COBERTURA ESPECIAL - Russia Docs - Inteligência

11 de Novembro, 2017 - 16:20 ( Brasília )

Venezuela - Rússia - Acordo visitas navais

A Federação da Rússia e a República Bolivariana da Venezuela formalizam acordo para visitas recíprocas de naves de guerra.


MOSCOU — O governo da Rússia apresentou um tratado para ser firmado com a Venezuela para facilitar as visitas recíprocas de naves de guerra, segundo documento publicado na imprensa oficial legal pravo.gov.ru.

O documento assinado pelo Primeiro Ministro Dmitri Medvédev, solicita ao Ministério de Defesa e ao de Relações Exteriores iniciar negociações com a parte venezuelana y, una vez obtido o acordo, ratificar o documento correspondente.

As visitas, de até três naves de guerra e um mesmo tempo, salvo manobras conjuntas ou participação em operações  multinacionais, com uma duração máxima de 15 dias e devem ser notificadas com uma antecipação de ao menos 10 dias úteis.

 
 
 
Federação da Rússia
 07 novembro de 2017 Nº2454-p
MOSCOU
(Nota Tradução livre DefesaNet)

Assinatura do Acordo entre o Governo da Federação Russa e o Governo da República Bolivariana da Venezuela sobre as visitas de navios de guerra aos portos da Federação Russa e da República Bolivariana da Venezuela.

De acordo com o parágrafo 1 do artigo 11 da Lei Federal "Nos tratados internacionais da Federação Russa" cabe o Ministério da Defesa russo apresenta o acordado com o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia e de outros órgãos federais do poder executivo e pré-construído a partir do lado venezuelano um projeto de acordo entre a Federação Russa e o Governo da República Bolivariana da Venezuela para visitas navios militares para os portos da Federação Russa e da República Bolivariana da Venezuela (em anexo).

Instrua o Ministério da Defesa russo a realizar com o chanceler russo, em conversações com o lado venezuelano e em chegar a um acordo a assinar em nome do Governo russo referido acordo, está autorizado a fazer alterações no projeto anexado que não têm um caráter definoitivo.

Presidente do Governador da Federação Russa
 
O ACORDO

entre o Governo da Federação Russa e o Governo da República Bolivariana da Venezuela sobre as visitas de navios de guerra aos portos da Federação Russa m da República Bolivariana da Venezuela

A Federação da Rússia e o Governo da República Bolivariana da Venezuela, a seguir referidas como as partes, com base no reconhecimento e respeito pelas normas universalmente reconhecidos do direito internacional e da legislação das Partes relativas à navegação, querendo criar condições favoráveis ??para a cooperação bilateral nesta área, seguindo os princípios de igualdade, parceria e benefício mútuo , concordaram o seguinte:

Artigo 1.º Objeto do Acordo

O objeto deste Acordo é a simplificação do procedimento para visitas de navios de guerra do Estado de uma Parte aos portos do Estado da outra Parte no interesse de fortalecer a cooperação e o intercâmbio de experiências no campo das atividades navais.

Artigo 2º Objetivos do Acordo

Os objetivos deste Acordo são: determinar o procedimento para as visitas de navios de guerra do Estado de uma Parte aos portos do Estado da outra Parte; organização de suporte material e técnico, reposição de estoques, realização de trabalhos de rotina e reparação e repouso para tripulantes de navios de guerra dos estados das Partes; regulamentação da permanência temporária de tripulantes de navios de guerra no território dos estados das Partes.

Artigo 3º Definições

As definições a seguir são utilizados para os fins do presente Acordo, "navio de guerra" - qualquer navio pertencente às forças armadas de um Estado de uma das partes que contenham as marcas exteriores próprios de navios de sua nacionalidade, está sob o comando de um oficial a serviço do referido governo do Estado e cujo nome aparece à lista apropriada de militares ou documento equivalente, e ter uma equipe subordinada à disciplina militar regular; "frota de navios de guerra" - 2 ou mais navios de guerra sob um único comando; "membro da tripulação de um navio de guerra" - qualquer pessoa que seja membro da tripulação de um navio de guerra; "Estado receptor" é um estado em que águas internas é feita uma visita; "Estado de envio" - o Estado de bandeira de um navio de guerra que realiza uma visita às águas interiores do Estado receptor; "Visita" - passagem inofensiva de um navio de guerra ou destacamento de navios de guerra no mar territorial do Estado receptor, e sua localização em suas águas interiores, no âmbito do presente Acordo e para fins de logística, reabastecimento, manutenção ou reparação de trabalho e descanso membros das tripulações militares navios; "aviso" é um documento oficial enviado pela autoridade responsável da parte remetente à autoridade responsável da Parte anfitriã.

Artigo 4º Órgãos responsáveis

1. As autoridades competentes responsáveis ??pela aplicação do presente acordo são: do lado russo - o Ministério da Defesa da Federação Russa;
do lado venezuelano - o Ministério do Poder Popular para a Defesa da República Bolivariana da Venezuela.
2. As Partes informar-se-ão por escrito, por via diplomática, sobre a mudança nas suas autoridades competentes.

Artigo 5º Notificação

1. A notificação deve ser enviada o mais tardar 10 dias úteis antes da visita esperada.
2. A notificação deve indicar: a) o número, a classe, os nomes dos navios de guerra e suas principais dimensões (deslocamento, comprimento, largura, rascunho); b) O nome da porto em que a visita é esperada; c) propósito da visita; d) a duração da visita, indicando as datas de seu início e fim; d) o nome do comandante de um destacamento de navios e (ou) o comandante de cada navio de guerra; e) radiofrequências que se destinam a ser utilizadas para a permanência de um navio de guerra ou um desprendimento de navios de guerra nas águas interiores do estado de acolhimento; f) Além disso, a notificação pode indicar se um prático, um pier, uma passarela, uma equipe de amarração e outros serviços são necessários para suportar a vida de um navio de guerra e sua equipe.
3. No mais tardar 3 dias antes da data da visita, a autoridade competente da Parte receptora informará a autoridade competente da Parte remetente das coordenadas do ponto e da hora da reunião com o navio anfitrião do Estado receptor.

Artigo 6º Número de navios

No mar territorial e nas águas interiores do estado de acolhimento ao mesmo tempo, não podem ser localizados mais de 3 navios de guerra do estado de envio, exceto os casos de participação de navios militares dos estados das Partes em exercícios conjuntos ou em uma operação naval multinacional.

Artigo 7º Duração da visita

1. A duração da visita não deve exceder 15 dias.
2. Se for necessário prolongar a duração de uma visita causada por circunstâncias objetivas, a autoridade competente da Parte remetente notificará a autoridade competente da Parte receptora para obter a autorização apropriada.
3. O comandante de um navio militar (destacamento de navios de guerra) do Estado que envia informa o mar e (ou) as autoridades portuárias sobre o horário de partida do porto do Estado receptor, o mais tardar 6 horas antes da partida, em casos de emergência - por uma hora.
4. Um navio de guerra (um destacamento de navios de guerra) do Estado que envia deve, a pedido do Estado receptor, deixar as águas interiores do Estado receptor por um período não superior a 6 horas.

Artigo 8º Radiocomunicações

Os navios militares, durante a sua visita, podem usar instalações de rádio para se comunicar com seu comando em radiofrequências acordadas pelas autoridades competentes das Partes.

Artigo 9º Tripulação de um navio de guerra

1. Quando um navio militar (um destacamento de navios de guerra) está estacionado nos portos do estado receptor, seus membros da tripulação podem desembarcar na roupa prescrita, com um documento comprovativo de sua identidade. A autoridade competente da Parte remetente fornecerá antecipadamente amostras de documentos de identidade para os membros da tripulação do navio de guerra para a autoridade competente da Parte anfitriã.
2. Apenas os membros da tripulação podem desembarcar com armas (sem munição) para participar dos eventos cerimoniais previstos pelo programa de visita de um navio militar (um destacamento de navios de guerra) do estado de envio.
3. Equipes de navios de guerra durante a sua permanência no território do Estado receptor respeitam a sua soberania, observem legislação nacional e abster-se de interferir nos assuntos internos do Estado anfitrião.

Artigo 10º Controle de migração
Em membros da tripulação de navios de guerra para o período de sua estada temporária no território (da costa) do Estado de acolhimento não estão sujeitos à legislação do Estado receptor em relação às regras do passaporte e visto e controle de imigração.

Artigo 11º Assistência médica

Se necessário, assistência médica de emergência aos membros da tripulação de navios de guerra do Estado que envia e a autoridade competente do Estado de acolhimento fornecerá assistência para a prestação de cuidados médicos necessários nas instituições de saúde pública da Parte receptora em uma base pro bono.

Artigo 12º Segurança

Durante a visita, a parte anfitriã tomará todas as medidas necessárias para garantir a segurança dos navios de guerra do Estado que envia e suas tripulações, incluindo a prevenção e repressão de quaisquer atos ilegais em relação a eles.

Artigo 13º Serviços portuários

1. O atracamento navios de guerra do Estado que envia aos portos do Estado receptor será realizado no cais ou lugares de estacionamento equipados com meios de abastecimento de água, combustíveis, eletricidade e vapor. As autoridades portuárias do estado receptor organizam, a pedido do comandante do navio de guerra do estado de envio, a recepção de água de lastro de esgoto e lixo doméstico.
Nota - As disposições deste artigo aplicam-se desde que as autoridades portuárias do Estado receptor tenham instalações e equipamentos adequados para a prestação desses serviços.
2. Prestação das portas estão nos navios de guerra Estado receptor serviços portuários, serviços de reparação, bem como o fornecimento de água, alimentos e outros recursos materiais e técnicos fornecidos pelas organizações autorizados das partes com base num contrato. O estado receptor fornece informações relevantes sobre as empresas nacionais e estrangeiras no seu território que são capazes de fornecer serviços portuários.
3. O Estado receptor garante a prestação dos serviços especificados no parágrafo 2 deste artigo de acordo com as modalidades e condições não menos favoráveis ??do que as concedidas aos navios de guerra de países terceiros.

Artigo 14.º Utilização do espaço aéreo

1. Se necessário entrega, imediata via transporte aéreo dos meios materiais e técnicos para reparar navios de guerra no território da autoridade competente do país de acolhimento país anfitrião, a pedido da autoridade competente da parte enviando tomará todas as medidas necessárias para auxiliar na obtenção de permissão para a utilização do espaço aéreo e aeroportos do Estado de acolhimento para aeronaves do Estado que envia.

2. O pedido de obtenção de uma licença para o uso de espaço aéreo e aeródromos deve conter as seguintes informações:
a) o estado em que a aeronave está registrada;
b) tipo de aeronave, peso máximo de descolagem (MTOW) e seu número de registro (cauda);
c) indicativo;
d) o número do voo, se for atribuído;
e) o nome do comandante da aeronave e o número estimado de membros da tripulação;
e) presença a bordo da aeronave dos passageiros e seu número esperado;
g) uma descrição geral da composição da carga, indicando o peso e tamanho dos contêineres de carga ou bagagem no caso de categorias de mercadorias perigosas, dados de acordo com os requisitos da Organização da Aviação Civil Internacional (OACI-ICAO);
h) a rota de circulação da aeronave e a hora do voo.

3. As aeronaves do Estado que envia e os itens a bordo, bem como os equipamentos logísticos importados destinados a navios de guerra, estão isentos de direitos aduaneiros, impostos, encargos e outros pagamentos, bem como de qualquer tipo de procedimentos de alfândega.

Artigo 15º Proteção de informações

1. Qualquer informação transmitida e utilizada no âmbito do presente Acordo será transferida com a autorização das autoridades competentes das Partes. As informações recebidas por uma das Partes ao abrigo do presente Acordo não serão utilizadas em detrimento da outra Parte.

2. As Partes comprometem-se a não transferir, sem o consentimento prévio por escrito da outra Parte ao terceiro, informações de natureza confidencial recebidas no âmbito da implementação deste Contrato.

3. Uma Parte que recebeu informações confidenciais deve assegurar sua proteção e tratamento de acordo com a legislação de seu estado.

4. Os fatos da transferência de informações confidenciais entre as Partes estão documentados.

5. O procedimento para o intercâmbio, as condições e as medidas de proteção de informações que constituem o segredo estatal dos estados das Partes durante a implementação e após o término deste Contrato são determinados pelo Acordo entre o Governo da Federação Russa e o Governo da República Bolivariana da Venezuela sobre proteção mútua de informações classificadas datado de 15 de agosto de 2009.

Artigo 16º Resolução de litígios

As disputas e desentendimentos entre as Partes decorrentes da implementação e interpretação deste Acordo serão resolvidos através de consultas e negociações entre as Partes.

Artigo 17º Disposições finais

1. O presente Acordo não afeta os direitos e obrigações de cada uma das Partes decorrentes de outros tratados internacionais a que seu estado é parte.

2. Por acordo das Partes, o presente Acordo pode ser alterado, que são formalizadas em protocolos separados.

3. O presente Acordo entrará em vigor na data da recepção da última notificação escrita por via diplomática no cumprimento pelas Partes dos procedimentos internos necessários à sua entrada em vigor.

4. Cada uma das Partes pode rescindir este Contrato mediante notificação escrita por escrito. a validade deste Contrato é encerrada após 90 dias a partir da data de recebimento pela outra Parte da notificação da intenção de encerrar sua operação.

5. No caso de qualquer situação de crise que possa afetar o cumprimento das obrigações decorrentes deste Contrato, cada Parte poderá suspendê-lo unilateralmente, o qual será notificado à outra Parte por via diplomática, o mais tardar em dias (horas) antes da suspensão. Essa suspensão deste Acordo não afetará as visitas, cuja implementação iniciou sob este Contrato e não terminou no momento da suspensão da operação. O Partido que tenha decidido suspender a aplicação deste Acordo deverá, imediatamente por via diplomática, informar a outra Parte do cancelamento dessa decisão e da retomada da aplicação deste Contrato.
 
 
Feito em 2, em duas cópias, cada uma em russo e espanhol, sendo ambos os textos igualmente autênticos.

Pelo Governo da Federação Russa
Pelo Governo da República Bolivariana da Venezuela

 

Acuerdo Rusia Puertos Venezuela by nelson during on Scribd


VEJA MAIS