COBERTURA ESPECIAL - Pandemic War - Geopolítica

19 de Março, 2020 - 03:55 ( Brasília )

Editorial – China Alia-se à Avenida Paulista e FHC

O inusitado ataque indireto do Embaixador Chinês em Brasília e do ministério das Relações Exteriores em Pequim com grupos para desestabilizar o governo Bolsonaro

Matérias Relacionadas

1 - Editorial DefesaNet - China Alia-seà Avenida Paulista e FHC

2 - China cria incidente diplomático

3 - Thread do Twitter que irritou o Governo Chinês Link





Editorial DefesaNet
China Alia-se à Avenida Paulista e FHC

 

 
Em um inusitado comentário o Embaixador Chinês em Brasília Yang Wamming, publicou agressivas notas no Twitter contra o Deputado Federal Eduardo Bolsonaro. O motivo foi um comentário no twitter ao republicar um post sobre o coronavirus e a participação da China.

“Quem assistiu Chernobyl vai entender o que ocorreu. Substitua a usina nuclear pelo coronavírus e a ditadura soviética pela chinesa. Mais uma ditadura preferiu esconder algo grave a expor tendo desgaste, mas que salvaria inúmeras vidas A culpa é da China e liberdade seria a solução”, escreveu Eduardo no Twitter.

Se o Deputado Eduardo Bolsonaro (PSL/SP) expôs e compartilhou uma opinião latente no próprio parlamento como as participações similares dos Deputado Marcel van Hatten (Novo/RS) e Kim Kataguri (DEM/SP).

Além das mensagens do Embaixador e deste via a Embaixada da China (ver abaixo)

“A parte chinesa repudia veementemente as suas palavras, e exige que as retire imediatamente e peça uma desculpa ao povo chinês. Vou protestar e manifestar a nossa indignação junto ao Itamaraty e a Câmara dos Deputados”, disse Yang no Twitter.

“As suas palavras são um insulto maléfico contra a China e o povo chinês. Tal atitude flagrante anti-China não condiz com o seu status como deputado federal, nem a sua qualidade como uma figura pública especial.  Além disso, vão ferir a relação amistosa China-Brasil”, acrescentou.
 
Além das mensagens do Embaixador e deste via a Embaixada da China (ver acima) o assunto esquentou mais ainda com o a mensagem do Porta-voz  Liijan Zhao (@zlj517) do Ministério das Relações Exteriores publicado em mandarim, uma tradução automática gera o texto abaixo.

“Resposta às observações anti-China do deputado brasileiro Eduardo Bolsonaro: Suas observações nada mais são do que aprender com seus amigos. Você foi recentemente a Miami e trouxe de volta o vírus do pensamento que envenenou os sentimentos amigáveis entre a China e o Paquistão. Você não tem uma perspectiva internacional, ignorância da China, ignorância do mundo e ignorância da história. Eu aconselho você a não argumentar por ser o porta-voz dos Estados Unidos no Paquistão, caso contrário você seguirá o exemplo.



A referência ao Paquistão é que Zhao trabalhou naquele país. Zhao tem conduzido uma agressiva política frente aos Estados Unidos no Ministério das Relações Exteriores da China. Seu fato mais famoso foi acusar militares americanos de terem introduzido o Coronavirus em Wuhan. Acusação que levou o presidente Donald Trump de chamar o Coronavirus de “Virus Chinês”.
 
Se o thread do jornalista Rodrigo da Silva já tinha sido retuitado aos milhares e inclusive descrito na imprensa (ver https://www.youtube.com/watch?v=AsZn3FPEbcc) o que levou o tilt dos chineses?

Hora algo mais abrangente que podemos avaliar:
 

1 – O governo chinês avaliou que podiam chutar Bolsonaro que já é um cachorro morto;

2- Com isso atingiriam um aliado do governo americano;

3 - Chantagear e neutralizar o Brasil com o capital invertido no País no momento de instabilidade;

4 – Procurar se reposicionar frente ao governo Bolsonaro realizando um ataque indireto após a descoberta da estratégia do Gen Heleno de fatiar em vários competidores a competição do 5G;

4 – Aliar-se ao Golpe em curso, que une as finanças da Avenida Paulista, com Rodrigo Maia, João Dória, parte da imprensa sob a liderança de Fernando Henrique Cardoso, e,

5 -  Mascarar jogadas na bolsa para compra no Vale das Almas as empresas brasileiras?

 

A aliança do capital chinês com FHC e João Dória basta verificar a Diretoria do Conselho Empresarial Brasil-China. Ali temos os nomes do Embaixador Sergio Amaral e Luis Fernando Furlan (LIDE) ligados umbilicalmente a FHC e Lula.

De acordo com dados levantados pelo Conselho Empresarial Brasil-China, o estoque de investimentos chineses no Brasil, entre 2007 e 2018, chegou a US$ 102,5 bilhões, levando em conta investimentos anunciados e confirmados. Ao se considerar apenas os investimentos confirmados, o valor somou cerca de US$ 58 bilhões, o que indica a concretização de 56% do total dos aportes anunciados nesse período.
 
A farsa do purismo chinês fica exposta, quando prontamente, o presidente da Câmara Federal, Deputado Rodigo Maia (DEM/RJ), tuitou dois pedidos de desculpas.


 É evidente que a ação foi armada para gerar o máximo de impacto com um alvo; gerar uma desestabilização final no governo Bolsonaro através de um “crack financeiro”.

A campanha de desestabilização junto à população tem sido conduzida pela Rede Globo com os seus panelaços (dias 17 e 18).

Veremos se a imovimentação Política - Econômica - Diplomática é complementada pelos incessantes e sinuosos cantos de sereia de FHC, em direção aos militares no apoio ao golpe. Lembre-se que os panelaços incentivado pela Rede Globo,  não são para ecoar no Congresso, mas sim no Setor Militar Urbano, em Brasília.


VEJA MAIS