COBERTURA ESPECIAL - Guerra Hibrida Brasil - Inteligência

06 de Setembro, 2018 - 11:30 ( Brasília )

Willian Waack - "Chamado à razão"

Nenhum dos oficiais de alta patente antecipa tranquilidade e estabilidade pela frente


William Waack
O Estado de S.Paulo

A coluna é dedicada ao que pensam os militares sobre o momento político. Condensei mais de dezena de longas conversas recentes com oficiais de alta patente das três armas, quase todos da ativa, incluindo dois comandantes. Oficiais generais não manifestam qualquer disposição para a tal “intervenção” militar. Mas se perguntam, sem conseguir responder, o que fazer se houver rompimento de um tecido social já “esgarçado” (expressão muito usada por eles).

O cenário mais temido é a quebra de lei e ordem “no caso de uma besteira qualquer do STF beneficiando o Lula” ou, pior, da reconhecida falta de contingentes para atuar no caso de greves de PMs ou a paralisação do País por bloqueios simultâneos de rodovias.

“Achamos que devemos, sim, alertar em público e em privado para perigos e chamar à razão pessoas com responsabilidades”, diz um interlocutor. Assim foi entendido, por exemplo, o já célebre tuíte do comandante do Exército às vésperas do julgamento de um habeas corpus em favor de Lula, em abril.

Oficiais registraram com alívio sinais, vindos de contatos diretos com integrantes do STF, de que “não haveria surpresas” até o fim do período eleitoral, o que inclui questões envolvendo a Lei da Anistia, um ponto descrito como inegociável – boa parte dessa sensação vem da indicação do general Fernando Azevedo e Silva, até agora no comando do Estado-Maior do Exército, como assessor do ministro Dias Toffoli, que assume a presidência do STF. Esse oficial é uma das principais “cabeças políticas” nas três armas.

Esse “chamado à razão” – na verdade, um alerta e uma advertência – resulta menos de um cálculo para interferir na política e mais para “aliviar enorme pressão” vinda de escalões inferiores nas estruturas de comando. “Você imagine que um maluco de saco cheio com a política comande um pequeno destacamento bloqueando algum lugar – digamos, Curitiba – e aí ninguém segura mais nada”, admite-se, por hipótese. “A fragilidade do atual governo é um absurdo, e a falta de autoridade também”, comenta-se. “Não dá pra achar que a gente vai salvar políticos incompetentes desse desastre.”

Oficiais de alta patente já admitem a possibilidade de um presidente Jair Bolsonaro (“para nós não é mais capitão, é um político civil”), em relação a quem não mais se declaram refratários, embora lhe atribuam escassa sabedoria política e pouca capacidade de articulação para enfrentar um Congresso provavelmente hostil. “Ponto positivo nele é que talvez ajude a frear essa onda de esquerdização do País”, diz fonte de alta patente. “Já conseguiu encurralar parte dessa mídia que é a grande responsável por esse clima.”

O general Heleno é um dos principais canais entre Bolsonaro e setores superiores da ativa, em que se ouve o palpite de que “Bolsonaro daria um tiro certo se nomeasse o Heleno seu chefe da Casa Civil, pois tem cabeça política melhor que a dele, e se pusesse um civil no Ministério da Defesa”, disse um general de destaque.

Nenhum dos oficiais de alta patente antecipa tranquilidade e estabilidade pela frente. Acham que há um esforço internacional, incentivado também pelo PT, de enfraquecer “ainda mais a soberania nacional”, lamentam que debates sobre segurança e um projeto de País mal apareçam na campanha, queixam-se de que não há como soldados resolverem questões de ordem pública, manifestam-se profundamente descrentes da classe política, mas, também, do Judiciário ser capaz de reverter a onda de insegurança jurídica (que, apontam, vem de um STF fracionado por lealdades políticas e pessoais de todo tipo).

Não se furtam a fazer comparações com “a bagunça” que precedeu 1964, mas não é a que se poderia esperar (intervir para “salvar a democracia”, por exemplo). “Naquela época, pelo menos, havia estadistas”, disse um destacado oficial general. “Hoje, este país é um deserto de lideranças.”


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Crise

Crise

Última atualização 20 NOV, 11:35

MAIS LIDAS

Guerra Hibrida Brasil

5
13 NOV, 11:00

Conciliação Nacional

7