27 de Julho, 2016 - 10:30 ( Brasília )

Inteligência

Indicação para diretor-geral da Abin está em análise na Comissão de Relações Exteriores




A sabatina de Janér Tesch Hosken Alvarenga para exercer o cargo de diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), em substituição a Wilson Trezza, poderá ocorrer em agosto na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE), do Senado Federal. A mensagem presidencial 74/2016, com a indicação, chegou ao Senado no último dia 20 e está sendo relatada pelo senador Valdir Raupp (PMDB-RO), que ainda não finalizou seu parecer.

Wilson Trezza pediu demissão do cargo em maio, e o nome de Janér Alvarenga foi indicado pelo presidente interino Michel Temer e pelo ministro chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência (GSI), Sérgio Etchegoyen, para substituí-lo. Até a aprovação do novo indicado, Trezza permanecerá no cargo.

Jáner Alvarenga integra os quadros do serviço de inteligência nacional desde 1984, tendo sido promovido a oficial de inteligência em 1989. Atualmente, é diretor do Departamento de Inteligência Estratégica da Agência, mas já passou pela chefia das superintendências estaduais de Goiás e Pernambuco, além de ter sido adido civil de inteligência junto à Embaixada do Brasil em Bogotá (Colômbia), entre outros postos.

O indicado tem 55 anos e é graduado em matemática.

Demissão

A saída de Wilson Trezza da direção da entidade foi precedida por uma denúncia. Segundo publicação de uma revista nacional, em maio, a agência estaria espionando Michel Temer, líderes do PMDB, o juiz Sérgio Moro e até mesmo o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso.

Em nota oficial, a Abin repudiou as acusações e afirmou que “o pedido de exoneração do diretor-geral não guarda nenhuma correlação com o teor da matéria, tendo em vista a improcedência das descabidas informações veiculadas pela revista”.