COBERTURA ESPECIAL - Pandemic War - Geopolítica

19 de Março, 2020 - 02:25 ( Brasília )

China cria incidente diplomático

Declaração de Eduardo Bolsonaro sobre coronavírus provoca crise diplomática com a China Embaixada chinesa diz que filho do presidente ‘contraiu vírus mental’ em Miami e ‘precisa assumir todas as consequências’

Matérias Relacionadas

1 - Editorial DefesaNet - China Alia-seà Avenida Paulista e FHC

2 - China cria incidente diplomático

3 - Thread do Twitter que irritou o Governo Chinês Link



André Duchiade e Filipe Barini
O Globo
19 Março 2020 - 00:34



Uma declaração do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) responsabilizando a China pela pandemia de coronavírus provocou uma crise diplomática com o país. Por meio de seu embaixador no Brasil, Yang Wanming, o país asiático, que é o principal parceiro comercial do Brasil, manifestou veemente repúdio a uma declaração do deputado, chegando a dizer que o filho do presidente Jair Bolsonaro "contraiu um vírus mental" em Miami.


 
“A parte chinesa repudia veementemente as suas palavras, e exige que as retire imediatamente e peça uma desculpa ao povo chinês. Vou protestar e manifestar a nossa indignação junto ao Itamaraty e a Câmara dos Deputados”, disse Yang no Twitter.
 
“As suas palavras são um insulto maléfico contra a China e o povo chinês. Tal atitude flagrante anti-China não condiz  com o seu status como deputado federal, nem a sua qualidade como uma figura pública especial.  Além disso, vão ferir a relação amistosa China-Brasil”, acrescentou.
 
Na mesma linha, a conta oficial da Embaixada da China disse que as palavras de Eduardo “são extremamente irresponsáveis e nos soam familiares. Não deixam de ser uma imitação dos seus queridos amigos. Ao voltar de Miami, contraiu, infelizmente, vírus mental, que está infectando a amizades entre os nossos povos.”

Yang disse também que Eduardo Bolsonaro “precisa assumir todas as suas consequências”.
 
Além dos textos assinados por Yang, a embaixada chinesa retuitou uma mensagem dizendo que "a família Bolsonaro é o grande veneno deste país. Eles não são a representação do Brasil. Mas sugiro que siga em frente e pressione o Bozonaro mesmo, pois ele precisa responder pela quantidade de coisas absurdas que aquela boca podre tem capacidade de regurgitar."

Mais cedo, o filho do presidente, que atua como chanceler informal do governo e foi cotado para ser embaixador do Brasil em Washington, escreveu uma mensagem em que responsabilizou a China pela disseminação global do coronavírus.

“Quem assistiu Chernobyl vai entender o q ocorreu.Substitua a usina nuclear pelo coronavírus e a ditadura soviética pela chinesa. Mais uma ditadura preferiu esconder algo grave a expor tendo desgaste, mas q salvaria inúmeras vidas A culpa é da China e liberdade seria a solução”, escreveu Eduardo no Twitter.

<script async src="https://platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script>

O deputado também passou adiante uma mensagem dizendo que “A culpa pela pandemia de Coronavírus no mundo tem nome e sobrenome. É do Partido Comunista Chinês”, que trazia denúncias de que Pequim foi negligente sobre a gravidade do novo vírus.

Procurado, o Itamaraty não se manifestou na noite desta quarta-feira. Em uma mensagem postada no Instagram, o chanceler Ernesto Araújo agradeceu "o trabalho de todos" no Itamaraty, mas não se manifestou sobre a crise diplomática.

No Twitter, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pediu desculpas pela postagem de Eduardo.
 
"Em nome da Câmara dos Deputados, peço desculpas à China e ao embaixador @WanmingYang pelas palavras irrefletidas do Deputado Eduardo Bolsonaro", escreveu Maia.
 
Ele acrescentou:
 
"A atitude não condiz com a importância da parceria estratégica Brasil-China e com os ritos da diplomacia. Em nome de meus colegas, reitero os laços de fraternidade entre nossos dois países. Torço para que, em breve, possamos sair da atual crise ainda mais fortes".

O comportamento de Eduardo mimetiza o do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que tem chamado a Covid-19 de “o vírus chinês”, expressão considerada racista. Em uma entrevista nesta quarta-feira, Trump voltou a usar o termo, falando em uma “guerra dos EUA contra o vírus chinês”.
 
— Não sei se podemos dizer que a China é culpada — disse Trump. — Mas veio da China e não há dúvidas sobre isso.

 

<script async src="https://platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script>



A China é o maior parceiro comercial do Brasil, e  figura como uma das principais fontes de investimento estrangeiro direto no país. Em 2019, a balança comercial com o país asiático teve superávit de mais US$ 30 bilhões de dólares: o Brasil exportou US$ 65,3 bilhões, e importou US$ 35,8 bilhões.

A China controlou internamente a pandemia de coronavírus, e não reportou nenhum caso de transmissão local nesta quinta-feira (hora local). O país tem buscado usar a pandemia e o controle interno dela no país como uma poderosa arma de soft power, oferecendo auxílio técnico e financeiro a diversos países.

Nesta quarta-feira, o governo chinês anunciou que enviará mais de dois milhões de máscaras à União Europeia (UE) para combater o novo coronavírus, alegando que "a luta contra a doença é global e devemos nos ajudar nesses tempos difíceis". O material a ser entregue "em breve" incluirá 2 milhões de máscaras cirúrgicas, 200 mil máscaras N-95 e 50 mil testes de triagem.
 
O governo chinês está ansioso para reivindicar vitória no que o líder da China, Xi Jinping, descreveu como uma "guerra popular" contra o vírus. Neste sentido, empreende uma campanha abrangente para eliminar a dissidência internamente, e tem subido o tom contra Washington.

A crise diplomática deve estremecer a harmonização das relações com Pequim e Washington que o governo Bolsonaro — após, em seu início, maldizer a primeira e louvar a segunda — buscou estabelecer nos últimos meses.

Na semana passada, o principal militar dos Estados Unidos para a América Latina disse que Washington pretende usar o Brasil para conter a influência de Pequim na região.


VEJA MAIS