COBERTURA ESPECIAL - Panorama Haiti - Defesa

13 de Novembro, 2015 - 16:00 ( Brasília )

HAITI – Parte o último Contingente da MINUSTAH



 
A partida do primeiro grupo do BRABAT 23 que poderá ser o último da participação do Brasil na MINUSTAH traz novidades como o transporte com aeronaves da empresa aérea GOL

No final da tarde de quinta-feira (12 Novembro 2015), aconteceu a cerimônia de despedida do primeiro grupo do Batalhão de Força de Paz 23 (BRABAT), com a presença de familiares, no 18º Batalhão de Infantaria Motorizado (18 BIMtz), na cidade de Sapucaia do Sul, região metropolitana de Porto Alegre.

O BRABAT 23 é o 23º Contingente do Exército Brasileiro participando da Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (MINUSTAH). De acordo com o planejamento atual deverá ser o último contingente brasileiro na MINUSTAH.

Em declaração à DefesaNet, em setembro passado, o então ministro da Defesa Jaques Wagner afirmou que o Ministério da Defesa, chegou à conclusão que as reduções de contingentes previstas a partir de 2015 colocariam em risco a segurança dos militares, pois estariam operando abaixo de um número mínimo necessário.

O Contingente do BRABAT 23 será composto por 669 militares, que é já uma redução dos mais de 1200 atuais. A formação é especialmente de unidades da 8ª Brigada de Infantaria, do Comando Militar do Sul. Estarão presentes unidades do 19º Batalhão de Infantaria Motorizado, localizado em São Leopoldo (RS), que formou o BRABAT 1, em 2004.

O Corpo de Fuzileiros Navais ativou o 23° Contingente do Grupamento Operativo de Fuzileiros Navais – Haiti. No total, 175 fuzileiros foram preparados para atuar na MINUSTAH.

A Marinha do Brasil participa da MINUSTAH desde 2004, com mais de 6 mil militares já enviados para a Missão de Paz no Haiti.

O BRABAT 23 terá um grupo de 20 militares mulheres.

O Comandante do Comando Militar do Sul, General-de-Exército Antônio Martins Mourão, desejou sorte à tropa nas suas palavras ao contingente.
 
Novidade
 
Com o BRABAT 23 e o 23° Contingente do Grupamento Operativo de Fuzileiros Navais – Haiti ocorre uma grande novidade no deslocamento das tropas ao Haiti.
 
A partida definitiva ocorreu às 23:50 no aeroporto Internacional Salgado Filho. O voo foi em aeronave da empresa aérea brasileira GOL, contratada pelo Ministério da Defesa, através de negociação conduzida pelo Comando da Marinha do Brasil.

O contrato assinado por intermédio da Base de Abastecimento da Marinha no Rio de Janeiro (BAMRJ), no dia 02 de outubro um acordo com a companhia aérea GOL, a fim de possibilitar o transporte aéreo do 22º (retorno) e do 23º contingente brasileiro à MINUSTAH.

Com a experiência adquirida pela estrutura de abastecimento na realização do transporte aéreo de material para a Missão de Paz no Líbano (UNIFIL), a Marinha do Brasil foi designada pelo Ministério da Defesa para conduzir a contratação da empresa aérea.  

O ineditismo da contratação é o fato de os militares brasileiros serem transportados, pela primeira vez, para o Haiti, por uma companhia aérea nacional.

Após a desativação das aeronaves KC-137 pela FAB e o incidente com o Navio de transporte Ceará o Brasil ficou sem opções de transportar as tropas para o Haiti. Também afetou muito o transporte de tropas a não efetivação do contrato das aeronaves KC-X2, Boeing B767 modificados pela empesa israelense IAI.

Como medida alternativa estava sendo usado o transporte contratado pela ONU, empregando empresas aéreas do Líbano e outros países.

O voo GOL 9631 partiu às 23:50 de Porto Alegre, chegando em Manaus às 01:18 13NOV15, hora local e partindo às 03:40 13MOV15 hora Local chegando na manhã de sexta-feira em Porto Príncipe.

O contrato entre a MB e a Companhia Aérea GOL, prevê o desembolso de R$ 4.920.392,40 e para o transporte dos militares e de material dos 22º (retorno) e 23º contingentes brasileiros, viabilizando o rodízio da tropa brasileira que compõe MINUSTAH.

Serão oito operações aéreas de ida e volta (16 voos), no período de 12 de novembro a 4 de dezembro.