COBERTURA ESPECIAL - Expansão Chinesa - Geopolítica

24 de Julho, 2019 - 12:15 ( Brasília )

China deseja um Exército moderno e acusa EUA de desestabilização


A China apresentou nesta quarta-feira (24) em um documento oficial suas ambições de construir um Exército moderno e tecnologicamente avançado, enquanto acusou os Estados Unidos de desestabilização, num contexto de tensões crescentes entre Pequim e Washington em muitas frentes.

A publicação deste livro branco da Defesa oferece um raro vislumbre das orientações do Exército Popular de Libertação (ELP) - o maior do mundo com dois milhões de militares - e dos alvos de Pequim.

"A rivalidade estratégica global está crescendo", diz o documento, observando que os Estados Unidos ajustaram suas estratégias de segurança e defesa e adotaram "ações unilaterais".

Washington "provocou e intensificou a rivalidade entre os principais países, aumentou significativamente (seus) gastos com defesa, exigiu capacidades adicionais nas áreas nuclear, espacial, de defesa cibernética e de mísseis, e minou a estabilidade estratégica global".

A publicação deste documento acontece em um momento de tensões nas relações entre Pequim e Washington. Os dois países estão envolvidos em uma guerra comercial desde 2018 e estão em desacordo sobre o Mar da China Meridional.

A China alimenta suas reivindicações de soberania instalando armamentos nas ilhotas que controla. Os Estados Unidos estimam que essas ações ameaçam a segurança na região.

O ELP deseja fortalecer seu arsenal tecnológico, mas ressalta que "ainda está muito atrás dos principais Exércitos do mundo".

A guerra comercial com os Estados Unidos está pressionando Pequim a redobrar seus esforços para desenvolver suas próprias inovações tecnológicas que possam beneficiar o ELP, estima Lyle Morris, analista da Rand Corporation nos Estados Unidos.

O Exército chinês ainda está atrasado em relação aos Estados Unidos, "mas está avançando rapidamente", aponta Morris.

Os conflitos estão evoluindo para uma "guerra inteligente", revela o relatório oficial chinês, citando o uso crescente de inteligência artificial, dados ou informação na nuvem (cloud).

A China tem o segundo maior orçamento militar do mundo (+7,5% em 2019), mesmo estando muito atrás dos gastos americanos. O país insiste na natureza pacífica de seu Exército, "uma força inabalável para a paz no mundo".

O livro branco também promete "reprimir" o separatismo no Tibete (oeste), mas também em Xinjiang (noroeste), um vasto território assolado por ataques recorrentes, atribuídos por Pequim a membros do grupo étnico predominantemente muçulmano dos uigures.

Mostra-se ainda mais firme sobre Taiwan. Esta ilha é povoada por cerca de 23 milhões de pessoas e governada por um regime rival a Pequim, mas que a China considera uma das suas províncias.

"A China deve ser e será reunificada", diz o documento.

Taiwan reagiu rapidamente, protestando contra as "muitas observações absurdas" do livro branco chinês.

Esse é um "pretexto para a expansão militar", respondeu o Conselho de Assuntos Continentais (MAC), encarregado das relações com Pequim.


VEJA MAIS