COBERTURA ESPECIAL - DQBRN - Geopolítica

20 de Abril, 2017 - 11:40 ( Brasília )

Brasil é maior devedor da convenção de desarmamento da ONU

Potências enviaram carta para cobrar pagamento, enquanto iniciativa corre o risco de não poder nem manter suas reuniões

O Brasil é o maior devedor da Convenção da ONU para Armas Biológicas e Tóxicas, que proíbe o uso desses armamentos e tenta dissuadir governos a recorrer a ataques químicos ou biológicos. Dados obtidos pelo Estado revelam que o Brasil devia US$ 298,4 mil ao organismo. O governo brasileiro também é o maior devedor para todas as iniciativas de desarmamento da ONU, com uma dívida de US$ 550 mil. 

Há duas semanas, quando um ataque químico foi registrado na Síria, o Itamaraty apressou-se em condená-lo. “O Brasil reitera sua veemente condenação ao uso de armas químicas, sob quaisquer circunstâncias”, indicou o comunicado da chancelaria.

Nos bastidores, a situação é outra. Em 21 de março, os governos do Reino Unido, Rússia e EUA enviaram uma carta aos demais países alertando que a Convenção de Armas Biológicas e Tóxicas vivia uma situação urgente. “Fomos informados que diante da situação financeira, os funcionários terão seus contratos mantidos até o final de abril de 2017. Pedimos, portanto, a todos os países que paguem suas contribuições”, alertaram.

“Sem uma solução, as estruturas e decisões tomadas estarão ameaçadas”, disse. A falta de dinheiro pode ainda afetar a próxima reunião, marcada para dezembro de 2017. Os governos não excluem a possibilidade de um cancelamento.

No total, o déficit registrado pela Convenção era de US$ 379 mil, de um orçamento previsto para US$ 1,1 milhão em 2017. Do total desse buraco, o Brasil representa 78% da dívida, quatro vezes mais que o segundo colocado, o Japão.

A crise forçou alguns países a pagar mais que o acordo estabelecido para garantir que o mecanismo continuasse funcionando. No caso dos EUA, a contribuição acima de sua obrigação foi de US$ 249 mil, 77% acima do exigido. O mesmo foi feito pela Arábia Saudita.

Mas o calote brasileiro não se limita a uma das convenções. No total, o País deve mais de US$ 550 mil para todas as iniciativas de desarmamento da ONU.

Ao todo, a dívida do Brasil chegou a ser de mais de US$ 3 bilhões com as entidades internacionais ao final do governo de Dilma Rousseff. José Serra, então chanceler do governo Michel Temer, prometeu resolver a crise. Mas isso tampouco ocorreu.

No que se refere às Armas Biológicas, o Brasil repetidamente vem dando um desfalque desde 2012. No caso da Convenção de Armas Convencionais, a dívida do governo brasileiro persiste desde 2011.

Desde 2010, a dívida acumula-se também na Convenção Anti-Minas, em um total de US$ 91 mil. O Estado apurou que, em algumas secretarias, circulou a ideia no ano passado de suspender a contratação de novos funcionários brasileiros enquanto as contas não fossem pagas.

Resposta. Ao Estado, o Itamaraty indicou que uma resposta em relação à dívida não caberia à chancelaria e um grupo foi criado em 2015 para lidar com as contribuições atrasadas do Brasil na ONU. “A respeito do pagamento de contribuições brasileiras junto a organismos internacionais deve ser consultada a Comissão Interministerial de Participação em Organismos Internacionais (Cipoi), com Secretaria-Executiva no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão”, indicou.

Procurado, o Ministério do Planejamento afirmou que apenas tinhas dados até 2014. "Com relação à Convenção sobre a Proibição do Desenvolvimento, Produção e Estocagem de Armas Bacteriológicas (Biológicas) e a Base de Toxinas e sua Destruição (CPAB), as informações disponíveis indicam que o País possui pagamentos atrasados da ordem de US$ 164,9 mil, que contemplam até o ano de 2014", indicou. "O Ministério do Planejamento não possui registro de informações sobre as contribuições de 2015 a 2017", explicou.

Ainda assim, o governo garante que pagará suas dívidas. "A estratégia de regularização desses pagamentos se insere na programação orçamentária de 2017, onde existe previsão de recursos", completou.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Especial MOUT

Especial MOUT

Última atualização 18 AGO, 21:00

MAIS LIDAS

DQBRN