COBERTURA ESPECIAL - Crise Militar - Terrestre

20 de Setembro, 2017 - 11:00 ( Brasília )

General Villas Bôas diz acreditar no Brasil: ‘Um país com um potencial como o nosso é claro que tem jeito’

No ‘Conversa com Bial’, comandante do exército fala de sua carreira e sua luta contra uma doença neuromotora degenerativa


Resumo do G1
Cobertura do Twitter @DefesaNet



O general Eduardo Villas Bôas dividiu parte de sua rotina e sua experiência no comando do exército no Conversa com Bial desta terça-feira (19/9), com a participação especial de sua filha, Adriana Villas Bôas, estudante de psicologia.

O general foi recebido com um discurso caloroso de Pedro Bial e comentou a entrada das mulheres no exército

“As meninas já podem entrar para o exército. Esse ano, já temos as meninas ingressando na academia militar”

 


Nota - Ou clique na Imagem abaixo para acessar o Programa no GloboPlay Acesso liberado.




Entrada para a carreira militar

 

"Eu me graduei em oficial em 1973, com 23 anos. De 73 a 85, era um oficial jovem voltado totalmente para a atividade operacional. A minha geração teve muito pouca participação nas questões políticas. Confesso que a atividade profissional que mais me motiva é a de dar aula".

Villas Bôas comentou declaração do general Antonio Hamilton Mourão

Intervenção militar é solução para a nossa crise?

“Ditadura nunca é melhor. Há de se entender aquele momento e nas circunstâncias que eram vividas. Quais as diferenças de hoje e com aquele período? Primeiro, vivíamos um momento de Guerra Fria e polarização ideológica e o Brasil vinha de tentativas de tomada de poder, como em 1935. Segundo, hoje, o Brasil tem instituições amadurecidas e um sistema de pesos e contrapesos que dispensa a sociedade de ser tutela...”
 

 

O Brasil é muito rico

“O Brasil tem hoje 70% das florestas originais preservadas. A Amazônia tem cerca 84% preservada. A Europa tem 0,3% de floresta preservada”

 


 

Inclusão dos gays e transexuais no exército

“Já temos, inclusive, transexuais e pessoas casadas com pessoas do mesmo sexo.”

Ocupação de 14 meses na Maré (RJ)

“Essa é uma questão crucial. Tenho uma enorme admiração pela profissão do policial, aquele que se despede da família e não sabe se vai voltar. Há uma desinformação sobre o papel da Força Armada nesse tipo de emprego porque se parte do pressuposto que empregando as Forças Armadas o problema está resolvido.”

A filha do general, Adriana, entregou os gostos musicais do pai

Doença neuromotora degenerativa

“A doença vai evoluindo e o tratamento é muito intenso na parte de fisioterapia neuromotora e respiratória. Mas eu descobri que quando Deus quer ter uma conversa particular com alguém, ele dá de presente uma doença como essa. A sabedoria é interpretar quando Deus está conversando contigo”

Com a notícia da doença...

“Nessa hora, a família e os amigos ajudam. Tive depressão, só quem viveu sabe exatamente o que é isso. Quem não viveu diz que isso é tristeza, diz vamos dar uma volta que isso passa. Não é nada disso"

"A gente vai vivendo um dia depois do outro e vai aprendendo a valorizar as coisas mais simples da vida”

 




Pensamento positivo e apontamentos sobre o futuro do Brasil

“Um país com um potencial do nosso, com recursos naturais, humanos, a energia e a criatividade da população brasileira é claro que tem jeito.”


 





VEJA MAIS