COBERTURA ESPECIAL - Cyberwar - Segurança

19 de Abril, 2019 - 10:25 ( Brasília )

19,54% dos usuários de PCs domésticos no Brasil estão sob risco de ameaças cibernéticas

Criado a partir do banco de dados de detecção de ameaças da Avast, o Relatório Global de Riscos para PCs 2019 revela os perigos digitais para computadores domésticos e corporativos.

A Avast, líder global em produtos de segurança digital, revelou que os usuários domésticos de computadores com Windows 7, 8 e 10 têm 20% de chance de encontrar qualquer tipo de ameaça em seus PCs. O Afeganistão, o Irã e a China estão no topo da lista dos países onde os usuários de PCs residenciais estão mais expostos a riscos.

A China figura ainda no terceiro lugar da lista com países onde as empresas têm maior probabilidade de encontrar uma ameaça cibernética, tendo o Paquistão na primeira posição e o Vietnã na segunda.

O Relatório Global de Riscos para PC 2019 da Avast analisou informações do banco de dados de detecção de ameaças da companhia.

O estudo apontou que os usuários domésticos do Windows 10 são os mais propensos a encontrar um "ataque avançado", definido como uma nova ameaça, ou seja, ainda não vista antes da mesma ser projetada para burlar tecnologias comuns de proteção de software de segurança, como filtragem de URL, verificação de e-mail, assinaturas, heurísticas e emuladores.

Com base nos dados analisados, a versão mais segura do Windows parece ser o Windows Vista, provavelmente devido ao fato do seu uso no mundo todo *ter caído para cerca de 2%, tornando-o um alvo pouco atraente para os cibercriminosos.

Os usuários domésticos do Windows Vista têm uma taxa de risco de ameaça abaixo de 10% para todas as ameaças e uma taxa de risco de 1,6% para ameaças avançadas. O mesmo acontece com os usuários corporativos, onde os usuários do Windows Vista têm 7% de chance de encontrar qualquer tipo de ameaça e 1% de chance de encontrar ameaças avançadas.

“Os cibercriminosos criam ameaças que aproveitam as atividades realizadas pelos usuários domésticos e apostam que os consumidores estão menos conscientes sobre segurança digital”, disse Luis Corrons, Evangelista de Segurança da Avast. “Por outro lado, as empresas geralmente têm políticas de navegação restritivas e equipes de TI dedicadas em manter as redes seguras. Em casa, sem perceber, podemos nos envolver com atividades online muito mais arriscadas e sem ter o mesmo nível de proteção”.


Brasil tem infecções pendentes em 19,54% dos computadores domésticos e em 14,78% dos computadores corporativos

De acordo com o relatório da Avast, 19,54% dos computadores domésticos no Brasil correm risco de qualquer tipo de infecção. Também há 7,26% dos usuários residenciais com risco serem vítimas de uma ameaça avançada.

Na comparação com os usuários corporativos, o percentual de computadores de empresas brasileiras que estão sob risco de qualquer tipo de ameaça é de 14,78% e de 3,83% com risco para ameaças avançadas. O estudo da Avast traz ainda o percentual de risco de ameaças para PCs por Estado brasileiro.

A lista traz o Maranhão no topo com 23,94% de PCs residenciais com risco para todas as ameaças. Já Alagoas está na liderança com 9,15% de computadores domésticos sob risco de ameaças avançadas.

Com relação às empresas, à frente está o Estado do Amazonas com 20,73% com risco para qualquer tipo de ameaça em PCs corporativos e o Mato Grosso com 4,9% de chance das empresas encontrarem ameaças avançadas.



 

Os dez principais países com casas que têm maior risco de encontrar qualquer tipo de ameaça cibernética, são:

  1. Afeganistão (38,73%)

  2. Irã (37,49%)

  3. China (37,27%)

  4. Etiópia (35,7%)

  5. Palestina (34,66%)

  6. Egito (34,41%)

  7. Vietnã (33,37%)

  8. Madagascar (32,73%)

  9. Laos (32,44%)

  10. Myanmar (32,17%)

Os dez países com empresas que correm maior risco de combater qualquer tipo de ameaça, são:

  1. Paquistão (36,15%)

  2. Vietnã (35,56%)

  3. China (31,59%)

  4. Indonésia (29,53%)

  5. Coreia do Sul (28,15%),

  6. Filipinas (25,90%)

  7. Catar (24,93%)

  8. Venezuela (24,43%)

  9. Malásia (22,99%)

  10. Peru (22,86%)



Metodologia

Os dados incluídos neste relatório representam as ameaças contra as quais a Avast protegeu seus usuários de PC, durante o segundo semestre de 2018. Especificamente, essas ameaças foram bloqueadas pela Avast entre 11 de agosto e 9 de setembro de 2018.

Os dados foram coletados da rede de detecção de ameaças da Avast. Para fornecer dados estatisticamente relevantes, este relatório incluiu dados de países, territórios e regiões com um tamanho de amostra de pelo menos 10.000 computadores pertencentes a usuários domésticos, os quais encontraram ameaças durante o mês em que coletamos as informações, e de pelo menos 1.000 computadores usados por empresas.

O levantamento traduz o total de ameaças e ameaças avançadas, avaliando a taxa de risco para usuários domésticos e corporativos em todo o mundo. Para o cálculo das taxas de risco para este relatório, dividimos o número de computadores nos quais pelo menos uma ameaça foi bloqueada, por uma das camadas de proteção da Avast, pelo número total de computadores ativamente protegidos pela Avast dentro do período de 30 dias.

A equipe do Laboratório de Ameaças da Avast está constantemente identificando e bloqueando ataques de malware cada vez mais sofisticados, a maioria dos quais foi criada especificamente para infectar os sistemas operacionais Windows.


VEJA MAIS