16 de Agosto, 2015 - 14:00 ( Brasília )

Pensamento

Relatório Otalvora - Castrochavismo declara guerra aos setores populares do Equador

O governo Maduro em confronto sem precedentes com a Guiana para a questão do diferendo territorial, tentou, sem sucesso, transformar a posição de apoio permanente da CARICOM em apoio à Guiana contra os interesses venezuelanos



Nota DefesaNet

Leia o texto original no Diário Las Americas:

Castrochavismo declara guerra a sectores populares de Ecuador Link

O Editor

 

 EDGAR C. OTÁLVORA
Analista - Caracas
@ecotalvora



O Secretário-Geral da Unasul, o presidente colombiano Ernesto Samper Pizano, apesar de seu status de funcionário internacional, como representante de doze governos, mantém uma relação aberta e ativa com a aliança política Castro-chavista. Em 13AGO15, Samper presidiu junbto com o presidente equatoriano Rafael Correa, o evento principal da "Latin American Meeting Progressive Youth", realizado na sede da CIESPAL em Quito. Samper tinha acompanhado no dia anterior o presidente Correa desde Paramaribo, Suriname para Quito, no avião presidencial do Equador.


O evento na capital equatoriana, de claro conteúdo político-partidário de linha Castro-Chavista, reuniu representantes de movimentos juvenis como o Movimento Evo (Bolívia), La Campora (Kirchnerista - Argenina), PSUV (Chavista da Venezuela), o  Juventude do Partido Comunista do Chile ,  Juventude do Partido dos Trabalhadores do Brasil, Juventud Sandinista (Nicarágua) e o Pólo Democrático da Colômbia, entre outros. O evento, que coincidiu com o apelo para uma greve nacional pela oposição do Equador, foi organizada pelo partido no poder Movimiento Alianza PAIS e teve como objetivo partilhar experiências e coordenar ações políticas dos movimentos juvenis dos partidos de esquerda no continente.

A aberta inclinação de Samper para os governos castrochavistas conflita com sua intenção intenção de atuar como observador eleitoral na Venezuela ou intermediário nas negociações entre as FARC e o governo colombiano.

*****

O Equador é o palco para um confronto entre setores populares e os governos do "socialismo do século XXI". As tentativas do poderoso aparelho de propaganda internacional do castrochavismo, para qualificar como de direita indígena os movimentos, que confrontam o governo de Rafael Correa, foram confrontados com a  realidade: à frente da marcha indígena que chegou a Quito, em 12AGO15,  estavam os  líderes indígenas e trabalhistas, muitos deles antigos seguidores e de clara tendência de esquerda.

*****


Na manhã de 10AGO15 começaram a chegar no aeroporto de Maiquetia um grupo de aeronaves executivas do governo venezuelano proveninetes do Caribe e América do Sul. Ao pé da escada, os funcionários venezuelanos do Ministério das Relações Exteriores aguardavam os convidados de Nicolas Maduro, que havia convocado uma reunião do Conselho Político da ALBA. Os "parceiros pobres" do Chavismo no Caribe não são acostumados  a  gastarem seus recursos para viajar à Caracas quando o "parceiro rico", provê transporte grátis. Mesmo que a Força Aérea boliviana tenha atualmente duas aeronaves de luxo à disposição do presidente Evo Morales, um Falcon 900EX e Falcon 50, o ministro das Relações Exteriores da Bolívia, David Choquehuanca, também desfrutou  de uma viagem privada a bordo de um Falcon 900EX, propriedade o Estado venezuelano.


*****

Os representantes de Cuba, Nicarágua, Equador, Dominica, São Vicente e Granadinas, Antigua, St. Lucia, St. Kitts e Granada foram levados para a sede do Ministério das Relações Exteriores, que, sob a liderança da chanceler Maduro, Delsy Rodriguez, foram discutidos três temas: a disputa territorial entre a Venezuela e a Guiana, as ações de protesto que confrontam os governos do Equador, Bolívia, El Salvador e Brasil e ofertas de financiamentos da Venezuela para obras públicas.

*****


O governo Maduro em confronto sem precedentes com a Guiana para a questão da diferença territorial, tentou, sem sucesso, transformar a posição de apoio permanente  à Guiana, por parte do CARICOM,  contra os interesses venezuelanos. A mais recente iniciativa Maduro foi um passeio pelo Caribe do Ministro dos Negócios Estrangeiros e Vice-Presidente Executivo, Jorge Arreaza, que fez uma dúzia de visitas a líderes caribenhos, entre  os dias 06 e 07AGO15. A mensagem do emissário venezuelano de fortes ataques contra o presidente da Guiana, David Granger, que é acusado de manter uma linha de confrontação diplomática com a Venezuela e atuando como um agente de empresas de petróleo dos EUA.
 
Esse discurso oficial venezuelano não  ajudou a ganhar a simpatia do Caribe.  Em 07AGO15, Arreaza, acompanhado por sua esposa (filha de Hugo Chávez), foi recebido pelo Primeiro-Ministro de Barbados e Presidente do Caricom, Freundel Stuart. O resultado da reunião mostrou o fracasso da estratégia de  Maduro para ligar a sua "diplomacia do Caribe" com o processo de disputa com a Guiana. Stuart disse a  Arreaza que o Caricom manterá a sua posição de defender a "integridade territorial" da Guiana, e a Venezuela deve seguir uma linha de resolução por via diplomática.
 
A mensagem transmitida pela Guiana, que acusou o governo Maduro de expansionista e militarista, obviamente, calou fundo nos governos do Caribe, que se beneficiam de vantagens no comércio com a Venezuela, mas mantiveram a solidariedade automática com a Guiana.

Dos dez membros da ALBA, seis fazem parte da comunidade de Estados do Caribe, Caricom. Mas na reunião da ALBA no CARIBE, de 10AGO15,  só concordou em incluir uma referência ao tema Venezuela-Guiana limitado a "apoiar o diálogo diplomático sob a lei internacional" entre a Venezuela e a Guiana, para promover "uma solução pacífica para a disputa". Para agradar o anfitrião, a declaração condenou "fatores exógenos que procuram gerar cenários de conflito" entre Venezuela e Guiana.

*****


A chanceler Rodríguez anunciou que os ministros das Relações Exteriores da ALBA tinham vindo a discutir "propostas para uma solução definitiva para os soft coups d´e Etat que estão sendo desenvolvido nos países da região, como no Equador e El Salvador." O castrochavismo, em seus diversos formatos, concorda rapidamente qualificar como um "golpistas" os seusopositores. Rodriguez anunciou que o governo da Venezuela faria uma grande mobilização em 13AGO15, nas redes sociais em apoio ao governo de Rafael Correa. O anúncio foi entendido como a decisão do governo Maduro para dirigir seu aparato de propaganda nas redes sociais, usando robôs e usuários cativos ou falsos, para criar tendências contra os movimentos que naquele dia caminharam por Quito, no Equador, chamando uma greve nacional. O castrochavismo declarou guerra cibernética sobre os movimentos populares equatorianos naquele dia.

*****


Em 12AGO15, na sede da Embaixada da Venezuela em Quito, houve um ato de interferência aberta pelos governos da ALBA na vida política do Equador. Os embaixadores da Bolívia, Nicarágua, Cuba e Venezuela, Juan Jurado, Sidhartha Marin, Jorge Rodriguez e Carol Delgado, convocaram uma conferência de imprensa para atacar as ações de protesto que ocorreram no Equador. Embaixadores estrangeiros rejeitaram "tentativas da direita equatoriana e internacional, para desestabilizar e frustrar as mudanças democráticas políticas, institucionais e econômicosp graças à Revolução Cidadã".
 
Poucas horas antes do início de uma greve nacional e em meio a chegada na capital de duas marchas indígenas, diplomatas ALBA em Quito fez uma chamada para "proteger e permitir ações de solidariedade internacional com o governo de Correa contra ações Eles incluem protestos de rua e desinformação da mídia ".

O embaixador do regime cubano, recitando o comunicado emitido pela ALBA em Caracas no dia anterior, disse que a marcha indígena no Equador foi parte de "planos de renovação do capitalismo globalizado transnacional e do imperialismo por meio de estratégias de guerra não convencional para desestabilizar e forçar o resultado violento de governos progressistas ".

*****


Em meados de junho, nas principais cidades do Equador grandes manifestações foram registradas contra o governo de Correa, que rejeitavam um projeto de lei que taxarias as heranças. Foi um movimento urbano, com grande participação da classe média, com slogans como "O Equador não é a Venezuela" em demonstração de sua tendência anti-esquerdista.  Os protestos levaram Correa, a retirar, em 15JUN15, provisoriamente os projetos contestados pela população desde então uma segunda onda de protestos ganhou corpo, desta vez nas mãos de áreas rurais, indígenas, trabalhadores e intelectuais de esquerda descontentes ou em litígio com Correa .

*****


Em 02AGO15 começou na Amazônia Equatoriana, marcha indígena  em direção de  Quito. A ação foi inicialmente planejada pela Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador (CONAIE). Sua chegada na capital deveria coincidir com a greve nacional convocada para 13AGO15. A marcha chegou, no dia 11AGO15,  a Machachi nas proximidades de Quito. Em frente a ela estavam o prefeito indígena Salvador Quishpe, Guartambel Carlos Perez, chefe do Movimento Indígena do Equador e um homem cuja descendência não é indígena, o economista Alberto Acosta, um dos cérebros que trouxeram Correa ao poder em 2007. Nenhum dos três podem ser qualificados ??como de direita ou agentes do "capitalismo globalizado transnacional e do imperialismo".
 
A agenda da esquerda não-governamental equatoriana coincide com outros setores, para rejeitar a emenda constitucional para impor limites ao  mandato de Correa. O indigenismo equatoriano acusa  Correa de lhe dar de as costas e estar promovendo "modernização do capitalismo", em detrimento dos seus direitos à terra e água.
 
De acordo com Acosta, que no passado foi próximo ao governo de Cuba, os governos do socialismo do século XXI "não superaram a lógica autoritária, não permitiram a construção de esquemas de participação democrática na tomada de decisões, eles não conseguiram alcançar níveis adequados de eficiência Eles tão pouco emoveram velhas práticas de corrupção ", disse  à Cristina Zueger, jornal El Mundo, de Madri, em  08AGO15.