COBERTURA ESPECIAL - Pacífico - Geopolítica

18 de Novembro, 2019 - 12:10 ( Brasília )

China confirma que porta-aviões navegou pelo Estreito de Taiwan


O segundo porta-aviões da Marinha chinesa navegou no domingo pelo Estreito de Taiwan para fazer testes, anunciou Pequim, em resposta à denúncia de intimidação apresentada por Taipé. "Não tem como objeto nenhum alvo específico e não tem nada a ver com a situação atual", declarou o porta-voz da Marinha da China, Cheng Dewei.

O ministro taiwanês das Relações Exteriores acusou a China de "intimidação" após o envio no domingo ao Estreito de Taiwan do porta-aviões, o primeiro que foi totalmente construído na China.

O ministro Joseph Wu afirmou que a China deseja interferir nas eleições Taiwan. "Os eleitores não se deixarão intimidar", disse.

O porta-voz militar chinês explicou que o navio, que ainda não entrou oficialmente em serviço, seguiu para o Mar da China meridional depois de atravessar o estreito que separa Taiwan do continente.

"A missão tem como objetivo realizar testes de pesquisa científica e treinamentos de rotina", disse.

Pequim reivindica Taiwan, ilha governada separadamente do continente desde 1949, e não descarta a possibilidade de recorrer à força para restabelecer a soberania.

O regime comunista mantém relações difíceis com a atual presidente taiwanesa, Tsai Ing-wen, que disputará a reeleição em janeiro contra um candidato que defende uma relação melhor com Pequim.

O ministro taiwanês da Defesa indicou no domingo que enviou navios e aviões para vigiar o porta-aviões. Navios americanos e japoneses também participam na vigilância.

A China tem apenas um porta-aviões operacional: o Liaoning. Construído na ex-URSS e comprado da Ucrânia, a embarcação está em serviço desde 2012.

O segundo, conhecido pelo nome "Type-001A", foi apresentado em 2017 e já fez testes no mar. Tem propulsão clássica e pode receber até 40 aviões.

Um terceiro porta-aviões está sendo construído, de acordo com a imprensa estatal.

Com apenas um porta-aviões operacional, a China está muito atrás dos Estados Unidos (11) e no mesmo nível de Rússia (1), França (1), Índia (1) e Reino Unido (1), segundo Nick Childs, especialista em forças navais no britânico "International Institute for Strategic Studies" (IISS).


 


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Expansão Chinesa

Expansão Chinesa

Última atualização 08 ABR, 13:22

MAIS LIDAS

Pacífico