COBERTURA ESPECIAL - Malvinas-Falklands - Geopolítica

28 de Outubro, 2019 - 16:30 ( Brasília )

FALKLANDS/MALVINAS- O apoio da União Soviética à Argentina em 1982

A verdadeira razão pela qual a União Soviética, apoiou secretamente, a Argentina anticomunista durante a guerra das Malvinas


 

 KATE NICHOLSON


A guerra foi travada entre a Argentina e o Reino Unido, mas a União Soviética, agora há evidências, apoiou o país sul-americano em segredo - apesar do risco que representava para o cenário internacional - por um motivo muito específico, conforme artigo publicado no The Times neste fim de semana.

Margaret Thatcher liderou o Reino Unido na batalha com a Argentina em 1982, depois que o país sul-americano, liderado pelo então líder argentino General Leopoldo Galtieri, invadiu o território britânico ultramarino das Ilhas Falklands/Malvinas. Uma batalha de dez semanas se seguiu e, com o apoio de Ronald Reagan dos EUA, o Reino Unido garantiu a vitória e, posteriormente, a sobrevivência política com a reeleição para a senhora Thatcher. 

No entanto, alguns argentinos nunca esqueceram suas ambições de reivindicar as ilhas como suas. Só recentemente o líder da corrida eleitoral e eleito presidente em 27OUT2019,  o peronista Alberto Fernández, alertou que pode "renovar as reivindicações de soberania" sobre o arquipélago se ele assumir o cargo.

Quando a Argentina tentou dominar as Malvinas (nome espanhol das Ilhas Falklands) em 1982, havia rumores de que a comunista da União Soviética, liderada por Leonid Brezhnev, estava realmente ajudando a Argentina, embora nenhum país tenha confirmado estas ações.

Oficialmente a União Soviética informou que o assunto Falklands/Malvinas era uma questão entre aliados e não iria participar.

Então, em abril de 2010, o Times relatou como um jornalista chamado Sergei Brilev lançou um livro chamado 'Fidel, Futebol e Malvinas' e afirmou que a Argentina pode ter recebido informações secretas da localização da frota da Royal Navy no Atlântico Sul através da União Soviética durante o conflito.

A Argentina era anticomunista e até tentara ficar do lado dos EUA durante a Guerra Fria, então a aliança era uma união surpreendente entre os países opostos ideologicamente.

Escrevendo no The Times, o jornalista Tony Halpin explicou a descoberta de Brilev: “Moscou fez um aliado improvável com a junta de direita que havia ocupado as ilhas, e o jornalista Sergei Brilev descobriu evidências de que a União Soviética estava espionando os britânicos no auge do conflito de 1982".

Halpin explicou como o Kremlin "esteve perto de impedir a expedição das Falklanbds/Malvinas", bem como a "campanha de Margaret Thatcher".

Brilev afirmou que eles transmitiram informações vitais para a Força Aérea Argentina a partir de satélites soviéticos reposicionados sobre a zona de guerra do Atântico Sul e ele entrevistou ex-generais da KGB e do Exército Vermelho que confirmaram suas alegações de que Moscou estava rastreando a Royal Navy.


Curioso e surpreendente o Ejército Argentino colocou no Twitter, um dia após a vitória do peronista Fernandes este post convocando para o Debate "Brexit y Malvinas”

O escritor russo também respondeu à pergunta  por que, essas duas nações em campos ideológicos opostos decidiram se unir, explicando que, embora a União Soviética quisesse "prejudicar" a Grã-Bretanha como um "inimigo da OTAN", havia mais fatores internos em jogo.

Haplin resumiu: "A Argentina foi um dos únicos dois países que ignorou um embargo às exportações de alimentos essenciais para a economia soviética após a invasão do Afeganistão por Moscou em 1979".

Brilev disse a ele: “O intercâmbio comercial alcançou US $ 2 bilhões (1,3 bilhão de libras), o que era uma quantia extraordinariamente grande na época. A URSS lhes devia algo.

 



Navio de transporte Atlantic Conveyor atingido por dois Exocets. no dia 25 de maio e afundado em 28 de Maio 1982.


Acredita-se que a União Soviética tenha ajudado, em maio de 1982, reposicionando um satélite que ajudou a rastrear e permitiu que as Forças Argentinas atacassem alvos britânicos e afundassem o HMS Coventry e o navio de transporte Atlantic Conveyor.

Ele continuou: “Os dados exatos transmitidos ainda são classificados, mas há coincidência da cronologia que mostra que vários sucessos argentinos podem ter sido o resultado do que os soviéticos forneceram.

“A Argentina não tinha capacidade de inteligência para rastrear esses navios. É bem possível que eles recebam as coordenadas dos soviéticos."

Acredita-se também que, na época da guerra, tanto a Argentina quanto o Reino Unido estavam procurando vitórias fáceis, porque ambos os governos haviam perdido o apoio dos eleitores.




O início foi esplêndido para a Argentina. Na foto soldado argentino conduz britânicos como prisioneiros em Port Stanley.

Nenhum dos dois lados esperava que a guerra evoluísse para o evento de 74 dias como ocorreu.

No entanto, uma vez que o general argentino Galtieri foi derrubado no final do mesmo ano, a Argentina “cortou os laços de inteligência com Moscou”. Thatcher chegou a estabelecer um relacionamento com o novo líder soviético Mikhail Gorbachev dois anos depois.




Nota DefesaNet

Um ponto não mencionado no período da Ditabranda foi que o Brasil, fez algo similar, exportando alimentos para a União Soviética, nos anos 60/70, nas cíclicas crises de abastecimentos do Sistema Soviético.

Por sua parte as atividades do Partido Comunista Brasileiro (PCB) foram praticamente inexistentes em atos de subversão contra o Governo Militar 1964-1985.

O Editor 


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Crise

Crise

Última atualização 19 NOV, 12:15

MAIS LIDAS

Malvinas-Falklands