COBERTURA ESPECIAL - Front Interno - Segurança

17 de Fevereiro, 2019 - 11:00 ( Brasília )

Quadrilhas recrutam adolescentes para assassinatos na Grande Vitória

Atraídos pelo dinheiro fácil, menores a partir de 12 anos são aliciados para o tráfico de drogas com a missão de enfrentar policiais e matar rivais

 

Eliane Proscholdt e Francine Spinassé
Jornal A Tribuna / Vitória
Edição 16 Fevereiro 20

 

Em busca de um mundo de luxo e de dinheiro fácil, menores a partir de 12 anos têm seguido um caminho muitas vezes sem volta: o tráfico de drogas. Muitos adolescentes têm sido recrutados por quadrilhas de traficantes, inclusive, para matar em morros da Grande Vitória.

Essa missão é dada geralmente para adolescentes entre 16 e 17 anos que, armados, partem para o enfrentamento a policiais e grupos rivais que tentam tomar territórios.

O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Moacir Barreto, disse que nos bailes do Mandela, por exemplo, é comum ver menores a partir dos 12 anos, até mesmo armados, no caminho do crime.

Ele ainda frisou que eles têm entre 16 e 17 anos e são os que mais trocam tiros com a PM. “Esses não tiveram perspectivas e já entraram no mundo do crime.”

Barreto explicou que por terem uma punição reduzida, há adultos que usam os adolescentes para matar. “A faixa de quem mais mata no Brasil é a faixa de quem mais morre também. Quem mata está entre 16 e 26 anos. Já os que morrem, estão exatamente na mesma idade.”

 

 



Conforme o coronel, quando um adolescente mata e não vai preso, ele se sente como uma pessoa que subiu na hierarquia do crime.

O titular da Delegacia Especializada do Adolescente em Conflito com a Lei (Deacle), delegado Wellington Lugão, salientou que a carreira prematura no tráfico geralmente começa como vapor ou avião, ou seja, comercializando drogas, assim como olheiros que monitoram a aproximação de policiais e bandidos rivais.

Mas se por um lado os menores veem vantagens no mundo do crime, por outro, os traficantes também têm motivos para recrutá-los.

“O adolescente envolvido apenas com o tráfico, na maioria das vezes acaba sendo liberado na própria unidade policial por força do dispositivo legal. Pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, via de regra, ele só pode ser apreendido em caso de violência ou grave ameaça à pessoa, cujas condutas não estão presentes nos casos dos olheiros, vapores e soldados do tráfico.”

Outro ponto que influencia é a questão financeira, já que quando são apreendidos o custo com advogados (pago pelos traficantes) é menor, uma vez que a permanência deles em unidades de internação normalmente é curta.

 

Nota DefesaNet

Parabéns às jornalistas Eliane Proscholdt e Francine Spinassé, e aos editores de A Tribuna pela coragem de tratar do tema com dignidade sem os estereótipos do "Politicamente Correto"

No dia 12 Fevereiro a UNICEF comemorou o Dia contra os Soldados Criança.



O Editor


Comentário DefesaNet

Ao pesquisarmos nos sites da UNICEF a redação de DefesaNet foi confrontada com uma impactante e desconcertante realidade.

A UNICEF Brasil, tanto no seu site  (https://www.unicef.org/brazil/) , como na sua conta do Twitter (https://twitter.com/UNICEFBrasil), não têm uma única menção à campanha     da UNICEF. Um mero retuite da conta da UNICEF (https://twitter.com/UNICEF), como os dois que foram publicados nesta página.

Covardia, Politcamente Correto ou simplesmente mantenedores do Exército de Crianças e Adolescentes que são recurtados pelo Narcotráfico para serem soldados. Não no Sudão, mas na esquina da quadra onde você mora.

A maioria são mortos antes dos 21 anos! Em confronto com a Polícia, mas principalmente entre as guerras de gangues.

Triste, criminosa e assassina  omissão!

O Editor 


 


 

VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Prosub

Prosub

Última atualização 21 OUT, 14:00

MAIS LIDAS

Front Interno