COBERTURA ESPECIAL - Doutrina Militar - Terrestre

06 de Outubro, 2017 - 09:50 ( Brasília )

Curso de comandante de sub-unidade integrada (ISUC) - África do Sul


Bernardo Hoffmann Schmidt – Cap Chefe da 1ª Seção do 1º RCC
Ádamo Luiz Colombo da Silveira – Cel Comandante do CIBld

Este artigo tem por finalidade expor as lições aprendidas por militar do Exército Brasileiro durante a realização de curso no exterior, apresentando aspectos referentes ao Curso de Comandante de Subunidade Integrada, bem como a estrutura organizacional e alguns produtos de defesa do Exército Sul-africano.

O Curso de Comandante de Subunidade Integrada (Integrated Sub-Unit Commander Course – ISUC) tem a duração aproximada de 3 (três) meses, sendo realizado no South African Army Combat Training Centre (SA Army – CTC), localizado em Lohatla-NC, uma base de treinamento do Exército Sul-africano.

O curso é realizado 3 (três) vezes ao ano, tendo como público-alvo, em geral, capitães das armas, quadros e serviços do exército sul-africano que estejam no quadro de acesso ao posto de Major.

O efetivo de alunos varia em torno de 70 (setenta) militares. O ISUC é subdividido em duas fases: teórica e prática. A conclusão das duas fases com aproveitamento é obrigatória somente para os militares das armas combatentes (infantaria, cavalaria, artilharia, inteligência, artilharia antiaérea, engenharia, etc). Para as armas de apoio (logística, manutenção, cozinha, pessoal, advocacia, etc) a conclusão da primeira fase com aproveitamento já habilita o militar a promoção a major.

A primeira fase é destinada à teoria e revisão de conhecimentos, com uma duração de 8 (oito) semanas, e a segunda fase destinada à prática com a integração dos cursos de Estado-Maior (Junior Command and Staff Duties – JCSD) e o curso de Sargentos (Senior Non-Commissioned Operational Duties Course – NCO Ops Duties). Tem duração de 4 (quatro) semanas.

Na primeira fase, são ministradas instruções de conhecimento geral sobre as operações ofensivas e defensivas, instruções do emprego das armas, quadros e serviços em combate, instruções acerca de operações de paz, guerra química, biológica, radiológica e nuclear, além de instruções de trabalho de comando.

Na segunda fase, o foco é o trabalho de comando com execução de operações militares, em que pode se destacar o planejamento integrado do Estado-Maior de Unidade seguido do planejamento do Comando da Subunidade e da organização do apoio logístico pelos NCO’s.

Para os oficiais Sul-africanos há um recesso escolar entre a primeira e segunda fase de 4 (quatro) semanas.

Durante a fase prática de operações, pode-se observar a grande integração que possuem as Forças Armadas da África do Sul (South Africa National Defense Force – SANDF), facilitada pelo emprego do mesmo material rádio e das técnicas de exploração das comunicações em todas as unidades das forças armadas.

Fruto disso, as ligações entre as armas, o apoio logístico, a Força Aérea e a coordenação do exercício foi impecável. Durante as operações, cabe salientar o apoio de material e pessoal: 1 (um) Batalhão de Infantaria com 3 (três) companhias de infantaria mecanizada, dotadas de viaturas Ratel 60, Ratel 90, e Ratel PC; 1 (um) Esquadrão de Cavalaria com 1 (um) Pelotão de Reconhecimento, dotado de viaturas Rooikat, e 1 (um) Pelotão de Carros de Combate, com viaturas Olifant Tank Mk1; 1 (uma) companhia de Forças Especiais que participaram de um reconhecimento avançado; além dos apoios da Força Aérea com um helicóptero Rooivalk, que fez todo o suporte aéreo em combate, e uma aeronave Oryx que fez o transporte de tropas de infantaria até a margem oposta do rio onde ocorreria a transposição do curso d’água.

O Exército da República da África do Sul tem sua estrutura organizacional dividida em Organizações Militares (OM) componentes do serviço militar ativo ou integrantes da reserva mobilizável.

As OM da reserva possuem uma estrutura física, comandante nomeado, estadomaior completo e um efetivo de militares destinados às tarefas básicas.

Além disso, as OM da reserva não são dotadas de material de emprego militar, trabalham em meio período (por isso seus vencimentos não são integrais) e seus integrantes podem exercer atividade paralela.

O ensino militar bélico se inicia no treinamento básico que é igual para todos os integrantes do exército. Após o período básico, conforme desempenho individual e a seleção feita pelos instrutores, o militar é designado para a Escola de Oficiais, Escola de Sargentos ou como soldado para a formação em algum dos centros de formação específico.

Após a formação na Academia ou Escola Militar, todo curso realizado na esfera da arma, quadro ou serviço é ministrado em estabelecimento de ensino específico da respectiva área.

As Forças Armadas Sul-africanas são bem estruturadas com materiais de emprego militar desenvolvidos pela própria indústria sul-africana, o que facilita sobremaneira o apoio logístico das tropas.

As Forças Armadas Sul-africanas são ativos integrantes das operações de paz da Organização das Nações Unidas no continente africano. A participação de um oficial num curso de aperfeiçoamento em outra Força Armada reveste-se de fundamental importância para a valorização da dimensão humana do nosso Exército, bem como propicia grande enriquecimento profissional ao militar e à instituição.

AÇO!


VEJA MAIS