COBERTURA ESPECIAL - PROSUPER - Naval

06 de Dezembro, 2017 - 11:10 ( Brasília )

Marinha decide comprar navio Porta-helicópteros por R$ 350 milhões

Porta-helicópteros, que pertence a Marinha Real inglesa há 20 anos, também pode ser usado em missões humanitárias

Roberto Godoy


O próximo navio capitânia da força naval do Brasil será um porta-helicópteros e também um navio de combate anfíbio, o HMS Ocean-L2, da Marinha Real inglesa. Em operação há 20 anos, o gigante de 203 metros e 21,5 mil toneladas terá a compra negociada por um bom preço, coisa de 84,6 milhões de libras esterlinas, pouco mais de R$ 350 milhões, a serem pagos em parcelas. Com essa aquisição, fica afastada a possibilidade de um eventual programa de recuperação do porta-aviões NAe A-12 São Paulo, desativado há 10 meses.

A revitalização e modernização custariam mais de R$ 1,2 bilhão. O Ocean ainda está ativo no Reino Unido. Só será recolhido à base de Devonport a partir de março de 2018, quando o contrato bilateral já estará concluído.

A autorização para que a Marinha dê início aos entendimentos foi comunicada pelo Ministério da Defesa ao almirantado há cinco dias, segundo o site especializado em defesa, que revelou a decisão. O navio leva 18 helicópteros de vários tipos, entre os quais os preparados para missões antissubmarino, de ataque e apoio à tropa.



Na Marinha inglesa, o L2 é empregado em ações expedicionárias. Pode ser rapidamente modificado para realizar missões humanitárias, por exemplo, em casos de catástrofes naturais. Antes da transferência, o porta-helicópteros passará por um período de preparação no Reino Unido, sob supervisão de oficiais brasileiros, para “revisão de equipamentos e sistemas”, de acordo com nota do Comando da Marinha.

Tripulantes, especialistas e técnicos serão submetidos a um ciclo de cursos associados ao treinamento, nos centros de instrução da Royal Navy, “visando à familiarização dos militares com o navio”. Depois disso, já nas instalações navais do Rio, e ao longo de um ano, efetivos da aviação embarcada, dos fuzileiros navais e dos operadores de bordo farão viagens de exercício, “para adaptação à doutrina de operação”.

 
Em 2011 - Operação Ellamy, Libia - Army Air Corps Apaches & US Blackhawk  embarcados
 
Em 2015 - Mar Baltico, exercício BALTOPS da OTAN
 
Em setembro de 2016 -  No deck: Apaches do exército, RN Merlins e Chinooksda da RAF
Joint Expeditionary Force (Maritime) - JEFM16