COBERTURA ESPECIAL - Guerra Informação e Híbrida - Inteligência

10 de Outubro, 2018 - 12:50 ( Brasília )

Google – “O BOM CENSOR”

“The GOOD CENSOR”: Briefing do Google admite o troca de “Liberdade de Expressão”(Free Speech) pela “Segurança e Civilidade”


Allum Bokhari
Publicado Breitbart - 09 Outubro 2018


Um briefing interno do Google e publicado com exclusividade pela Breitbart News argumenta que, devido a uma variedade de fatores, incluindo a eleição do presidente Trump, a "tradição americana" de “liberdade de expressão” na internet não é mais viável.

Apesar de vazar imagens de vídeo mostrando executivos declarando sua intenção de garantir que a ascensão de Trump e do movimento populista seja apenas um  “pontinho” na história , o Google negou repetidamente   que o viés político de seus funcionários se infiltrasse em seus produtos.

Mas o briefing de 85 páginas, intitulado “The Good Censor”, admite que o Google e outras plataformas tecnológicas agora “controlam a maioria das conversas online” e realizaram uma “mudança em direção à censura” em resposta a eventos políticos indesejados em todo o mundo.

Exemplos citados no documento incluem a eleição de Trump, em 2016, e a ascensão do grupo de direita Alternative for Deutschland (AfD) na Alemanha.

Respondendo ao vazamento, uma fonte oficial do Google disse que o documento deveria ser considerado pesquisa interna, e não uma posição oficial da empresa.

O briefing declara que o ideal da liberdade de expressão irrestrita na internet como uma “narrativa utópica” que foi “prejudicada” por eventos globais recentes, bem como “mau comportamento” por parte dos usuários. Pode ser lido na íntegra abaixo, via Scribd.

Ele reconhece que as principais plataformas de tecnologia, incluindo Google, Facebook e Twitter, inicialmente prometiam liberdade de expressão aos consumidores. “Esse ideal de liberdade de expressão foi incutido no DNA das startups do Vale do Silício, que agora controlam a maioria das nossas conversas on-line”, diz o documento.


O briefing argumenta que o Google, o Facebook, o YouTube e o Twitter estão presos entre duas posições incompatíveis, o “mercado de ideias não mediado” versus “espaços bem ordenados de segurança e civilidade”.


 
A primeira abordagem é descrita como um produto da “tradição americana” que “prioriza a liberdade de expressão para a democracia, não para a civilidade”. A segunda é descrita como um produto da “tradição europeia” que “favorece a dignidade da liberdade e civilidade sobre a liberdade. O briefing alega que todas as plataformas tecnológicas estão agora se movendo em direção à tradição europeia.

O briefing associa o novo papel do Google como fiador de “civilidade” com as categorias de “editor” e “publisher”. Isso é significativo, já que Google, YouTube e outros gigantes da tecnologia afirmam publicamente que não são editores, mas sim plataformas neutras. uma categorização que lhes concede imunidades legais especiais sob a Seção 230 da“Communications Decency Act”. Em outro lugar no documento, o Google admite que a Seção 230 foi criada para garantir que eles possam permanecer plataformas neutras para a liberdade de expressão.

Trump, Teórico da Conspiração
 
Uma das razões pelas quais o Google se identifica para a suposta generalizada desilusão pública  com a liberdade de expressão na Internet  que "gera teorias de conspiração". O exemplo usado pelo Google? Um tweet de 2016 do então candidato Donald Trump, alegando que a busca do Google suprimiu resultados negativos sobre Hillary Clinton.



Na época, o Google disse que suprimia sugestões de preenchimento automático negativas sobre todos, não apenas Clinton. Mas foi relativamente fácil encontrar esses resultados completos ao pesquisar por Bernie Sanders ou Donald Trump. 
 
Uma pesquisa independente do pesquisador Robert Epstein também  mostra  que os resultados de pesquisa do Google (se não os resultados do preenchimento automático) favoreceram Hillary Clinton em 2016.
 
Duas vezes no documento, o Google justapõe um factoide sobre a “interferência russa” nas eleições americanas, com fotos de Donald Trump. Em um ponto, o documento admite que as plataformas de tecnologia estão mudando suas políticas para antecipar a ação do Congresso sobre interferência estrangeira.

O documento não abordou o fato de que, de acordo com os  principais pesquisadores , o impacto de “bots” e propaganda estrangeiros nas mídias sociais tem um impacto insignificante sobre os eleitores.
 
Das sugestões à política da empresa
 
Não está claro para quem o "Bom Censor" foi planejado. O que está claro, no entanto, é que o Google gastou (ou pagou a alguém para gastar) tempo e esforço significativos para produzi-lo.



De acordo com o próprio briefing, que era o produto de um extenso processo envolvendo “várias níveis de pesquisa”, incluindo entrevistas com especialistas com MIT Tech Review, editor-chefe Jason Pontin,  escritor Franklin Foer, membro da Atlântic, e a acadêmica Kalev Leetaru. 35 observadores culturais e 7 líderes culturais de sete países dos cinco continentes também foram consultados para produzi-lo.
 
O que também é claro é que muitas das recomendações do briefing agora estão refletidas na política do Google e de suas empresas coligdas.

Por exemplo, o briefing argumenta que as empresas de tecnologia terão que censurar suas plataformas se quiserem “expandir globalmente”. O Google está agora  construindo  um mecanismo de busca controlado (Dragonfly) para obter acesso ao mercado chinês.
 
O documento também lamentou que a internet permita “ter um comentador” (em outras palavras, pessoas comuns) para competir em igualdade de condições com “fontes autorizadas” como o  New York Times.  O YouTube, de propriedade do Google, agora  promove  as chamadas "fontes autorizadas" em seu algoritmo. A empresa não nomeou especificamente as fontes que promoveria.
 
Pontos-chave no briefing podem ser encontrados nos seguintes números de página:

  • P2 - O briefing afirma que “os usuários estão perguntando se a abertura da Internet deve ser comemorada depois de tudo” e que “a liberdade de expressão se tornou uma arma social, econômica e política”.
  • P11 - O briefing identifica o Breitbart News como a publicação de mídia mais interessada no tema da liberdade de expressão.
  • P12 - O briefing diz que os primeiros ideais de liberdade de expressão da internet eram "utópicos".
  • P14 - O briefing admite que o Google, junto com o Twitter e o Facebook, agora “controlam a maioria das conversas online”.
  • P15 - A Seção 230 do Communications Decency Act está vinculada à posição do Google como uma plataforma para liberdade de expressão. Em outras partes do documento (p. 68), o Google e outras plataformas se movem em direção à moderação e à censura está associado ao papel de “publisher” - que não estaria sujeito às proteções legais da Seção 230.
  • PP19-21 - O briefing identifica vários fatores que supostamente corroeram a fé na liberdade de expressão. A eleição de Donald Trump e do alegado envolvimento russo é identificada como um desses fatores. A ascensão do partido populista Alternative fur Deutschland (Alternativa para a Alemanha) na Alemanha - que o briefing falsamente classifica como "alt-right" - é outra.
  • PP26-34 - O briefing explica como “os usuários se comportam mal” prejudica a liberdade de expressão na internet e permite que “políticos miseráveis ??expandam sua influência”. O briefing lamenta que “racistas, misóginos e opressores” tenham voz ao lado de “revolucionários”. denunciantes e ativistas ”. Ele alerta que os usuários estão“ mais dispostos a transgredir as normas morais ”por trás da proteção do anonimato.
  • P37 - O briefing reconhece que a China - para a qual o Google desenvolveu um mecanismo de busca censurado - tem o pior histórico de liberdade na internet.
  • P45 - Após alertar sobre a ascensão do discurso de ódio online, o briefing cita afirmativamente Sarah Jeong, infame por seu discurso de ódio contra homens brancos (o Google está atualmente enfrentando uma ação alegando que ele discrimina homens brancos, entre outras categorias).
  • P45 - O briefing lamentou o fato de que a Internet tem sido, até recentemente, um campo de jogo nivelado, alertando que “o debate racional é prejudicado quando vozes autoritárias e comentaristas 'recebem' peso igual.”
  • P49 - O documento acusa o presidente Trump de espalhar a “teoria da conspiração” que as sugestões de preenchimento automático do Google favoreceram injustamente Hillary Clinton em 2016. (As suspeitas de Trump estavam corretas - pesquisas independentes  mostraram  que o Google favoreceu Hillary em 2016).
  • P53 - Plataforma de fala livre O Gab é identificado como um dos principais destinos dos usuários que estão insatisfeitos com a censura em outras plataformas.
  • P54 - Depois de alertar sobre o “assédio” no início do documento, o briefing descreve com aprovação uma campanha de mídia social de esquerda de 27.000 pessoas como um “flash mob digital” engajado em “contra-comentários amigáveis”.
  • P57 - O documento justapõe um facto sobre a interferência da eleição russa com uma imagem de Donald Trump.
  • P63 - O briefing admite que quando o Google, GoDaddy e CloudFlare simultaneamente retiraram o site The Daily Stormer do ar, eles estavam “efetivamente usando a Internet”, um ponto também feito pela Electronic Frontier Foundation e pela FCC em seus alertas subsequentes sobre censura.
  • P66-68 - O briefing argumenta que o Google, o Facebook, o YouTube e o Twitter estão presos entre duas posições incompatíveis, o “mercado de ideias não mediado” versus “espaços bem ordenados de segurança e civilidade”. O primeiro é descrito como um produto de a “tradição americana” que “prioriza a liberdade de expressão para a democracia, não para a civilidade”. O segundo é descrito como um produto da “tradição européia”, que “favorece a dignidade da liberdade e civilidade à liberdade”. estão agora se movendo em direção à tradição européia.
  • P70 - O briefing resume as razões da “mudança em direção à censura” da big tech, incluindo a necessidade de responder às demandas regulatórias e “expandir globalmente”, “monetizar o conteúdo através de sua organização” e “proteger os anunciantes do conteúdo controverso [ e] aumentar as receitas.
  • P74-76 - O briefing adverte que as preocupações sobre a censura de grandes plataformas de tecnologia se espalharam para além da mídia de direita para o mainstream.

 
Leia The Good Censor na íntegra abaixo:


The Good Censor - GOOGLE LEAK by on Scribd


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Guerra Hibrida Brasil

Guerra Hibrida Brasil

Última atualização 21 OUT, 12:30

MAIS LIDAS

Guerra Informação e Híbrida