COBERTURA ESPECIAL - Pacífico - Inteligência

16 de Agosto, 2017 - 11:35 ( Brasília )

Ucrânia nega estar vendendo tecnologia de mísseis à Coreia do Norte


A Ucrânia negou nesta segunda-feira que em algum momento proporcionou tecnologia de defesa à Coreia do Norte, respondendo a um artigo do jornal New York Times segundo o qual Pyongyang pode ter comprado motores de foguete da fábrica ucraniana Yuzhmash.

O temor de que a Coreia do Norte esteja próxima de seu objetivo de colocar o território continental dos Estados Unidos ao alcance de uma arma nuclear levou a um aumento nas tensões nos últimos meses. Washington é um dos principais apoiadores da Ucrânia.

O secretário do Conselho de Segurança e Defesa ucraniano, Oleksandr Turchynov, disse que seu país "nunca forneceu motores de foguete ou qualquer tipo de tecnologia de mísseis à Coreia do Norte".

A estatal Yuzhmash disse que não produz mísseis balísticos de uso militar desde a independência da antiga União Soviética em 1991.

"Nos anos de independência, a Yuzhmash não produziu, e não está produzindo, mísseis e sistemas de mísseis militares", afirmou a empresa em um comunicado publicado em seu site.

O presidente dos EUA, Donald Trump, alertou no final de semana que seus militares estão preparados se a Coreia do Norte agir insensatamente depois de ter ameaçado disparar mísseis perto de Guam, território norte-americano no Oceano Pacífico, na semana passada.

Coreia do Norte deve produzir motores de mísseis sem importações, dizem EUA

A Coreia do Norte provavelmente tem a habilidade de produzir seus próprios motores de mísseis, e inteligência sugere que o país não precisa depender de importações, disseram nesta terça-feira autoridades da inteligência dos Estados Unidos.

A avaliação rebate um novo estudo do Instituto Internacional para Estudos Estratégicos, sediado em Londres, que dizia que os motores para um míssil que a Coreia do Norte está desenvolvendo para atingir os EUA provavelmente foram feitos em fábricas na Ucrânia ou Rússia e provavelmente obtidos através de redes no mercado negro.

O New York Times citou o estudo na segunda-feira. A reportagem do jornal dizia que avaliações confidenciais de agências da inteligência dos EUA refletiam a descoberta do instituto.

“Nós temos inteligência para sugerir que a Coreia do Norte não é dependente de importações de motores”, disse uma das autoridades da inteligência norte-americana à Reuters. “Ao invés disto, nós julgamos que eles têm a habilidade de produzir motores”.

As autoridades norte-americanas não divulgaram quaisquer detalhes sobre o que sustentava a avaliação sobre os motores de alta performance abastecidos a líquido, chamados RD-250.

A Ucrânia negou já ter fornecido tecnologia de defesa para a Coreia do Norte. A fábrica ucraniana citada no New York Times, a estatal Yuzhmash, disse não ter produzido mísseis balísticos de nível militar desde a independência da União Soviética em 1991.

Por sua vez, autoridades norte-coreanas acusaram o líder norte-americano de deixar a península coreana à beira de uma guerra nuclear.

No domingo o diretor da Agência Central de Inteligência dos EUA (CIA), Mike Pompeo, disse que não ficaria surpreso se a Coreia do Norte testasse outro míssil, já que realizou dois testes em julho.


VEJA MAIS