminalidade



Investir em segurança é um assunto de extrema importância na atualidade, mas a falta de verba para o setor público tem sido um dos grandes gargalos para a melhoria do setor em diversas cidades brasileiras. Focado neste problema a Genetec, empresa especializada em soluções inovadoras em IP, apresenta durante a ISC Brasil 2017 – 12ª Feira e Conferência Internacional de Segurança, que será entre os dias 18 e 21 de abril, no Expo Center Norte, em São Paulo, seu modelo inédito de compartilhamento público-privado: o “Projeto Luz Azul”.

A parceria funciona da seguinte forma: o setor privado é o responsável pela aquisição das câmeras de segurança e a contrapartida fica por conta do setor público, responsável pelo monitoramento das imagens e de coibir, de forma mais ágil, a ação dos criminosos, por exemplo. “De um lado entra o comerciante, que compra o sistema e as câmeras, mas não tem a responsabilidade de gerenciar as imagens, já que o programa as armazena na nuvem e as transmite em tempo real à polícia.

Do outro entra o setor público, que passa a contar com a possibilidade de expandir sua área de monitoramento sem precisar, efetivamente, investir grandes recursos”, explica o Country Manager da Genetec no Brasil, Denis Cótê.

No final do ano passado, o RECAP - Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo de Campinas e Região, em parceria com a Prefeitura Municipal de Campinas, implantou o projeto na cidade. Inicialmente 10 postos de gasolina receberam o sistema e passaram a transmitir as imagens em tempo real para a CIMCamp - Central de Monitoramento Integrada de Campinas. “O sistema permite que a Guarda Municipal tenha acesso em tempo real as 16 câmeras instaladas nos postos de gasolina participantes do projeto.

O Security Center da Genetec, sistema instalado nos estabelecimentos, permite ao usuário ter acesso as gravações de quantas câmeras forem necessárias, de forma ilimitada. Esse é o grande diferencial do negócio”, destaca Denis.

Em Campinas o projeto será avaliado durante um ano e, possivelmente, ampliado para comércios de outros segmentos. “É uma tecnologia simples e barata. O valor varia entre R$ 200 e R$ 400 mensais e não possui limite, podendo atingir uma maior quantidade de estabelecimentos comerciais”, afirma ele.

O projeto “Luz Azul” será apresentado no espaço ISC Experience, num formato simulador, onde os visitantes da ISC Brasil poderão visualizar in loco o funcionamento do projeto. Além disso, a empresa fará o lançamento do site www.luzazul.com.br, onde serão divulgadas as cidades, associações e estabelecimentos comerciais que fazem parte do projeto. 

Modelo norte-americano

Inspirado no modelo norte-americano, já em funcionamento na cidade de Detroit, o Projeto Luz Azul tem como objetivo promover a parceria entre o setor privado e o público em prol do aumento da segurança para a população.

O projeto, que nos Estados Unidos é conhecido como Green Light foi implantado, inicialmente, em oito postos de gasolina de Detroit em janeiro de 2016 e hoje conta com mais de 100 estabelecimentos comerciais. “No início de 2016 a cidade de Detroit sofria com uma epidemia de assaltos em postos de combustíveis.

Com a implantação do projeto, em apenas um ano, os assaltos a esse tipo de estabelecimento registrou redução de 40% e os comerciantes ainda registraram crescimento de 5% a 10% no movimento”, afirma Cótê. “Os pontos comerciais que fazem parte do projeto são identificados com uma placa e uma luz verde, o que afasta os criminosos, que não praticam o roubo ao estabelecimento por saber que estão sendo monitorados pela polícia”, ressalta ele. 

Novidades na feira

A empresa ainda levará para a ISC Brasil uma derivação do Security Center, que permite ao agente de trânsito a identificação de carros com irregularidades, por meio de suas placas. “Esse sistema pode ser usado em carros ou motos e realiza a leitura das placas automotivas e, por meio do cruzamento com o banco de dados da polícia ou do Detran, identificando possíveis irregularidades ou se o veículo é proveniente de furto ou roubo”, esclarece Cótê.

Uma moto será exposta no estande da empresa, onde os visitantes poderão visualizar a aplicação do equipamento e entender melhor sobre o sistema. “Esse sistema já foi implantado em algumas cidades de Santa Catarina e, segundo os órgãos do estado, em apenas uma semana de funcionamento cerca de 3 mil carros com irregularidades foram abordados ou notificados”, finaliza Denis.