COBERTURA ESPECIAL - PROSUPER - Naval

08 de Novembro, 2019 - 11:41 ( Brasília )

Cluster Naval é Lançado no Rio de Janeiro




“Cluster”, segundo o economista americano Michel Porter, que popularizou esse conceito na década de 1990, é uma concentração de empresas com características semelhantes, que coabitam no mesmo local e se tornam mais eficientes porque colaboram umas com as outras. O melhor exemplo é o Vale do Silício, na Califórnia (EUA), que se tornou o maior cluster tecnológico do mundo. Lá, universidades como Stanford e Berkeley, localizadas no epicentro do Vale, fornecem mentes talentosas para empreenderem e trabalharem em gigantes como Google, Facebook e Uber, mas onde há também empresas de microeletrônica, tecnologias da informação e biotecnologia.

O Rio de Janeiro, na visão dos players do setor marítimo, tem tudo para ser o Vale do Silício da Indústria Naval brasileira, ainda mais em um momento em que o Brasil - e o Rio - caminham para se tornar um dos maiores produtores de petróleo do mundo com o pré-sal. Por isso, será lançada na próxima quarta-feira, dia 13 de novembro, às 10h30, na Casa Firjan, em Botafogo (Zona Sul do Rio), a Associação do Cluster Tecnológico Naval do Rio de Janeiro, ou, simplesmente, Cluster Tecnológico Naval. Trata-se de uma iniciativa das empresas EMGEPRON (Empresa Gerencial de Projetos Navais), NUCLEP (Nuclebras Equipamentos Pesados SA), AMAZUL (Amazônia Azul Tecnologias de Defesa S.A) e CONDOR Tecnologias Não Letais.

Ambiente favorável 

Além de sediar em seu território algumas das melhores universidades do Brasil, incluindo IME, EGN e UFRJ, o estado tem ainda o Arsenal da Marinha, outras escolas militares, mão de obra qualificada e uma capacidade instalada de estaleiros sem igual no país.

Além disso, os Institutos de Inovação e Tecnologia do sistema FIRJAN/SESI/SENAI integram a maior rede privada de pesquisa do Brasil e poderá ser uma provedora de soluções em competitividade industrial. Eles oferecem tecnologia de ponta e capacidade técnica por meio de prestação de serviços em consultoria, pesquisa e desenvolvimento em diversas áreas, como Química Verde, Inspeção e Integridade Estrutural, Nanomateriais e Sistemas Virtuais com foco na Manufatura Avançada. Para completar, há ainda o Sebrae-RJ, que já atua na qualificação dos fornecedores na cadeia produtiva do setor de Defesa e fará parte da governança do cluster capacitando pequenas empresas para atuarem na Economia do Mar. 

No evento do dia 13 de novembro, que contará com a presença do presidente da FIRJAN, Eduardo Eugênio Gouveia Vieira e uma palestra do comandante da Marinha. Almirante Ilques Barbosa Jr., serão eleitos os Conselhos de Administração e Fiscal. O presidente executivo do Cluster será o almirante da reserva Walter Lucas da Silva; o empresário Carlos Erane Aguiar, que também preside o SIMDE (Sindicato das Indústrias de Material de Defesa), ocupará a presidência do Conselho de Administração e o almirante Edésio Teixeira Lima Junior, a vice-presidência.

Seminário

No dia 21, com o apoio da ABIMDE, SIMDE, ICN, Fórum de Desenvolvimento da ALERJ e Governo do Estado do Rio de Janeiro, o recém-lançado Cluster Naval promoverá sua primeira ação: das 9h às 17h15, na Escola de Guerra Naval, na Praia Vermelha, será realizado o 1º Seminário Internacional - A Economia do Mar como Política de Desenvolvimento.

O objetivo é ampliar e difundir o conhecimento acerca dos setores e atividades econômicas que tenham o mar como foco e as potencialidades para as cadeias produtivas relacionadas à construção e Reparação Naval Militar e mercante. Casos nacionais e internacionais de sucesso de clusters serão apresentados.

As inscrições são gratuitas, porém limitadas, e devem ser feitas pelo link
https://forms.gle/CSAc7MepECUD7ME39

Focos do Cluster Naval

O Cluster Tecnológico Naval tem como foco a promoção do mercado interno, capacitação e formação, inovação e tecnologia, valorização do mercado local e encadeamento produtivo entre pequenas, médias e grandes empresas. A ideia é mobilizar as sete cidades no entorno da Baía de Guanabara (Rio, Niterói, Magé, Duque de Caxias, São Gonçalo, Guapimirim e Itaboraí), com o Estado do Rio e a União, para criar mecanismos e possibilitar ações em prol do desenvolvimento da indústria marítima como um todo.

Na visão de seus fundadores, o cluster tem como eixos prioritários o adensamento das cadeias produtivas relacionadas à construção e reparação naval militar e mercante, a geração de estímulos à economia do mar — que inclui as áreas de turismo e gastronomia, venda de cartas náuticas, levantamentos hidrográficos, dragagens, manutenção de embarcações, alienação de meios navais, docagens e perícias —, além de subsidiar e fortalecer a plataforma de exportações da base industrial de defesa.

Até 2007, o estado do Rio de Janeiro possuía mais de 85% dos postos de trabalho da indústria naval nacional. Entre 2007 a 2016, essa participação caiu pela metade. Em 2014, o estado ainda liderava a concentração de trabalhadores nos setores marítimos (401.616), o que correspondia a uma participação de 41,39% no somatório nacional, segundo estudo inédito sobre economia marítima feito pela professora Andrea Carvalho, da FURG, uma das palestrantes do seminário do dia 21.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Crise

Crise

Última atualização 19 NOV, 12:15

MAIS LIDAS

PROSUPER