COBERTURA ESPECIAL - Eleições - Pensamento

08 de Junho, 2018 - 12:00 ( Brasília )

Reinaldo Azevedo - Bolsonaro é o nome da Lava-Jato

Junção de interesses ideológicos do MPF, PF e setores do Judiciário trabalham ativamente pela candidatura de Jair Bolsonaro.

 

Reinaldo Azevedo


Amplos setores do MPF e da PF têm seu candidato à Presidência: Jair Bolsonaro. Isso não é uma opinião. É um fato. Falemos um pouco do meio ambiente que gera essa aberração, essa teratologia moral.

Não foi sem estoica melancolia que li o manifesto assinado, de saída, por Cristovam Buarque, Fernando Henrique Cardoso, Marcos Pestana e Aloysio Nunes Ferreira, que faz a defesa de um "projeto nacional" que "a um só tempo, dê conta de inaugurar um novo ciclo de desenvolvimento social e econômico (...) e afaste um horizonte nebuloso de confrontação entre populismos radicais, autoritários e anacrônicos."

O texto (https://bit.ly/2xPGJLK) é bom. É desejável que "democratas e reformistas" tentem conjurar os reacionarismos opostos e combinados da esquerda e da extrema-direita, que impõem desde já a sua agenda: o acordo celebrado pelo governo com os ditos caminhoneiros é uma ode ao atraso, ao corporativismo e ao cartorialismo. Como foi possível?

O presidente ficou sozinho. Como num conto de Lygia Fagundes Telles, "vivos e mortos desertaram todos". Os líderes do Congresso, os governadores e os presidenciáveis sumiram. Boa parte da imprensa assistiu a práticas terroristas como quem diz: "Hoje é sexta-feira, dia 8 de junho. Faz frio..." PT, seus cronistas, Ciro e afins aproveitaram a deixa: "Vejam no que dá o golpismo..." O raciocínio é asnal.

Melancólico, no que respeita ao manifesto, é o vazio a que o texto foi relegado. Seria a nossa versão do "compromisso histórico", o acordo celebrado na Itália, originalmente, entre comunistas e democratas cristãos. Com idas e vindas, troca de atores e mudança de siglas partidárias, vigorou do fim da década de 1970 até a razia que a Operação Mãos Limpas provocou no establishment político do país.

Não é raro que democracias celebrem acordos de forças distintas, mesmo antagônicas, em nome da governabilidade. Ou os políticos o fazem - além da Itália, vimos isso acontecer em Portugal, na Espanha e na Alemanha - ou o próprio eleitor obriga a coabitação, como já se deu na França.

Fiquemos por estas plagas. Os populismos que nos ameaçam são a consequência do processo de destruição da política a que passaram a se dedicar o MPF, a PF e setores do Judiciário. O PT viu sua grande estrela, entre outras menores, ir para a cadeia, mas sobreviveu e venceria a eleição se Lula fosse o candidato.

A grande vítima do surto de moralismo burro, que nada tem a ver com o combate à safadeza, é o "centro". A razão é simples: é ele o protagonista, por excelência, da política. E a metafísica influente diz que a política é a mãe da corrupção.

Observem que os alvos da operação são as principais lideranças que governaram o país desde a redemocratização. Atenção! Nesse grupo, incluo o próprio Lula porque, ideologicamente, ele é bem mais amplo do que o PT. E que fique claro: falo do Lula governante, não daquele que era admirado pelo amestrado Marcelo Bretas...

Retomo, para arremate, o fio que deu origem à tessitura. Gente que conhece o MPF por dentro e pelo avesso assegura que os Torquemadas torcem é por Bolsonaro. Li trocas de mensagens de grupos do WhatsApp que são do balacobaco. E assim é não porque os senhores procuradores comunguem de sua visão de mundo - a maioria o despreza -, mas porque veem nele a chance de fazer ruir o "mecanismo", que estaria "podre".

Os extremistas do MPF, do Judiciário e da PF, onde o candidato é especialmente popular, concluíram que o "Rústico da Garrucha & dos Bons Costumes" lhes abre uma janela de oportunidades para impor a sua agenda. Querem ser, e isto é para valer, o "Poder Legislativo" de um regime que fosse liderado pelo bronco.

Não creio que logrem seu intento e, tudo o mais constante, estão cavando seu próprio fim como força interventora na política. Isso, em si, será bom. A questão é quem vai liderar o desmanche. Centro pra quê? Por enquanto, meus caros, o processo segue sem centro, sem eixo, sem eira nem beira. A instabilidade será longa.


 



Outras coberturas especiais


Guerra Hibrida Brasil

Guerra Hibrida Brasil

Última atualização 21 OUT, 12:30

MAIS LIDAS

Eleições

6
14 OUT, 01:00

Mensagens de um atentado