COBERTURA ESPECIAL - Pandemic War - Tecnologia

18 de Março, 2020 - 17:15 ( Brasília )

Woloszyn - O Que Guerras e Pandemias têm em Comum



O QUE GUERRAS E PANDEMIAS TEM EM COMUM

 
 

André Luís Woloszyn
Analista de Assuntos Estratégicos
alwi.war@gmail.com

 

Não está completamente fora de contexto fazermos uma comparação entre uma zona de guerra, aquela onde ocorrem combates, com áreas atingidas por pandemias como a do Coronavírus ou COVID-19. Em uma guerra, os combatentes estão a mercê de serem atingidos, a qualquer momento, por disparos de um franco atirador, de morteiros, do fogo da artilharia inimiga, de bombardeios aéreos e de seus próprios companheiros, quer por erro de cálculo ou acidente.

O fato de muitas vezes não ser possível ver o inimigo propicia uma sensação permanente de insegurança e medo, porém, a vitimização ainda está longe no horizonte. Contudo, quando a ordem de ataque é dada e o apito acionado, como nas Batalhas do Somme e Verdun em 1916, durante a 1ª Guerra Mundial ou na Batalha de Stalingrado, na 2ª Guerra Mundial, em 1942-43, uma nova realidade se desvela com resultados imprevisíveis.

A luta pela sobrevivência passa a ser individual. Ser atingido é uma questão aleatória, de acaso ou como preferem alguns, de sorte. Sabe-se também, que não há socorro médico para todos, dependendo da quantidade de feridos e da gravidade dos ferimentos. A atenção é dada aqueles que tem maior probabilidade de sobreviverem enquanto outros são deixados onde estão. Desumana ou não, esta é a natureza da guerra que não escolhe suas vítimas.   

Em uma pandemia, como a que estamos prestes a experimentar, a sensação e os efeitos diretos e colaterais são muito similares, embora a distinção entre uma questão geopolítica e de calamidade de saúde pública. No início do contágio, a vitimização é subestimada e ainda se pode exercer algum controle com a adoção de medidas protetivas, existindo uma logística para acomodar e tratar os infectados, como nos casos da China e Itália.

Todavia, não se sabe ao certo quem está contaminado e pode, diante desta condição, propagar o vírus para as outras pessoas. A medida que a contaminação se ampliar, exponencialmente, a sobrevivência passa a ser uma questão de atitude individual, ou seja, estamos sozinhos para decidir nosso destino com base nas orientações recebidas, embora isso não seja abertamente declarado, por questões éticas.

Em alguns países, inclusive, turistas e estrangeiros passam a ser tratados como inimigos da sociedade, sendo repatriados pelo medo e insegurança. Afinal, nem todos tem consciência da gravidade de sua realidade ou estão preparados e com coragem suficiente para lutar contra um inimigo invisível, que não se pode mensurar. 

Outro ponto similar são as campanhas de desinformação. Nas guerras, a propaganda é amplamente utilizada, de forma consciente, para convencer o inimigo a parar os combates ou se retrair das zonas ocupadas. Na atual pandemia, a desinformação nas redes sociais, consciente ou por ignorância, vem acarretando confusão mental sendo difícil para muitas pessoas distinguir o falso do verdadeiro tal o bombardeio de dados.  

E como em qualquer guerra ou calamidade, aparecem os saqueadores e aproveitadores ocasionais. Há registros de casos de falsos sites, criados supostamente para informar a população sobre a situação da pandemia, mas que na realidade, contém malware que rouba informação dos usuários que, submetidos a quarentena, utilizam as comunicações digitais com maior frequência. 

Baixada a fumaça dos morteiros e incêndios ou do pico da contaminação, passaremos a fase de contar o número de vítimas e os prejuízos, cuja tendência, é de que serão muitos e diversificados.

A boa notícia é de que o pós-guerra, na Europa devastada, foi construído paulatinamente pelas próprias sociedades em um esforço conjunto das pessoas para restabelecerem condições básicas e mínimas de saúde e infraestrutura para recomeçar suas vidas.

Neste momento, embora a situação não seja tão grave como nas guerras, apenas um exercício comparativo de reflexão, após o distanciamento social infringido pela pandemia de coronavírus e das limitações de locomoção e de trabalho, poderemos ressurgir mais fortes e determinados enquanto sociedade.




O autor André Luis Woloszyn publicou o livro  "Ameaças e Desafios à Segurança Humana no Século XXI". O Capítulo 8 trata das Armas Químicas e Biológicas. Para detalhes clique na imagem.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Presidência da República

Presidência da República

Última atualização 03 JUN, 20:00

MAIS LIDAS

Pandemic War