COBERTURA ESPECIAL - Guerras Híbridas Latinas - Inteligência

04 de Novembro, 2019 - 13:00 ( Brasília )

GHL-Brasil - MST: O povo brasileiro vai se levantar muito antes do que o Bolsonaro imagina

Povo evita ser bucha de canhão, e campo vive letargia, diz Stedile, do MST


Wellington Ramalhoso
Do UOL, em São Paulo
04/11/2019

João Pedro Stedile, 65, um dos coordenadores nacionais do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), diz que a conjuntura política dos últimos anos levou a uma diminuição das ocupações de propriedades improdutivas no campo. A preocupação com a violência, afirma ele, fez com que os trabalhadores rurais passassem a ter uma disposição menor para realizar este tipo de ação.

"Entramos em um período de letargia. Não é que a forma de luta [ocupação] foi abandonada, mas em cada região as massas vão analisando como se comportar para também não servir de bucha de canhão."

Em um plano maior, a classe trabalhadora brasileira pouco se mobilizou contra medidas e reformas realizadas pelos governos Michel Temer (MDB) e Jair Bolsonaro (PSL), mas, na visão de Stedile, isto pode mudar "mais dia, menos dia". "Certamente o povo brasileiro vai se levantar muito antes do que o Bolsonaro imagina", avalia.

"Enquanto permanecer esse tipo de política, essa visão estúpida do [Paulo] Guedes [ministro da Economia], o futuro que nos aguarda é o Chile [em referência às medidas liberais na economia e às recentes manifestações populares contra o governo chileno]." Para ele, Bolsonaro não tem base social nem nas Forças Armadas para cumprir a promessa de reprimir eventuais protestos no país.

Não há diálogo entre o MST e o governo federal para o avanço da reforma agrária. Stedile diz que o movimento está do lado certo, e que o presidente irá "para o lixo da história".

Nesta entrevista concedida na sede nacional do MST, em São Paulo, ele também afirma que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) deixará a prisão "em semanas" e fala sobre o papa Francisco. Confira abaixo.

UOL - O governo Bolsonaro abriu diálogo com o MST em algum momento?

João Pedro Stedile - Ao contrário. Ele, toda hora que vai para a imprensa, utiliza aquela retórica direitista atrasada, fascistoide para nos classificar como inimigos, vagabundos e outros impropérios que ele costuma dizer. Ele fala mal e usa essa verborragia inadequada, inclusive para um presidente, atacando muitas forças do Brasil, como por exemplo ele atacou os bispos do Brasil, atacou os ambientalistas, atacou o Greenpeace.

"Então, nós estamos bem acompanhados, nós estamos do lado certo da história. Ele é que é um fascista que certamente irá para a lata do lixo da história"

Qual é a demanda por reforma agrária no país?

A realidade agrária brasileira é muito complexa. Nós acreditamos que há 4 milhões de famílias que seriam o público potencial de uma reforma agrária verdadeira. E nós ainda, como MST e outros movimentos, não tivemos a capacidade de organizá-las para que lutem.

Do ponto de vista do MST, nós temos, nos últimos anos, em torno de 80 mil famílias que estão acampadas na beira das fazendas ou na beira da estrada, esperando que o Incra tome alguma medida, [o] que está cada vez mais difícil.

Em que lugares do país a tensão no campo é maior?

Tradicionalmente, nos últimos anos, é a região sul do Pará, porque é justamente na fronteira agrícola, ainda mais agora que a soja está tentando se expandir para lá.

Aproveito para abrir uma janelinha aos capitalistas da Europa, que vivem falando mal de nós. Se eles quiserem ajudar a preservar a Amazônia, eles deviam evitar comprar carne de boi e soja que são produzidas na região amazônica. Porque abastecer esse mercado é incentivar o desmatamento e incentivar a violência no campo.

Essa violência também está presente um pouco em Rondônia e na região do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul.

Por que o MST decidiu fazer menos ocupações?

A ocupação é uma forma de luta histórica que perpassa toda a história do Brasil. Não foi o MST que inventou. O que o MST procurou fazer como um movimento racional é dar uma lógica para essas ocupações: evitar a violência, ir com toda a família, escolher as áreas que estão mais sensíveis à lei, portanto, latifúndios improdutivos. Não adianta ocupar uma fazenda produtiva. Essas [são as] orientações que o MST dá. Mas quem decide ocupar a terra são as famílias, são as massas.

O que acontece nesses governos de ultradireita, como foi o Temer e agora o Bolsonaro? As massas percebem que o Incra não vai resolver o problema, porque eles dizem inclusive publicamente na televisão: "não vai ter mais desapropriação, não vai ter mais reforma agrária, agora conosco é no pau". Então evidentemente que as massas reagem no seu modo. Elas fazem uma espécie de análise de correlação de forças.

E então nós entramos em um período de letargia. Não é que a forma de luta foi abandonada, mas em cada região as massas vão analisando como se comportar para também não servir de bucha de canhão, para que a "fazenderada" use dessa prepotência para provocar violência ou todo tipo de repressão contra a nossa base."

Como o sr. avalia a presença de setores do agronegócio no governo Bolsonaro?

O agronegócio lúcido não está no governo Bolsonaro. Inclusive, eles já estão na oposição. A gente vê quase todos os dias no [jornal] Valor [Econômico] declarações de dirigentes desse agronegócio mais lúcido, como Blairo Maggi, Roberto Rodrigues [ex-ministros da Agricultura] e outros líderes, que demonstram preocupação porque esse governo é uma insanidade. Esse é governo não tem juízo. É um desgoverno. Então, a médio prazo, vai provocar consequências para o mercado brasileiro e para o mercado mundial.

Espero, inclusive, que esse setor empresarial do campo, que é produtivo, que está interessado no futuro do Brasil, que eles se deem conta de que é importante fazer uma reforma agrária sobre as terras improdutivas e que nos ajudem a derrubar esse governo.

Os governos Temer e Bolsonaro aprovaram reformas, como a trabalhista, que afetam os trabalhadores. Por que houve pouca resistência popular diante disso?

O Brasil vive uma grave crise econômica que eclodiu a nível mundial em 2008. O Lula conseguiu segurar o tranco com as políticas do BNDES e do Minha Casa, Minha Vida. Isso ainda manteve a economia brasileira ativa e com investimentos públicos pesados.

Porém, de 2014 para cá, a economia brasileira entrou numa grave crise. A rigor, nós não crescemos mais desde 2014 nem na agricultura e muito menos na indústria. A crise econômica rompe os laços das classes. Então aquela conciliação de classes que havia no [governo] Lula e havia na [gestão] Dilma [Rousseff] se rompeu, e a burguesia brasileira preferiu se unir com as forças externas e colocou um governo golpista, como foi o Temer, que ele mesmo admite, e depois um governo de extrema-direita para ela se salvar.

Espero que os empresários olhem o que estão fazendo. Olha o governinho que vocês colocaram aí. Isso é um desgoverno. Enquanto permanecer esse tipo de política, essa visão estúpida do [Paulo] Guedes [ministro da Economia], o futuro que nos aguarda é o Chile. Não tenho dúvida disso.

A classe trabalhadora não se mobilizou, mas isso é só questão de tempo. Porque a lógica da mobilização das massas não é uma questão que depende de direção ou nós aqui decidirmos. Há uma lógica que leva um tempo até as massas se darem conta. E por isso que não tenham dúvida dia mais, dia menos haverá um reascenso do movimento de massa ainda que agora não esteja acontecendo.

Quando isto pode acontecer?

Não tenho bola de cristal. A luta de classes e a dinâmica da mobilização social em qualquer sociedade, não só aqui no Brasil, não tem uma lógica racional. Vocês viram aí no Chile. Foi aumentando, aumentando a panela de pressão. Aí quando eles aumentaram em 20 centavos a passagem do metrô, explodiu. Ou seja, todo aquele tensionamento vai explodindo. Assim aconteceu no Peru, assim aconteceu no Equador. Aqui no Brasil também vai ser assim.

"Em algum momento esse povão vai se dar conta e ele vai se levantar por algum motivo que não sei por que nem quando, mas tenho certeza, olhando a história do Brasil e a história da América Latina, que certamente o povo brasileiro vai se levantar e vai se levantar muito antes do que o Bolsonaro imagina."

O presidente Bolsonaro e um dos filhos, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), já disseram que se manifestações como as do Chile acontecerem no Brasil, elas serão reprimidas pelo Exército e pelas polícias.

O governo Bolsonaro faz parte daquele leque de governos de extrema-direita que foram eleitos em vários países do mundo apenas pela manipulação das fake news.

Nem o governo Piñera [no Chile] nem o governo Macri [na Argentina] nem o governo Bolsonaro nem o governo da Hungria nem o Trump [nos Estados Unidos] representam a maioria da população. Então eles sabem que não têm projeto para o desenvolvimento do nosso povo e dos seus países. Eles sabem que eles são frutos de uma manipulação, então eles têm que manter todo o tempo a sua base aglutinada com uma retórica direitista.

Na sua avaliação, o presidente Bolsonaro tende a enveredar por um caminho mais autoritário?

Ele até pode querer, mas eu percebo [que] as polícias militares não são dirigidas por ele. São dirigidas pelos governos estaduais. E mesmo em governos estaduais que são de direita, eles têm juízo.

"Mesmo que o Bolsonaro queira aumentar a repressão, acho que ele não tem base nem social e nem nas Forças Armadas".

E os partidos de oposição? Eles parecem tímidos.

Para que a bancada de oposição tenha uma projeção maior, uma força maior no Congresso, é preciso que as ruas falem, que a sociedade se mobilize.

Não adianta olhar para o Congresso e botar a culpa neles. Eles estão fazendo seu papel. A correlação de forças no Congresso só vai se alterar quando as ruas e a sociedade brasileira se mobilizarem para, então, criar um movimento de massas que barre as insanidades do Bolsonaro e recuperar os direitos que agora estamos perdendo.

Como e quando o sr. acha que o ex-presidente Lula deixará a prisão em Curitiba?

O presidente Lula é inocente. Foi injustiçado. Aquilo foi parte da manipulação do golpe contra Dilma e para viabilizar a candidatura Bolsonaro. Todo mundo sabe que o Lula ganharia as eleições em 2018. O Lula foi sequestrado. Acho que agora caiu a ficha da opinião pública.

A Constituição é clara. Ninguém pode ser preso a não ser em flagrante delito até ser julgado na última instância. Portanto, eles [os ministros do STF voltam a julgar no dia 7 a possibilidade de prisões após a condenação em segunda instância] estão decidindo se o Lula faz parte do 'ninguém' ou não. E eu acredito então, que depois do julgamento do STF será questão apenas de adequar a forma [da saída da prisão]. Em algumas semanas, o Lula estará livre.

A esquerda depende da saída de Lula da prisão para se fortalecer e se organizar?

O nosso projeto político de sociedade é um só: uma sociedade igualitária, onde todos mesmo tenham direito a trabalho, a casa, a entrar na universidade, a terra, a vida boa, à cultura, ao lazer, a ir no cinema. Esse é o nosso programa. Simples: a luta contra a desigualdade.

Agora o papel do Lula não é com a esquerda, o papel do Lula é com as massas. Por quê? Porque o Lula foi o produto daqueles 40 anos de mobilizações de massa, que começaram nas greves históricas de 1978 e 1979 das quais ele emergiu como líder operário. Seguiu com a luta das Diretas, seguiu com a luta da Constituinte, seguiu com toda a luta que houve depois.

Então Lula é a expressão, é a simbologia. Ele é maior que ele mesmo. É maior que o PT, é maior que a esquerda. Ele é a simbiose do povo brasileiro num só. Então ele, livre, cumprirá um papel que nenhuma outra pessoa pode fazer, nenhum outro candidato, se você quiser.

O sr. é um interlocutor do papa Francisco. Como é o diálogo com ele?

Já nos reunimos algumas vezes em Roma, outra vez aproveitamos uma vinda dele na Bolívia e nos reunimos em Santa Cruz [de la Sierra]. Em junho do ano que vem, nós vamos fazer um novo encontro dos movimentos populares com o papa.

A minha surpresa com ele é porque parece um de nós. Ele não tem aquela empáfia de papa. Ele é humilde para a autoridade moral e doutrinária que ele tem e ele se comporta como um ser comum.

Tem as suas opiniões, ouve muito. Então, geralmente, nesses encontros, a gente fica dois, três dias discutindo entre nós [dos movimentos]. Aí nós apresentamos uma síntese para ele. Quando ele reage nas locuções dele ou por escrito, ele sempre tem posicionamentos mais progressistas e mais à esquerda do que nós.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Crise

Crise

Última atualização 19 NOV, 12:15

MAIS LIDAS

Guerras Híbridas Latinas