COBERTURA ESPECIAL - Crise - Geopolítica

11 de Agosto, 2017 - 13:00 ( Brasília )

"Forbes": Rio de janeiro é um desastre

Revista ironiza: "dias de glória da cidade estão tão longe quanto a lua"

Editorial da revista norte-americano Forbes publicado nesta quinta-feira (10) analisa que o Rio de Janeiro deveria ser a Oslo da América do Sul, ou seja, comparou a importância da "cidade maravilhosa" com a belíssima e super civilizada capital da Noruega.

Forbes questiona: o que aconteceu?

Com todo esse petróleo e gás sob o oceano da costa, o Rio de Janeiro não só foi abençoado pelos deuses do bom tempo e das paisagens românticas, mas também pelos deuses do petróleo e isso, eventualmente, significa dinheiro, observa o artigo.

O governo, liderado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e alguns bilionários intrépidos como Eike Batista, teve grandes sonhos. Todo esse óleo de águas profundas transformaria a Petrobras e, finalmente, o Rio em uma mini-Oslo, um lugar onde as mentes brilhantes do desenvolvimento do óleo e pré-sal oferecem formas acessíveis e seguras para tirar ouro preto do mar. Os navios seriam construídos. Toda uma indústria marítima nasceria nesta amada cidade da bossa nova e do samba; Uma cidade onde cerca de 500.000 vivem em favelas.

Em 2007, a FIFA declarou que o Brasil iria sediar a Copa do Mundo em 2014. Foram prometidos novos estádios, incluindo uma revitalização do Maracanã no Rio de Janeiro, lembra Forbes.

O texto lembra que em outubro de 2009, o Comitê Olímpico Internacional escolhe o Rio de Janeiro para sediar as Olimpíadas de 2016, superando cidades ricas como Tóquio, Madri e até Chicago, que veio com o apoio do popular presidente Barack Obama.

Obama apoiou Lula, a quem chamou de "meu homem". A classificação de aprovação de Lula era de cerca de 80% naquele momento.

Em um país cujas elites muitas vezes estão ansiosas para provar que são tão boas quanto os EUA, Lula estava inflando seus egos com o reconhecimento do Brasil no mundo.

Aqueles dias são agora para o Rio, tão distante quanto a lua.

O Rio de Janeiro é basicamente um desastre. Está à beira da falência e requer resgates federais para manter as luzes ligadas e pagar seus funcionários públicos, muitos dos quais tiveram que trabalhar semanas em hospitais estaduais e outros empregos da cidade com atraso no pagamento.

O ex-governador do estado, Sergio Cabral, está na prisão.

Lula criou uma empresa chamada Sete Brasil; Um construtor de navios que faria plataformas flutuantes para a Petrobras e outras que perfuram águas profundas. Está falida.

Eike Batista construiu navios e teve uma empresa de petróleo completa com financiamento do banco de desenvolvimento do governo, o BNDES. Todos dobraram. Batista não é mais um bilionário. Deus sabe o que faz com ele todos os dias, além de conversar com seus advogados e lidar com acionistas descontentes.

O Maracana, um dos ícones da cidade, está uma bagunça desconcertada, vergonhosa e embaraçosa. Foi parcialmente de propriedade da Odebrecht, também conhecido como inimigo público n.°1, no que se refere ao escândalo da Petrobras e o presidente da Odebrecht está na cadeia.

Uma assombrosa onda de crime atravessa a cidade. O governo federal convocou as forças armadas para abater as gangues nas favelas. Entre julho e dezembro de 2016, foram registrados 68 mil assaltos à mão armada no Rio, uma média de 340 por dia. Aqueles com dinheiro estão saindo da cidade. Alguns estão indo embora do país, seguindo para Miami, Fort Lauderdale e Palm Beach.

O uso de drogas na cidade está em alta, facilitando o aumento de pequenos crimes. Em 2015, a polícia realizou três vezes mais detenções relacionadas à droga do que em 2008, de acordo com o Instituto de Segurança Pública e o Governo do Estado do Rio de Janeiro.

Cerca de 38 prisões foram feitas por dia para conter o tráfico de drogas no Rio, em 2015, em torno de 50% a mais que em 2008, segundo dados do governo. Esse foi um dos piores anos registrados, levando a uma repressão policial que começou no ano passado e se tornou cada vez mais violenta este ano.

Rio é o lar da empresa estatal mais importante do Brasil, a Petrobras. É imperativo que o Rio atue em conjunto. Isto é como um barômetro do que está acontecendo no terreno em todo o Brasil.

Talvez em um futuro não tão distante, o homem, o mito, que trouxe ao Rio tão boa notícia, o próprio Lula da Silva, pode estar no mesmo lugar que Sergio Cabral, ironiza Forbes.

E por isso, o futuro do Rio parece triste. Tão triste como a vida dos políticos presos por negligência e corrupção, que fizeram o o Rio de Janeiro explodir ás custas do dinheiro público. O Rio nunca será a Oslo sul-americano. Esqueça isso, finaliza Forbes.


VEJA MAIS