COBERTURA ESPECIAL - Dossiê EMBRAER - Aviação

07 de Fevereiro, 2018 - 10:30 ( Brasília )

Embraer diz que continua negociando com Boeing e o governo brasileiro melhor estrutura de aliança


A Embraer SA, as autoridades brasileiras e a Boeing ainda estão em negociações para uma possível combinação entre as duas fabricantes de aeronaves, disse um alto funcionário da Embraer na quarta-feira.

Falando no Singapore Airshow, o presidente da unidade de aviação comercial da Embraer, John Slattery, disse em uma coletiva de imprensa que a Embraer ainda não recebeu uma proposta da Boeing.

“O único motivo para isso é que as partes continuam a trabalhar na identificação de estruturas que possam funcionar”, disse ele.

Já a Boeing disse que as principais questões para a formação da parceria ainda estão sendo negociadas, e enfatizou que o preço deve fazer sentido para todos os interessados.

“Nossas conversas continuam avançando de forma produtiva, mas há questões-chave que permanecem”, disse Phil Musser, vice-presidente sênior de comunicações da Boeing, à Reuters.

“Conforme observado durante a conferência sobre os resultados, esta é uma combinação vencedora, mas não é uma ‘necessidade’ para a Boeing. Os termos finais e o preço devem gerar o melhor valor para os nossos clientes, investidores e países para fornecer uma ótima plataforma para sucesso”, disse ele em uma entrevista no Singapore Airshow.

O acordo Embraer-Boeing será bom para o Brasil?

Em 21 de dezembro último foi noticiado que a Embraer, nossa empresa fabricante de aeronaves, e a Boeing estariam em negociações para uma possível parceria. Antes de tomar um lado, a favor ou contra, vamos lembrar dois pontos importantes sobre o assunto.

O primeiro ponto é sobre o mercado de aviação. Inserido como meio de transporte indispensável, rápido e seguro, o único que permite às pessoas conhecerem e fazerem negócios no mundo todo, este mercado em expansão está em constante mudança. Hoje o mercado americano é o maior do mundo, mas vem sendo alcançado pela China, que absorve centenas de aeronaves novas a cada ano, e que transportou, só em aeronaves da Embraer em 2017, mais de 17 milhões de passageiros.

Dois grandes players dominam o jogo dos fabricantes de aeronaves, a Boeing e a Airbus. A Airbus é um consórcio europeu, que atingiu o status da sua concorrente Boeing e com ela vem travando intensa disputa pelo mercado. A Boeing, por sua vez, cresceu adquirindo outras empresas fabricantes e reinava absoluta, até a chegada da Airbus. Logo atrás destas vem a Bombardier, canadense, e a Embraer, brasileira, que cresceram vendendo aeronaves menores, destinadas à aviação regional, aviação executiva e também uma parcela de aeronaves militares.

O segundo ponto a ser notado, é a relevância da Embraer para o Brasil. Fruto do dinamismo e competência de pessoas como Ozires Silva, que a criou em 1969, é ela hoje um dos símbolos da capacidade do país em competir com tecnologia de ponta no mercado internacional, seus aviões estão hoje voando nos cinco continentes. Mais do que isso, a Embraer participa ativamente em diversos programas do governo brasileiro, como o de satélites de comunicação, controle das fronteiras e desenvolvimentos de sistemas. Tem sido, também, desenvolvedora de aeronaves para a Força Aérea Brasileira desde os primórdios.

Assim, esse ponto a coloca em uma situação de ser considerada estratégica para o país. Não só pelo número de empregos, mais de 20 mil, e pela forte exportação de produtos manufaturados, mas pela capacidade tecnológica que mantém e desenvolve com pessoal técnico brasileiro. Desta forma, qualquer acordo com a gigante americana precisa de salvaguardas, como o poder de veto do governo brasileiro, de modo a garantir que a parceria seja uma injeção de força na empresa.

Experiências anteriores mostram nestas associações uma prevalência da maior sobre a menor e, eventualmente, uma subordinação, que não nos interessa de forma alguma. Nesse caso, seria a perda da autonomia no controle e decisão, além de perda de poder do país. Por outro lado, a simples refusa a um acordo pode gerar um ambiente agressivo das demais empresas, incluindo a Boeing, que poderiam colaborar para combatê-la.

Se bem realizado, com um pouco de audácia e muita firmeza no formato, o acordo pode nos trazer uma situação bastante favorável, como crê o fundador da empresa, Ozires Silva, que se pronunciou favoravelmente a este respeito. E cuja opinião, sempre bem fundamentada, deve ser sempre considerada.

Eu, Fábio Augusto Jacob sou Coronel Aviador da reserva da Força Aérea Brasileira, coordenador e professor da Academia de Ciências Aeronáuticas Positivo (ACAP) da Universidade Positivo (UP).

¹Com Jornal Dia a Dia / Fábio Augusto Jacob Publicada Em 06/02/18


VEJA MAIS