COBERTURA ESPECIAL - Especial DitaBranda

18 de Agosto, 2017 - 14:30 ( Brasília )

MPF - Brasil Nunca Mais Digit@l

Campanha divulga site que reúne documentos sobre violações de direitos durante a ditadura



"Não deixe a história desaparecer, muito menos se repetir” – esse é o slogan da campanha lançada nesta terça-feira (15) pelo Ministério Público Federal (MPF) para divulgar o sítio eletrônico Brasil: Nunca Mais Digit@l.

O site reúne o acervo do projeto Brasil: Nunca Mais e disponibiliza na internet mais de 850 mil páginas de processos judiciais movidos contra presos políticos durante a ditadura militar. Os documentos históricos foram digitalizados, tratados e indexados por meio de ferramenta de busca, o que permite a pesquisa e a consulta de termos no interior dos arquivos.

Além dos processos do Superior Tribunal Militar (STM), a base de dados disponível inclui documentos históricos do Conselho Mundial de Igrejas e da Comissão de Justiça e Paz de São Paulo.

O site BNM Digit@l também conta a história do projeto Brasil: Nunca Mais, desenvolvido pelo Conselho Mundial de Igrejas e pela Arquidiocese de São Paulo, sob a coordenação do Reverendo Jaime Wright e de Dom Paulo Evaristo Arns. O Brasil: Nunca Mais é a mais ampla pesquisa realizada pela sociedade civil sobre a tortura política no país.

“O projeto teve três principais objetivos: evitar que os processos judiciais por crimes políticos fossem destruídos com o fim da ditadura militar, tal como ocorreu ao final do Estado Novo; obter informações sobre torturas praticadas pela repressão política; e divulgar essas informações e documentos, para fomentar a discussão e cumprir um papel educativo junto à sociedade brasileira”, explica um dos coordenadores do projeto, Marlon Alberto Weichert, procurador regional da República na 3ª Região.

Antes do fim da ditadura, advogados e ativistas em direitos humanos trabalharam sigilosamente, fazendo cópias em xerox de todos os processos em tramitação do STM, muitos dos quais comprovavam as torturas e outras violações de direitos durante o regime militar. Foram cinco anos de trabalho.

As mais de 850 mil páginas de processos copiadas foram microfilmadas e enviadas ao exterior. O resultado foi a publicação de um relatório e um livro em 1985. O sucesso da publicação continua influenciando gerações e impulsionou o compromisso do Estado brasileiro com o enfrentamento à tortura.

Acervo na internet – Os 543 rolos de microfilmes do projeto estavam nos Estados Unidos e, em 2011, foram repatriados a pedido do Ministério Público Federal. Começou então o trabalho de disponibilizar todo esse conteúdo na internet.

O BNM Digit@l é um projeto idealizado pelo MPF em parceria com o Armazém Memória e com o Arquivo Público do Estado de São Paulo. Além disso, contou com o apoio de mais de 15 entidades comprometidas com a promoção dos direitos humanos e dezenas de colaboradores.

Os documentos históricos foram digitalizados, tratados e indexados por meio de ferramenta de busca e disponibilizados no site do projeto em 2013. Agora, o site foi reformulado e ganhou versão mais atualizada e moderna, com tradução do conteúdo para o inglês e para o espanhol. Veja aqui a história completa do projeto.

A campanha – A campanha do MPF é composta por vídeo de 30 segundos, que será veiculado na redes sociais e em emissoras de tevê públicas e privadas, spot de rádio e posts para redes sociais. O objetivo é estimular o acesso ao site e, assim, preservar a memória de um momento crucial da história brasileira. Toda veiculação da campanha será feita mediante parceria (sem compra de espaço publicitário).

 


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Vant

Vant

Última atualização 22 SET, 16:00

MAIS LIDAS

Especial DitaBranda