COBERTURA ESPECIAL - Ecos - Guerras, Conflitos, Ações - Defesa

09 de Maio, 2015 - 01:20 ( Brasília )

8 de maio - Dia da Vitória, Dia da Vergonha




Enquanto o mundo homenageia o sacrifício daqueles que garatiram um mundo livre da infâmia nazifacista, o Brasil afasta cada vez mais da memória nacional, os 25.445 brasileiros que lutaram pela vitória da liberdade. Se não fosse pelas solenidades conduzidas pelas Três Forças, o 8 de maio passaria ao largo do dia-a-dia dos brasileiros.

Pergunte a qualquer um na rua. Hoje mesmo, a um vizinho, ao seu colega de trabalho, ao porteiro de seu condomínio. Pior, pergunte aos seus filhos: Que dia é hoje? O que representa o dia 8 de maio?

A resposta que presumo que você irá obter, é fruto de dois escopos:

O escopo externo, que reflete a própria política externa brasileira. Uma política distorcida de um sofismático "paz e amor". A mesma que para defender a imagem de "país pacífico", leia-se dissociado dos acontecimentos e da agenda globais, prefere apagar da memória os navios torpedeados em sua costa, que conduziram ao sacrifício daqueles milhares de jovens que seguiram para lutar no estrangeiro em uma guerra sangrenta contra um projeto totalitário de supressão de direitos e da liberdade.

O escopo interno, que num esforço de reescrever a história, subtraiu até mesmo as disciplinas que nos faziam no passado reconhecer heróis pátrios e deles extrair inspiração para uma conduta social elevada. Não teria isto, alguma relação com a falta de vergonha espraiada, a corrupção institucionalizada?

Um povo sem a inspiração de heróis, um povo sem valores a serem perpetrados, um povo sem passado, é um povo no mínimo com futuro duvidoso.

O dia 8 de maio é o Dia da Vitória. Vitória esta que contou com o sangue, suor e lágrimas de brasileiros.

O dia 8 de maio é o Dia da Vergonha da Memória Apagada, que tenta, infame, varrer da lembrança de nosso povo, o sacrifício daqueles que nos deram por legado a liberdade. E pior, apagar em nossos corações a chama imortal do heroísmo de nossos ancestrais. O mesmo heroísmo que inspira ao cidadão comum a ser honesto, íntegro e responsável pelo bem da sociedade da qual é parte.

Ainda há uma esperança, nas crianças que cantam seus heróis. Que cantam as canções que eles cantaram quando enfrentaram seus medos, seus temores, seus desafios. Pois tinham por objetivo a conquista da Vitória do bem e da liberdade comum.

Pena que estas não sejam do Brasil.

Abaixo vídeo de solenidade na cidade de Montese, local de uma das mais violenta batalhas da FEB. Observe o entusiamo dos "bambini" em entoar a Cançao do Expedicionário. Local cidade de Montese, 25 Abril 2015.

Bravo Bambini.