COBERTURA ESPECIAL - Guerra Hibrida Brasil - Pensamento

25 de Novembro, 2018 - 17:20 ( Brasília )

Relatório Otálvora: Castrochavismo se organiza para minar os governos do Brasil e da Argentina

A esquerda continental pretende promover a criação de frentes "anti-neoliberais e anti-fascistas" nos países em que os governos dos "partidos castro-comunistas" foram alijados do poder



Edgar Otalvora
@ecotalvora
Publicado originalmente no Diario Las Americas



Vai pousar no dia,  29NOV2018, no Rio de Janeiro o assessor presidencial de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton. A caminho de Buenos Aires, onde será realizada a cúpula do G20, Bolton vai pousar para uma reunião com o presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro. Alianças militares, políticas relacionadas para Cuba, Venezuela e Nicarágua, o comércio bilateral e a presença da China na América Latina serão temas da primeira reunião oficial entre o governo dos EUA e Bolsonaro.

**

A Esquerda continental pretende incentivar a criação de frentes "anti-neoliberais e anti-fascistas" em países onde os governos da linha "Castro-comunismo" foram deslocados do poder. Brasil, Colômbia e Argentina são o alvo de uma Internacional Comunista, que visa reestruturar e atualiza links, slogans e agendas comuns.

"Devemos cunhar uma nova categoria de frente social, cívica, patriótica, na qual todos os setores, que são agredidos pelas políticas neoliberais estarão agrupados", afirmou Cristina Kirchner, em 19NOV2018,  em Buenos Aires. A ex-presidente participou da primeira sessão de um evento de políticos e intelectuais de esquerda chamado "Fórum Mundial de Pensamento Crítico" ou "anti-establishment" antes da próxima  Cúpula do G20 (30N0V-01DEZ2018).  Coube à ex-presidente do Brasil, Dilma Rousseff ele para abrir o evento e afirmou a linha política: "temos de ser capazes de fazer todo o possível para combater os  movimentos e alianças de direita", acrescentando que "a coluna vertebral ou o coração das frentes deve ser anti-neoliberal e anti-fascista ".

A esquerda Castrista  já declarou guerra ao governo de Jair Bolsonaro, que, sem ter sido inaugurado, chamam de "neofascista". A decisão do governo cubano de retirar milhares de "médicos", do "Programa mais Médicos", do Brasil buscando criar uma crise de saúde no país parece o primeiro passo concreto de uma linha para minar o novo governo brasileiro.

O diagnóstico político para a ação das esquerdas contra os governos do: Brasil, Argentina e Colômbia. A agenda apresentado pelo vice-presidente boliviano Alvaro Garcia Linera, que tem crescido como um dos teóricos da esquerda continental. Acompanhado no palco pelo espanhol Juan Carlos Monedero, Garcia, disse em 20NOV2018, que "o neoliberalismo que recentemente triunfou em alguns países é fossilizado". Eles estão repetindo as velhas receitas, que falharam há vinte anos atrás. Não há inventividade, não há criatividade, não há esperança. O que temos agora é uma espécie de neoliberalismo zumbi que sobrevive.  O boliviano acrescentou: "devemos ser frios e corrigir os limites e os erros cometidos durante a primeira onda, porque temos que nos preparar para a segunda  onda de governos progressista no continente".

*****

O evento sobre "pensamento crítico durou uma semana e foi convocado pelo chamado" Conselho Latino-Americano de Ciências Sociais ", uma organização acadêmica de fachada que faz parte do aparato de propaganda da esquerda continental. Agora com Hugo Chávez morto, os cofres do governo venezuelano raspados e o péssima imagem internacional do governo Maduro, a esquerda preferiu reunir-se longe de Caracas e excluindo temas como "socialismo do século XXI" ou "revolução bolivariana" entre a longa lista de conferências.

Na lista de celebridades da esquerda eles incluíram: Dilma Rousseff, Cristina Kirchner, vice-presidente boliviano Alvaro Garcia Linera, o palestino Ahed Tamimi, os líderes comunistas brasileira Manuela D'Ávila e Guilherme Boulos, da Colômbia veio Ernesto Samper Pizano e Gustavo Petro, o espanhol Juan Carlos Monedero, que, em seguida, foi para o Brasil para visitar o preso Lula da Silva, Ignacio Ramonet e Adolfo Perez Esquivel que recolhe assinaturas para nomear Prêmio Nobel Lula. Entre as atividades realizadas um evento em homenagem a "revolução cubana", outro sobre as "crianças palestinas" e uma reunião dos "movimentos sociais" dos países da ALBA. Pepe Mujica ex-presidente uruguaio último minuto decidiu abster-se de participar do evento para evitar confrontos entre seu país e o governo argentino.

A fonte de financiamento para o evento é ignorada. O portal brasileiro O Antagonista publicou fotos de Rousseff e de outros líderes brasileiros alojados em um hotel cinco estrelas na cidade de Buenos Aires.

*****

Finalmente, em 23NOV2018, um tribunal federal, em Brasília, tornou Dilma Rousseff,  junto com Lula da Silva, reus em um processo judicial através da ações de seus governos, entre 2003 e 2016, uma "organização criminosa" chamado "Quadrilhão do PT" . A acusação do Procurador, do Ministério Público. O Brasil observa que "a formação de um grupo criminal organizado que usou recursos da petrolífera estatal Petrobras, de cerca de US $ 500 milhões, como uma fonte de financiamento para o   Partido dos Trabalhadores. Além de Lula e Rousseff, serão processados ??os ex-ministros da Fazenda Guido Mantega e Antonio Palocci, além do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto.

*****

O governo de Nicolas Maduro, apesar de ter sido convidado, não compareceu à segunda reunião convocada pelo governo do Equador, a fim de chegar a um acordo sobre uma estratégia internacional para abordar a migração em massa dos venezuelanos que  impacta os países vizinhos. Venezuela e Bolívia foram os únicos que não compareceram à convocação da reunião que ocorreu em Quito, em 22/23NOV2018, mais de cem representantes de treze governos, bem como as agências especializadas da ONU, Corporação Andina de Fomento (CAF) e o BID, além de terem enviados como observadores  uma dúzia de governos, incluindo os EUA, o Japão e a União Européia.

Os governos representados na mesa foram Colômbia, Costa Rica, Honduras, Panamá, Peru, Uruguai, República Dominicana, Paraguai, México, Equador, Chile, Brasil e Argentina. A reunião foi presidida pelo chanceler equatoriano José Valencia e pelo representante especial do ACNUR e da OIM, para os imigrantes e refugiados venezuelanos, Eduardo Stein.

*****

O governo dos EUA decidiu apoiar abertamente a posição da Guiana, ante da reivindicação territorial que a Venezuela mantém desde meados do século passado sobre o território de Essequibo e sua projeção marítima.

Em 25 de maio, o Departamento de Estado dos EUA emitiu uma comunicação saudando a República Cooperativa da Guiana, que no dia seguinte celebraria os 52 anos de sua "independência". Era um comunicado de imprensa aparentemente rotineiro, semelhante ao que o Departamento de Estado emite toda vez que um governo amistoso celebra sua data nacional. Mas os parabéns de Washington à Guiana em 2018 tiveram uma frase que revelou mudanças notáveis ??na posição dos EUA sobre o conflito territorial sobre o Essequibo. O parágrafo final do texto assinado pela secretária de Estado Mike Pence disse: "Desejamos ao povo da Guiana, de Corentyne, de Pacaraima, do Tacutu para Amacura, e do outro lado da" Terra de muitas águas", um dia de celebração feliz Independência com paz e prosperidade ao longo do próximo ano ".

*****

No dia 16 de novembro, na embaixada dos EUA em Georgetown, houve uma recepção com a qual o embaixador Perry Holloway concluiu sua missão na Guiana. Entre os participantes estava Carl Barrington Greenidge, vice-presidente do Ministério das Relações Exteriores e que na época estava à frente do governo da Guiana desde que o presidente David Granger permaneceu em Havana, se recuperando de uma operação cirúrgica. O orador da noite foi a segunda da missão diplomática, Terry Steers-Gonzalez, que elogiou o papel desempenhado por seu chefe para mudar a posição do Departamento de Estado sobre a questão da disputa de fronteira entre a Venezuela e a Guiana. "Anteriormente, os EUA simplesmente haviam apoiado a resolução oportuna da disputa de fronteira entre a Venezuela e a Guiana. Em grande parte graças ao embaixador Holloway, o governo dos EUA pede agora a todas as partes que respeitem a decisão de arbitragem de 1899. " Os limites estabelecidos arbitragem entre o ex-colônia britânica e Venezuela a que se refere o diplomata norte-americano foi rejeitado pela Venezuela desde 1962, considerado nulo o chamado Arbitral Award de Paris de 1899. Sob a égide da ONU, desde 1965 e até a chegada de Chávez ao poder, a Venezuela tentou chegar a um acordo de fronteira que restauraria o território sob protesto.

O confronto de Chávez contra os EUA nas últimas duas décadas,levou Hugo Chávez  abandonar os reclamos  fronteiriços, entregando concessões petrolíferas offshore da Guiana, para consórcios internacionais. A descoberta, em 2015, pela ExxonMobil de grandes reservas de petróleo na facha marítima do território em disputa, determinaram a mudança formal da posição dos EUA ante a disputa Venezuela-Guiana. A própria ExxonMobil atuando em parceria com a chinesa CNOOC Nexen Petroleum alocou recursos financeiros para apoiar a acusação governo da Guiana contra a posição venezuelana. Apesar da oposição da Venezuela, a Guyana levou a considração da Corte Internacional de Justiça o contecioso fronteiri sem que o governo Maduro mostre sinais de ter uma estratégia política e jurídica perante corte internacional.



Outras coberturas especiais


Africa

Africa

Última atualização 13 DEZ, 19:15

MAIS LIDAS

Guerra Hibrida Brasil