COBERTURA ESPECIAL - Front Interno - Inteligência

02 de Novembro, 2018 - 22:30 ( Brasília )

Como o ódio ao bilionário George Soros saiu de nichos e ganhou o debate político

Bilionário que investe em democratas é odiado pela direita, tanto nos EUA quanto do outro lado do Atlântico, por exemplo, pelo húngaro Viktor Orbán

 

Kenneth P. Vogel, Scott Shane e Patrick Kingsley
New York Times


WASHINGTON - Horas depois de ter sido informado na semana passada que um dispositivo explosivo havia sido entregue em sua casa nos arredores de Nova York, George Soros, investidor bilionário e doador do Partido Democrata, discutia com outros colegas para tratar de outra ameaça: a repressão autoritária do governo húngaro a uma universidade que ele havia fundado

A tentativa de ataque em Nova York — posteriormente determinada como parte de uma onda de bombas que foram enviadas a importantes críticos do presidente Donald Trump — não vingou. Mas não foi coincidência que Soros estivesse enfrentando intensa oposição e ameaças no mesmo momento em dois países a milhares de quilômetros de distância.

Em ambos os lados do Atlântico, uma rede de ativistas e figuras políticas de direita passou anos procurando lançar Soros não apenas como um oponente político endinheirado, mas também como a personificação de tudo o que é detestável. Empregando antissemitismo mal codificado, eles construíram um retrato deformado dele como o mentor de um movimento "globalista", um radical de esquerda que minaria a ordem estabelecida e uma ameaça de diluir a natureza branca, cristã de suas sociedades por meio do apoio à imigração.

No processo, eles empurraram sua versão negativa de Soros, de 88 anos, dos cantos escuros da internet e das emissoras de rádio para o centro do debate político.

— Soros é difamado porque é eficaz", disse Steve Bannon, ex-assessor de campanha e conselheiro da Casa Branca, que está tentando promover um movimento nacionalista coordenado por toda a Europa e nos Estados Unidos que aspira explicitamente espelhar e contrapor a influência de Soros, um homem que se mantém à esquerda. — Eu só espero que um dia eu seja tão efetivo quanto ele. E tão difamado — completou Bannon, chamando as ameaças de bomba da semana passada de "o ingresso para se jogar nesta arena".

Nos últimos dias da corrida eleitoral legislativa, na qual Soros está gastando pesadamente para eleger democratas, o bilionário está sendo acusado de ser o financiador da caravana de imigrantes centro-amerianos que ruma para os EUA e uma "mão oculta" por trás dos protestos contra o juiz indicado (e nomeado para a Suprema Corte por Donald Trump, Brett Kavanaugh.

'Demonizado' na Europa

Na Europa, o esforço para demonizá-lo tem sido impulsionado e aproveitado por líderes nacionalistas como o primeiro-ministro Viktor Orbán, da Hungria, e políticos em países anteriormente comunistas, como a Macedônia, a Albânia e a Rússia.

— Ele é um banqueiro, ele é judeu, ele dá dinheiro aos democratas. É uma espécie de tempestade perfeita para a difamação pela direita, aqui e na Europa — disse Michael Posner, advogado de direitos humanos e ex-funcionário do Departamento de Estado no governo Obama.

Soros investe em seu projeto principal, a Open Society Foundation, US$ 32 bilhões para o que chama de esforços de construção da democracia nos Estados Unidos e ao redor do mundo. Além disso, nos Estados Unidos, Soros contribuiu pessoalmente com mais de US$ 75 milhões ao longo dos anos para candidatos e comitês federais, de acordo com registros da Comissão Eleitoral Federal e da Receita Federal.

Isso o qualifica como um dos principais doadores divulgados para as campanhas políticas dos EUA na era moderna do financiamento de campanha, e não inclui os muitos milhões que ele doou a grupos políticos sem fins lucrativos que não divulgam seus doadores.

Os gastos políticos e de políticas públicas de Soros nos Estados Unidos e em todo o mundo parecem exceder os de qualquer outro doador politicamente ativo. Por outro lado, a rede de doadores conservadores liderados pelos bilionários irmãos industrialistas Charles G. e David H. Koch, que foram igualmente atacados por alguns da esquerda norte-americana, gastou cerca de US$ 2 bilhões na última década em defesa política e de políticas públicas.

O investidor inicialmente focou seu ativismo em nutrir as democracias que emergiram da dissolução da União Soviética. Mas à medida em que se fortaleceu nos Estados Unidos como um operador político mais tradicional, os conservadores se tornaram cada vez mais motivados a desacreditá-lo — e, por sua vez, usá-lo para desacreditar os candidatos e causas que ele apoia — às vezes exagerando ou descaracterizando seu papel em ações tomadas por grupos que ele ajuda a financiar, às vezes com imagens amplamente vistas como antisemitas.
 
Soros acabou alçado por Trump e seus aliados a uma proeminência ainda maior por causa da narrativa que eles construíram nestas últimas semanas, que antecedem as eleições de 6 de novembro. Eles projetaram para Soros papéis-chave tanto na "ameaça" que dizem ver na caravana de imigrantes, quanto nos protestos contra a nomeação de Brett Kavanaugh para a Suprema Corte.

O Comitê Republicano Nacional do Congresso publicou um anúncio em outubro em Minnesota, sugerindo que Soros, que está sentado atrás de uma pilha de dinheiro, "financia" tudo, desde atletas que se dão muita importância até multidões de esquerda pagas para fazer tumultos nas ruas. O anúncio liga Soros a um candidato ao Congresso que trabalhou em um think tank que recebeu financiamento da Open Society Foundation.

Mesmo depois que as autoridades prenderam um fervoroso defensor de Trump, acusado de enviar as bombas para Soros e para outros críticos de Trump, os republicanos não recuaram. O presidente sorriu na sexta-feira, quando partidários da Casa Branca responderam a seus ataques aos democratas e aos "globalistas" cantando "Lock it up" e gritando "George Soros".

Os agressores de Soros nos Estados Unidos e na Europa têm encontrado cada vez mais uma causa comum nos últimos anos.

A organização legal conservadora Judicial Watch, que recebeu financiamento de grandes doadores conservadores, iniciou este ano um esforço para expor a assistência do governo dos EUA ao que o grupo considera a "agenda de extrema-esquerda" de Soros na América do Sul e Leste Europeu.

Doações a democratas incomodam

Soros primeiro se tornou um grande alvo para os republicanos quando doou US$ 27 milhões no pleito de 2004 para derrotar o presidente George W. Bush, cuja administração o bilionário condenou por ter partido para a guerra contra o Iraque.

Os esforços de Soros e de um pequeno grupo de ricos doadores para derrotar Bush em 2004, embora sem sucesso, levaram à criação de uma rede de grandes doadores liberais que reformularam a esquerda política norte-americana e marcaram Soros como uma figura de destaque na política democrática.

— Naquela época, (o grupo de críticos a Soros) era um punhado de malucos; foi considerado algo lateral e  contido — disse David Brock, auto proclamado homem de direita que troca de lados e começou a criar uma "frota" de grupos progressistas para rastrear a desinformação conservadora. — (Os ataques a Soros)  Começaram a voltar com força durante a campanha de 2016.

Naquela campanha, Soros se mostrou ainda mais alarmado com a candidatura de Trump do que quanto à de Bush e doou mais de US$ 16 milhões para grupos de apoio a Hillary Clinton.

Soros, seus aliados dizem, interpreta os ataques de Trump, Orbán e seus apoiadores como um esforço para intimidá-lo a recuar. Mas a intimidação sai pela culatra;

Quando amigos se expressaram preocupados com sua segurança depois que a notícia da ameaça de bomba foi divulgada, Soros, que não estava lá quando o pacote com o explosivo foi entregue, mudou de assunto para o que chamou de “o dano” causado pela administração Trump, contou seu conselheiro de política, Michael Vachon.

Vachon disse que Soros nos últimos dias criou uma conexão entre os ataques retóricos do presidente contra seus críticos e até a morte de 11 pessoas no sábado em uma sinagoga de Pittsburgh.

Em um e-mail para o "New York Times", Soros disse que estava de luto pelas vítimas do tiroteio em Pittsburgh e suas famílias. Ele acrescentou: “Eu vim a este país para encontrar refúgio. Estou profundamente aflito com o fato de que na América em 2018 os judeus estão sendo massacrados apenas porque são judeus ”.

Soros doou mais de US$ 15 milhões neste ciclo eleitoral para apoiar os candidatos democratas em nível federal, de acordo com os registros da comissão eleitoral, e também doou para entidades sem fins lucrativos que não divulgam seus doadores.

Representantes de Soros dizem que ele doou US$ 1 milhão para o Projeto de Integridade da Democracia, que foi estabelecido após a eleição de 2016 para investigar a interferência estrangeira nas eleições e para pesquisar as conexões de Trump com os interesses russos. Soros está considerando doações adicionais para o grupo, que pagou pela pesquisa da Fusion GPS, a empresa por trás do controverso dossiê que contém acusações sobre os laços de Trump com a Rússia.

A escala de suas atividades deu a republicanos uma abertura para retratá-lo como uma força motriz nefasta por trás de conflitos políticos divisivos.

As fundações de Soros foram proibidas de distribuir fundos na Rússia, enquanto a Open Society decidiu transferir seus escritórios para fora da Hungria este ano, após uma campanha de difamação do governo de Orbán. A Universidade Central Europeia anunciou na semana passada que poderá seguir em breve.

Em uma campanha este ano, a festa de Orban publicou um anúncio que mostrava Soros sorridente, encoberto pelo slogan: "Não vamos deixar George Soros rir por último". Críticos argumentaram que a imagem foi feita para lembrar os espectadores do “Rir Judeu”, um trocadilho comum antissemita.


Nota DefesaNet

George Soros tem inexercido significativa influência no Brasil. Além de financiar a maioria das ONGs desarmamentistas, incluindo o Instituto Igarapé e Sou da Paz.

 

VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


DQBRN

DQBRN

Última atualização 18 NOV, 22:30

MAIS LIDAS

Front Interno