COBERTURA ESPECIAL - Dossiê EMBRAER - Aviação

24 de Janeiro, 2019 - 11:22 ( Brasília )

EMBRAER - BOEING terá acesso a crédito do BNDES

O presidente da EMBRAER, Paulo Cesar de Souza e Silva anunciou no Forum Economico de Davos que BOEING terá financiamento do BNDES


 

Assis Moreira
Davos - Suíça


O presidente da Embraer, Paulo Cesar de Souza e Silva, prevê que o contrato da operação com a Boeing será finalizado nos próximos dias. Ele acredita que a fabricante americana, ao produzir no país, poderá ter acesso ao financiamento do BNDES.

Em entrevista ao Valor, o executivo disse que o contrato da operação entre as duas companhias está sendo finalizado, talvez na semana que vem. Logo depois vai ser convocada uma assembleia geral extraordinária para submeter a operação para a aprovação final pelos acionistas.

O passo seguinte será a discussão com as autoridades de concorrência dos EUA, Brasil, União Europeia (UE), China e Africa do Sul. A expectativa é de que esse procedimento esteja concluído no quarto trimestre deste ano ou no começo do ano que vem.



Souza e Silva, da EMBRAER, estima que negócio com a Boeing será concluído no último trimestre do ano ou começo de 2020


Segundo o executivo, a definição dos cargos no comando da nova empresa, estrutura e organização não serão definidos agora, e sim "um pouco mais tarde".

Sobre a questão de financiamento, Souza e Silva observou que, com a BOEING fabricando aviões em São José dos Campos, terá acesso aos financiamentos de exportação do BNDES. As condições do crédito são estabelecidas pelas regras da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Economico (OCDE) por um acordo setorial entre fabricantes aeronáuticos.

A EMBRAER é uma das principais tomadoras de recursos do BNDES.

A finalização do contrato de BOEING com EMBRAER coincide com a desaceleração das maiores economias, principalmente EUA e China, grandes mercados das fabricantes de aviões.

Para Souza e Silva, porém, a desaceleração não afeta os planos da companhia. "Estamos vendo há anos o setor de transporte aéreo mundial crescendo 5% a 7% ao ano. Talvez agora cresça 6%, mas está bastante forte e não acredito que, se vier desaquecimento, seja algo forte ou de longo prazo. Não é um colapso. Nada que possa nos impactar muito fortemente."

Indagado sobre a contradição entre política externa contra a globalização e planos econômicos de abertura ao mundo no governo Bolsonaro, o executivo diz não ver choques. "O presidente Bolsonaro e o ministro [Paulo] Guedes explicaram bem em Davos, acho que não existe essa politica contra a globalização. Eles estão abertos a ter relações com todos os paises."

Souza e Silva, que é um dos debatedores no Fórum Econômico Mundial, considera que Bolsonaro em Davos apresentou planos claros e a reação tem sido positiva por parte de grandes executivos com quem conversou.

"A perspectiva do Brasil é muito positiva. Com as reformas que o governo está elaborando, vão dar uma dimensão nova ao Brasil e colocar o país numa rota de sustentabilidade e crescimento", afirmou. Segundo o executivo, empresários estrangeiros acham que a agenda de Guedes é o que o Brasil deve ter e agora a questão é a execução.

Souza e Silva, da Embraer, estima que negócio com a Boeing será concluído no último trimestre do ano ou começo de 2020



Outras coberturas especiais


LAAD 2019

LAAD 2019

Última atualização 22 ABR, 12:00

MAIS LIDAS

Dossiê EMBRAER