08 de Fevereiro, 2017 - 19:00 ( Brasília )

Inteligência

O Alvo é Michel Temer

GSI mostra na visita Presidencial a São Paulo preocupação real de um atentado contra o Presidente Michel Temer



Equipe DefesaNet


A inesperada visita do presidente Michel Temer à Luis Inácio Lula da Silva, no Hospital Sírio-libanês, na noite de quinta-feira (02FEV2017) apresentou alguns detalhes até então não percebidos na segurança presidencial.

A chegada da comitiva presidencial, às  22h30 no Hospital Sírio-Libanês, em SP, junto com os senadores Renan Calheiros (PMDB-AL), Eduardo Braga (PMDB-AM), Romero Jucá (PMDB-RR), Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), e o presidente da Casa, Eunicio Oliveira (PMDB-CE), para visitarem Lula, e prestar condolência pela morte cerebral da ex-primeira-dama Marisa Letícia.

Na entrada além um pelotão de jornalistas, que já faziam plantão no hospital, também um grupo de simpatizantes petistas, que o chamaram, de "assassino" e "golpista".

A decisão de última hora de viajar à capital paulista mostrou um certo descompasso na chegada da comitiva ao hospital. O grupo de apoio do GSI chegou praticamente com a comitiva presidencial.

Ao desembarcar de um carro da escolta, um agente do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), que garante a segurança do presidente carregava na mão uma pasta larga, típica de quem leva desenhos.

É um “escudo balístico” flexível, que tem sido frequente na segurança de personalidades VIPs e começa a ter seu uso disseminado também em atividades de segurança.

A “pasta” desdobra-se e permite uma proteção balística e contra armas brancas em boa área. Também contra ataques com facões, machadinhas e artefatos similares.

O “escudo” carregado pelo agente é bastante simples parecendo os de primeira geração.


Chegada do Grupo do GSI nos carros de Escolta. Observar o agente com o a pasta. Imagem de vídeo

Chegada do Grupo do GSi nos carros de Escolta. Observar o agente com o a pasta. Imagem de vídeo

As Ameaças a Temer


A presença do “escudo balístico” em uso tão ostensivo pela segurança de autoridade significa que estas consideram uma tentativa de atentado uma possibilidade muito real e que deve ser considerada.

A segurança do então vice-presidente Temer têm um fato até então não explicado. A morte em serviço de uma sentinela, no Palácio Jaburu, em 08 JUL2015. A ação abalou visivelmente o então VP Temer, que no dia seguinte em visita à 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada, em Dourados, MS, andava escoltado por seguranças do GSI. Mesmo dentro da unidade militar.

As solicitações de informações de DefesaNet referente ao caso enviadas ao Comando Militar do Planalto (CMP) não tiveram resposta.

Os ataques à residências vizinhas de sua casa em São Paulo, também serviram para constranger o agora presidente Michel Temer.  

Além de inúmeras ameaças inclusive contra membros de sua família.

(Recomendamos a leitura -
Exclusivo – O soldado “X” e a paranóia de Brasília Dezembro 2015 DefesaNet Link)


O "Escudo Balístico"

Produzido com material Fibra Aramida (o Kevlar é um dos nomes comerciais), o escudo balístico tem tido uma grande aceitação na área de segurança VIP. Se não impede o ataque pode dar uma proteção tanto para a reitada da pessoa a ser protegida do ambiente, assim como permitir a neutralização do atacante.


 
O escudo como proteção para neutralizar o atacante. Material Informativo de fabricante.






O escudo usado como proteção à personalidade. Material Informativo de fabricante.




O  escudo também é interessante contra ataques com armas brancas e artefatos como machetes e facões. Material Informativo de fabricante.


Aqui o Presidente Maduro tem sua escolta equipada com o escudo balístico.