COBERTURA ESPECIAL - Cyberwar - Geopolítica

22 de Janeiro, 2019 - 10:50 ( Brasília )

Alemanha considera excluir Huawei da expansão da rede 5G

Empresa é acusada de proximidade com o Estado chinês e facilitar a espionagem cibernética. Berlim estuda seguir aliados do Ocidente e até alterar legislação de telecomunicações.

O governo da Alemanha está debatendo se vai seguir o exemplo de aliados, como Estados Unidos e Austrália, e banir a empresa chinesa de telecomunicações Huawei de participar da expansão e de ter acesso a suas futuras redes de telefonia móvel 5G por questões de segurança.

Alguns países do Ocidente baniram a Huawei de seus mercados depois que autoridades americanas informaram países aliados de que a Huawei estaria às ordens do Estado chinês e alertaram que seus equipamentos de rede podem conter chamadas backdoors (porta dos fundos – método de escapar de uma autenticação ou criptografia num sistema computacional), que poderiam ser usadas para espionagem cibernética.

A empresa chinesa de telecomunicações tem afirmado que tais preocupações e acusações são infundadas. Mas Austrália e Nova Zelândia já excluíram a Huawei da expansão da rede 5G em seus países. Noruega e Polônia estão considerando fazer o mesmo.

Embora nenhum passo concreto tenha sido decidido, o diário alemão Handelsblatt relatou nesta quinta-feira (17/01) que o governo da chanceler federal Angela Merkel estaria considerando ativamente implementar requisitos mais rígidos de segurança e outras formas de excluir a Huawei.

Autoridades alemãs têm discutido criar padrões de segurança que a Huawei não conseguiria alcançar ou fornecer e, dessa forma, bloquear na prática sua participação no desenvolvimento de uma rede 5G no país. Segundo o Handelsblatt, mudanças na legislação alemã de telecomunicações também estão sendo consideradas como último recurso.

Em resposta a um questionamento da parlamentar Katharina Droege, do oposicionista Partido Verde, o Ministério do Interior da Alemanha afirmou que nenhuma decisão foi tomada. "O processo de alcançar um consenso sobre medidas concretas não foi concluído", limitou-se a declarar o ministério.

Indústria rejeita exclusão da Huawei

A expansão da rede 5G é um custoso empreendimento mesmo para a poderosa economia alemã. Em entrevista à DW, o professor de economia de telecomunicações da Universidade de Duisburg-Essen, Torsten Gerpott, afirmou que os custos finais ainda não podem ser previstos, mas estimou o total de investimentos nos próximos 20 anos entre 30 bilhões e 80 bilhões de euros.

Embora a Huawei seja considerada a favorita, ainda não está claro qual empresa ficará responsável pela expansão da rede 5G na Alemanha. Embora a Huawei seja líder no mercado, ela faz parte de um grupo de três concorrentes, ao lado da sueca Ericsson e da finlandesa Nokia. "Estas três compartilham entre 80% e 85% do mercado de equipamentos de rede 5G", disse Gerpott.

A Federação das Indústrias Alemãs (BDI) retrucou que nenhum concorrente deve ser excluído por uma simples suspeita de ameaça à segurança. "Se há alguém que faz tais suposições, então ele também tem o dever de provar essas conjecturas", disse o presidente do BDI, Dieter Kempf.

Além disso, segundo Kempf, a exigência de que nenhuma empresa estrangeira esteja envolvida no projeto é completamente descabida, pois não existe na Alemanha um fabricante nacional de renome e tamanho que consiga prover a dimensão e qualidade necessárias. De acordo com Kempf, as empresas alemãs ficaram para trás.

Batalha por supremacia tecnológica

A Europa se tornou um campo de batalha crucial na disputa comercial entre Pequim e Washington – um duelo que, segundo analistas, pode determinar qual das duas superpotências terá a supremacia tecnológica no século 21.

Nesta quarta-feira, a imprensa dos EUA relatou que Washington iniciou investigações criminais contra a empresa chinesa por suspeita de espionagem. Apenas essa medida já retira a Huawei do mercado de tecnologia e equipamento de rede dos Estados Unidos.

Por causa da suspeita de autoridades americanas, a diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi detida no Canadá em dezembro. Ela teria violado o boicote comercial estipulado pelo governo americano contra o Irã.

Depois da prisão da empresária, que também é filha do fundador da Huawei Ren Zhengfei, dois cidadãos canadenses foram detidos na China, no que foi considerado uma ação de retaliação por parte de Pequim. Além disso, a sentença de um canadense encarcerado na China por contrabando de drogas foi convertida em pena de morte há alguns dias – ele corre o risco de ser executado.

EUA pedirão formalmente extradição de executiva da Huawei ao Canadá, diz embaixador a jornal¹

Os Estados Unidos irão prosseguir com a extradição formal da executiva Meng Wanzhou, da empresa chinesa de tecnologia Huawei, que foi presa pelo Canadá, afirmou o embaixador canadense nos EUA, David MacNaughton, ao jornal Globe and Mail

 

Em reação, a China prometeu responder às ações de Washington. MacNaughton, em entrevista ao jornal canadense publicada na segunda-feira, disse que os Estados Unidos disseram ao Canadá que irão solicitar a extradição de Meng, mas o embaixador não disse quando o pedido será feito.

O prazo para apresentar a solicitação é o dia 30 de janeiro, 60 dias depois da prisão de Meng no dia 1º de dezembro em Vancouver. Meng, filha do fundador da Huawei Technologies HWT.UL, Ren Zhengfei, foi presa a pedido dos Estados Unidos por supostas violações de sanções norte-americanas contra o Irã. Ela foi solta mediante pagamento de fiança no mês passado e tem uma audiência marcada em Vancouver no dia 6 de fevereiro.

As relações entre a China e o Canadá têm se desgastado após a prisão, com Pequim detendo dois cidadãos canadenses e condenando à morte um canadense anteriormente considerado culpado de tráfico de drogas.

A China não relaciona nenhum dos casos dos três canadenses à prisão de Meng, mas tem advertido sobre graves consequências se ela não for imediatamente liberada. Diplomatas do Ocidente e ex-diplomatas canadenses têm dito não ter nenhuma dúvida de que os casos estão relacionados.

A Huawei, a maior fabricante de equipamentos de telecomunicações do mundo, disse não ter comentários sobre procedimentos legais em andamento, em resposta a solicitação de comentário feita pela Reuters nesta terça-feira.

Um porta-voz do Departamento de Justiça dos EUA disse: “Nós iremos comentar através de nossas petições”. O Departamento de Justiça do Canadá não respondeu de imediato a pedido por comentário feito fora do horário normal de funcionamento.

O Ministério de Relações Exteriores da China reiterou, nesta terça-feira, o pedido pela liberação imediata de Meng e disse que o caso da executiva claramente “não é um caso judicial normal”.

Qualquer um com bom julgamento determinaria que o Canadá cometeu um “grave erro” nesta questão, disse a porta-voz do ministério Hua Chunying durante coletiva de imprensa. “O Canadá e os Estados Unidos arbitrariamente abusaram de seu tratado de extradição bilateral para violar gravemente a segurança e os direitos legais de uma cidadã chinesa”, disse Hua.


VEJA MAIS