12 de Março, 2019 - 11:45 ( Brasília )

Aviação

Gol suspende voos com 737 Max 8

Companhia brasileira se une a uma série de outras empresas no mundo e anuncia pausa nas operações com aeronaves Boeing 737 MAX 8, mesmo modelo que caiu na Etiópia no fim de semana. Maioria dos voos afetados iria aos EUA.

A companhia aérea brasileira Gol anunciou nesta segunda-feira (11/03) que suspendeu temporariamente as suas operações com aviões 737 MAX 8, da Boeing, após dois desastres aéreos recentes envolvendo aeronaves do mesmo modelo.

"Sendo segurança o valor número um da Gol, que direciona absolutamente todas as iniciativas da empresa, a companhia informa que por liberalidade, a partir das 20 horas de hoje, suspenderá temporariamente as operações comerciais das suas aeronaves 737 Max 8", diz uma nota.

A empresa possui 121 aviões da Boeing, sendo sete do modelo envolvido nos acidentes. Eles operam em rotas para a América do Sul, Caribe e Estados Unidos.

A Gol informou que os passageiros com voos previstos em aeronaves 737 MAX 8 serão comunicados e realocados em outros voos da companhia ou de empresas parceiras, como a americana Delta Air Lines.  A maioria das viagens afetadas tinha como destino Miami ou Orlando.

"A central também permanece à disposição pelo telefone 0800 704 0465. A empresa continuará operando os destinos internacionais de longo curso com os aviões Boeing 737 NG, sem previsão de cancelamento na malha", acrescentou a empresa.

A nota informa ainda que, desde junho de 2018, a Gol realizou 2.933 voos com o Boeing 737 MAX 8, "totalizando mais de 12.700 horas, com total segurança e eficiência". A empresa é a única no Brasil que tem aviões desse modelo.

Mais cedo nesta segunda-feira, o Procon de São Paulo havia anunciado que pediria a suspensão imediata dos voos da Gol com aeronaves 737 MAX 8, como forma de "prevenir futuros acidentes" e evitar colocar em risco a vida de passageiros.

A decisão da empresa brasileira vem após dois acidentes mortais recentes com aviões desse tipo. Nesta segunda-feira, autoridades da China e da Indonésia já haviam ordenado que todas as companhias de seus países suspendessem voos com o modelo. A mexicana Aeromexico também suspendeu as operações de suas seis aeronaves 737 MAX 8 até que os desastres sejam esclarecidos. 

A Agência Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA, na sigla em inglês), por sua vez, anunciou que vai determinar à Boeing que realize modificações nos modelos 737 MAX 8 e 737 MAX 9, mas afirmou que as aeronaves são seguras para voar.

A queda de uma aeronave da Ethiopian Airlines, na manhã de domingo, matou todos os 157 ocupantes. O desastre aconteceu menos de seis meses depois da queda do mesmo modelo da companhia indonésia Lion Air, que deixou 189 mortos.

Tanto o voo da Ethiopian, que havia decolado da capital da Etiópia, Addis Abeba, quanto o da Lion Air, que havia partido de Jacarta, caíram minutos após deixarem o aeroporto.

A Ethiopian Airlines, maior companhia aérea da África, também anunciou que não usará o Boeing 737 MAX 8 até que haja mais informações. "Embora não saibamos ainda a causa do acidente, tivemos que decidir deixar em terra esta frota em particular como medida de segurança extra", disse em comunicado.

O Boeing 737 é o avião de passageiros moderno mais vendido do mundo e é considerado um dos mais confiáveis. A série MAX é a versão mais recente do bimotor de corredor único da Boeing. O modelo lançado em 2017 é mais eficiente em termos de combustível em comparação com seus antecessores e há quatro variantes: MAX 7, MAX 8, MAX 9 e MAX 10, que podem transportar entre 138 e 204 passageiros e foram projetadas para voos de curta e média distância.

A Boeing já finalizou a entrega de cerca de 350 unidades da série MAX – a primeira feita em maio de 2017 à Malindo Air, com sede na Malásia. Até o momento, mais de 60 companhias aéreas encomendaram cerca de cinco mil aeronaves da série. Os principais clientes europeus incluem as companhias aéreas de baixo custo Ryanair e Norwegian.



ÚLTIMAS

Aviação

MAIS LIDAS