COBERTURA ESPECIAL - KC-390 - Aviação

30 de Setembro, 2018 - 18:18 ( Brasília )

KC-390 - Boeing e Embraer querem fabricar cargueiro também nos EUA

A Aeronave Cargueira Multimissão KC-390 seguirá o caminho do Super Tucano?


Vanessa Adachi
Valor

 
SÃO PAULO  -  A BOEING e a EMBRAER negociam a instalação de uma linha de montagem do novo cargueiro militar KC-390 nos Estados Unidos. Seria uma segunda linha, adicional àquela já existente em Gavião Peixoto, no interior paulista.
 
O projeto faz parte do acordo em que a fabricante americana de aviões pretende adquirir o controle da unidade de aviação comercial da EMBRAER. A área de produção de aviões militares não será vendida, mas as duas empresas pretendem, adicionalmente, criar uma joint venture na área de Defesa para instalação da fábrica do cargueiro nos EUA.

O KC-390 “made in USA” seria apenas montado naquele país, a partir das mesmas peças que hoje integram o projeto do cargueiro produzido no Brasil. Com essa americanização do produto, abrem-se dois novos mercados para o produto da EMBRAER:

1) o próprio mercado americano, que inclui a força aérea e também outras instâncias como a guarda nacional, e,

2) nações aliadas dos EUA dentro do programa “Foreign Military Sales” (FMS), que conta com a estrutura diplomática e de financiamento do país para comercialização de produtos americanos.

Alguns exemplos de países contemplados pelo FMS são Coreia do Sul, Japão, Israel, Austrália e muitos outros.

O KC-390, ainda em fase de testes e certificação, é um cargueiro para apoio logístico em missões militares, a ser usado para transporte de cargas, abastecimento, remoção de feridos etc.

Relatório recente do Bank of America, assinado por Ronald Epstein, um dos mais respeitados analistas do setor aéreo, trazia a informação sobre o plano de levar o KC aos EUA. A EMBRAER não quis comentar. Mas o Valor apurou que, em conversas com analistas de ações fora do Brasil, os executivos da Embraer têm falado genericamente sobre essa negociação em curso.
 
O local da fábrica não está definido, assim como o percentual acionário de cada empresa. O que se sabe é que a Embraer será controladora dessa joint venture, com algo em torno de 51% do capital, e poderá consolidar os resultados em seu balanço.

As peças do KC-390 são fabricadas nas unidades da EMBRAER de Botucatu e Gavião Peixoto, onde fica também a linha de montagem. De acordo com um especialista no assunto, uma vez que o negócio saia do papel, é provável que o primeiro cargueiro deixe a fábrica americana depois de três anos, aproximadamente. (Nota DefesaNet - Há ainda linhas de fabricação em Portugal com a OGMA e na Argentina com a FAdeA)

A primeira entrega de um KC-390, para a Força Aérea Brasileira, estava prevista para este ano, mas foi adiada para 2019. Em maio, durante testes em terra, a aeronave saiu da pista e foi danificada.

Outro aspecto da transação é que a joint venture de Defesa irá usufruir dos benefícios do poder de compra de peças e com ponentes da BOEING, o que deve baratear os custos de fabricação do KC-390.

Existem hoje cerca de 3,7 mil cargueiros em operação no mundo, com idade média de 35 anos. Isso gera um potencial de mercado de 2 mil cargueiros nos próximos 20 anos. Domina esse mercado hoje o C-130 Hercules, fabricado pela Lockheed. Trata-se de um modelo antigo que passa por uma atualização e o produto da Embraer pretende disputar esse mercado.

O Super Tucano, avião de ataque leve da Embraer, já é fabricado em Jacksonville, na Flórida, justamente para que possa ser comprado pelo governo americano. A sede americana também está na Flórida, em Fort Laudardale.

Comentário DefesaNet

Seguirá o KC-390 o mesmo roteiro que o Super Tucano?

Aparentemente sim, pela matéria do jornal Valor publicada acima, no portal do jornal na tarde de Domingo(30SET18).

Os objetivos das empresas são dois, enumerados no artigo, mas podemos citar outros:

1) Focar a possiblidade do próprio mercado americano, que inclui a Força Aérea, Exército, Marines e também outras instâncias como a Guarda Nacional;

2) Mercado de nações aliadas dos EUA dentro do programa “Foreign Military Sales” (FMS), que conta com a estrutura diplomática e de financiamento do país para comercialização de produtos americanos.

3) Além de a própria Boeing e o Governo Americano garantirem a venda da aeronave.

O segundo é fundamental pois certamente o tesouro brasileiro não terá caixa suficiente para bancar a exportação da aeronave cargueira multimissão KC-390. Cada aeronave devera custar cerca de U$ 100 milhões. No terceiro o peso do governo americano e da Boeing validam o projeto e a negociação.

O Editor


Matérias Relacionadas

MPT - Íntegra Despacho Sigilo EMBRAER - Boeing Link

KC-390 - Embraer vai entregar três aeronaves à FAB em 2019 Link

BOEING Nomeia Christopher (Chris) Raymond para conduzir a Integração com a EMBRAER Link

BOEING e EMBRAER devem estabelecer parceria estratégica para acelerar crescimento  Link




 


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Fundação EZUTE

Fundação EZUTE

Última atualização 18 DEZ, 21:46

MAIS LIDAS

KC-390