COBERTURA ESPECIAL - Front Interno - Segurança

31 de Outubro, 2016 - 12:00 ( Brasília )

PCC - Somos 25.000

Documentos apreendidos nas prisões indicavam a convocação pelo PCC de um "Salve Geral", para o dia 10 de Outubro de 2016. Surpreendente a afirmação que são uma força de 25.000.

 


Carlos Amorim
Publicado em 20/10/2016
https://carlosamorim.com/

 


A guerra das facções: PCC divulga comunicado para informar que está lutando contra outras organizações criminosas em vários estados. O “salve geral” garante: “somos mais de 25 mil integrantes espalhados pelo país”. E a matança continua.

 
O Primeiro Comando da Capital (PCC), a maior organização criminosa do país, anuncia que há uma guerra entre diversas facções brasileiras. Um comunicado do grupo, chamado de “Salve Geral de 10 de Outubro”, está circulando no sistema carcerário desde a semana passada. É manuscrito em folhas de caderno escolar (quatro páginas, ao todo) e distribuído de mão em mão.

O documento foi redigido em português precário, com muitos erros intencionais e em letra de forma, para dificultar uma eventual investigação a respeito da sua autoria. Como vem sendo copiado de forma improvisada pelos presos, com a grafia piorando muito,  se torna cada vez mais difícil compreender o significado do “Salve Geral”. É assinado por “Sintonia Final”, que corresponderia ao comando da organização.
 
A liderança do PCC é atribuída a Marcos Herbas Camacho, o Marcola. Ele sempre desmentiu essa condição, mas as autoridades juram que é quem manda na facção. É chamado  de “O Artista” por seus supostos correligionários. Marcola está atrás das grades há muitos anos. E não está longe de atingir o limite de encarceramento previsto nas leis do país: 30 anos em regime fechado. 

Será solto em pouco tempo, como foram soltos alguns dos líderes históricos do Comando Vermelho (CV): Escadinha, Paulo Maluco, Carlinhos Gordo, Willian (o “Professor”), Isaias do Borel e vários outros. A liderança de Marcola no PCC foi autenticada pelo governo paulista: na rebelião de 2006, um grupo oficial de negociação foi enviado de avião ao Presídio de Presidente Bernardes, interior de São Paulo, para pedir  o fim da violência da facção, que resultou na morte de várias dezenas de pessoas, inclusive muitos policiais e autoridades públicas, nas ruas de São Paulo.
 
Uma fonte, que conhece bem a facção paulista, me mandou uma cópia da “nota oficial ” do PCC, via WhatsApp. A leitura permite perceber que a luta entre as quadrilhas ligadas ao narcotráfico se desenrola em pelo menos cinco estados: Rondônia, Roraima, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina.

O Rio de Janeiro e o CV não são citados. Aliás, fora o PCC, nenhuma outra facção é nominada. Mas este autor sabe que existem muitas:

 

- CV Nordeste;
- “Bonde do 13”;
- Organização Plataforma Armada (OPA);
- PCC do Sul;
- Sociedade Anônima (SA);
-Terceiro Comando;
- a ADA e coisas que tais.


Existiria até um Terceiro Comando da Capital (TCC), dissidência da facção paulista, comandado por um criminoso conhecido como “Geleia”.
 
O “Salve Geral” faz uma revelação: “somos 25 mil integrantes espalhados pelo país”. É a primeira vez que um número desse porte chega ao conhecimento público. Antes, só uma letra de música, na voz de Mano Brown, dos Racionais MC, citava “50 mil manos”. Parece um exagero, mas na grande rebelião do PCC, em 2006, 40 mil detentos nos estados de São Paulo, Paraná e Mato Grosso do Sul atenderam à ordem da facção para “virar as cadeias”.
 
Outra coisa que se percebe é o tom “politizado” do texto. “Sintonia Final” fala em opressores, capitalismo, direitos do povo e garante que o inimigo é a polícia e os agentes do governo. “Contra esses vai toda a nossa fúria”, conclui.

A facção paulista faz um apelo à união dos criminosos brasileiros. Mas ameaça com retaliações diretas e implacáveis. Se comporta como o “partido do crime”, alcunha pela qual gosta de ser reconhecida. Fiz adaptações no texto a seguir, para que possa ser compreendido, corrigindo o idioma sem comprometer o “estilo” e as “ideias”.

Acompanhe:

 

“Salve Geral de 10 outubro 2016:
 
Para o crime do país:
 
O PCC vem deixar todos os criminosos do país cientes de que nosso objetivo, expansão pelo(s) estado(s), tem por prioridade  fortalecer o crime contra a opressão, a covardia e a inveja imposta dentro e fora do regime prisional. Não buscamos inimizades com ninguém. Muito pelo contrário, somos de unir forças em torno do nosso objetivo, em prol de todos e de tudo. Para os fracos e oportunistas, somos um obstáculo para suas intenções capitalistas. Não deixaremos de aplicar nossa ideologia por vantagem nenhuma que nos seja proporcionada ou por qualquer obstáculo no caminho.
 
Estamos vivendo tempos conturbados, onde facções de oposição estão se manifestando contra inocentes para protestar contra a nossa evolução. Lamentavelmente, as ações covardes estão sendo investidas de maneira cruel contra pessoas que não têm nenhuma responsabilidade no quadro que se apresenta. Temos como exemplos: execução de uma criança de 2 anos a tiro na Bahia; execução sumária de uma senhora tetraplégica no Mato Grosso, por ser mãe de criminosos; irmãos de sangue de integrantes do PCC são assassinados por nada no Maranhão; uma menina de 4 anos, em Santa Catarina, foi assassinada somente por ser admiradora (do PCC) e não dos rivais.
 
“Temos vários fatos covardes a citar. Estão se impondo ao direito do inocente, agindo covardemente, sem escrúpulos e sem razão. Não entendemos esse comportamento. Tampouco aceitaremos. Ao nosso ver, esse tipo de atentado a pessoas inocentes só demonstra fraqueza de postura e falta de objetivo dentro do crime. Para estes, a resposta será direta e implacável. Estamos espalhados pelo país e somos mais de 25 mil integrantes em busca de liberdade, paz, justiça, união e igualdade. Vivemos a realidade de cada estado e nos envolvemos na necessidade de encontrar soluções igualitárias para todos. Não há distinção nem desigualdade, do maior ao menor. Todos estão envolvidos numa conquista entre direitos e deveres.
 
Muitos criminosos de outros estados vivem em São Paulo. Nas cadeias em que predominamos, têm tudo que precisam. Têm o nosso apoio, pois o lema da igualdade é aplicado na entrega, sem distinções. Respeitamos todas as facções criminosas que não sejam o (ilegível) e que respeitem a igualdade. Lutamos batalhas em prol do objetivo e conquistamos respeito, respeitando todos os espaços. Não forçamos ninguém a nos seguir e apenas somos bom exemplo de como pensamos e agimos.
 
Assim nossa fileira cresce, cada dia mais. (ilegível)… nossos inimigos são aqueles em que dirigente impõe as regras do sistema e a polícia das ruas. Contra esses estamos sempre ousando e abrindo portas para nossas atividades e formas de luta e direitos. E procuramos não atingir aleatoriamente, destruindo patrimônio que a própria população carente necessita. Nosso alvo é o opressor. É contra esses inimigos, (que agimos com) todas as nossas forças, inteligência e violência. Não colocamos fogo em pessoas ou carros de populares, o que, no amanhã, só prejudica quem se utiliza desses serviços, a população. Aprendemos com nossos erros e acertos: nosso alvo é diretamente o opressor. Também não compactuamos com nenhuma patifaria que tem crescido nos estados, onde uma facção ou outro, sem ética, tem tomado lojas, morros e favelas de pessoas que são do crime, visando somente o poder. Aprendemos que o alvo é o opressor e (seus) representantes. Contra esses vai toda a nossa fúria, deixando claro que respeitaremos aqueles que mereçam respeito do crime e continuaremos a fortalecer os que nos respeitam de igual (para igual) e trataremos com igualdade todos os criminosos que defendem a ideologia que acreditamos.
 
Estaremos juntos para lutar contra todos os tipos de opressão, mas somos de cobrar diretamente das forças opressoras. Acreditamos nessas respostas. Onde estivermos, não importa a região ou o número de integrantes. A polícia e os agentes do governo sabem que não tiram paz conosco se não nos respeitarem como seres humanos. Contudo, o PCC está progredindo na nossa (truncado)… Cada vez mais enxergamos o quanto estamos no caminho certo.
 
Deixamos nosso respeito a todos os integrantes, amigos, CPS, e conhecedores da nossa filosofia. Nos colocamos à disposição para qualquer esclarecimento.
 
Um forte abraço para todos.
 

Ass) Sintonia Final”



O “Salve Geral de 10 de Outubro” foi apreendido no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Mongaguá, município da Baixada Santista, litoral de São Paulo, região onde o PCC controla o tráfico de drogas.

Ao que tudo indica, o enfrentamento, que já vitimou dezenas de detentos, é entre o CV (Comando Vermelho) e seus aliados nos estados e o PCC, além de outras facções locais. Na madrugada de sexta-feira (21OUT2016), houve novo confronto, desta vez em Rio Branco, a capital do Acre. A galeria do presídio Francisco Oliveira Conde onde estavam presos ligados ao CV,  foi invadida e incendiada. Houve tiroteios nas ruas da cidade. Na contabilidade da polícia, 13 pessoas morreram – até agora. O governo local diz que dois agentes penitenciários são suspeitos de fornecer armas aos detentos.


Nota DefesaNet

O jornalista Carlos Amorim, com grande experiência em várias mídias, produziu dois livros básicos, para os estudiosos de violência criminal no Brasil.

 

- O Assalto ao Poder - O Crime Organizado (Editora Record)

- PCC - A Irmandade do Crime (Editora Record)

 

O editor

Matérias Relacionadas

Importante texto de ficção:

Estamos todos no inferno "Entrevista" ao Jornal O GLOBO por "Marcola" 2008 O Globo Link

PCC - A Criação de um Mito Social-Revolucionário Várias Notas - 2016 Link

PCC - Tentativa de Recuperar o Braço Criminal-Terrorista 2015 Agencia Brasil Link

Megacidades – US Army analisa desigualdade social e o poder do PCC em São Paulo

Estado brasileiro está permeado por Estados criminosos DefesaNet 2016 Link

MARCOLA - Foi o PCC quem reduziu a criminalidade OESP 2013 Link








Outras coberturas especiais


OTAN

Última atualização 17 JAN, 11:00

MAIS LIDAS

Front Interno