COBERTURA ESPECIAL - America Latina - Pensamento

25 de Março, 2019 - 14:00 ( Brasília )

Relatório Otálvora: Assinado Atestado de Óbito da UNASUL



EDGAR C. OTÁLVORA
@ecotalvora
Circulou no Diario Las Americas
 

Na Sala Oval da Casa Branca, durante a primeira de duas aparições diante da imprensa, Trump foi questionado por um jornalista se "gostaria de ver o Brasil envolvido em qualquer tipo de opção militar" na Venezuela

A opção de uma operação militar dos EUA em território venezuelano e o papel do Brasil é esse cenário que foi debatido na reunião de trabalho realizada entre Donald Trump e Jair Bolsonaro, em 19MAR201, em Washington DC.
 
Na Sala Oval da Casa Branca durante a primeira de duas aparições diante da imprensa, Trump foi perguntado por um repórter se "gostaria de ver o Brasil envolvido em qualquer opção militar" na Venezuela. "Nós nem sequer discutimos isso. Vamos discutir hoje "foi a resposta de Trump, que foi especialmente amigável com o convidado brasileiro. O mesmo Trump pediu para que Eduardo Bolsonaro, deputado federal e filho de Jair Bolsonaro, sentasse para fotos no Salão Oval, que não é parte do costume do cerimonial da Casa Branca. Eduardo Bolsonaro é o membro do clã Bolsonaro que tem estado intensamente envolvido com a crise venezuelana, que mereceu os parabéns públicos de Trump.
 
Na conferência de imprensa formal após a reunião privada e um almoço de trabalho entre Trump e Bolsonaro com suas delegações, o presidente brasileiro foi questionado sobre o papel do Brasil em uma hipotética ação militar para a Venezuela. Bolsonaro foi incomumente contido em sua resposta: "há alguns problemas que se você fala não serão mais estratégicos. Portanto, esses temas reservados, que podem ser discutidas se não tiver feito isso, não podem ser tornados públicos, é claro "(...)" tudo discutido aqui será respeitado, mas, infelizmente, algumas informações não podem ser discutidas publicamente. " O chanceler Ernesto Araújo, ao retornar ao Brasil, em 20MAR2019, assegurou que o Brasil não contempla o uso de suas forças armadas na Venezuela.

*****

A Casa Branca reuniu, em 11MAR219, vários jornalistas para participarem de uma coletiva de imprensa, por telefone, com um alto funcionário. Geralmente neste tipo de conversas a imprensa sabe o nome do interlocutor sob o compromisso de não revelá-lo. Segundo versões da correspondentes a jornalista Christina Wilkie de CNBN e Steve Herman, de The Voice of America, o funcionário identificado como membro "administração sênior", disse que "os militares brasileiros têm muito boas relações com os militares venezuelanos" e "vemos os militares Brasileiros como importantes interlocutores com os militares venezuelanos ".

*****

O chileno Sebastián Piñera assumiu a presidência do Fórum para o Progresso da América do Sul, do PROSUL, mecanismo criado em 22MAR2019, para substituir a União de Nações Sul-Americanas (UNASUL). A Presidência será transferida no prazo de um ano para o presidente do Paraguai.

*****

Sebastián Piñera promoveu durante os últimos meses a montagem de uma nova organização sul-americana que substituirá a UNASUL. Menos burocracia e menos ideologia foram os argumentos de Piñera na promoção de sua idéia, que ganhou o apoio imediato do colombiano Iván Duque e do paraguaio Mario Abdo Benítez.

A UNASUL, uma organização originalmente concebido pelo governo brasileiro, na presidência de Fernando Henrique Cardoso, como um fórum de integração sub-regional, foi realmente criado em 2004 sob a influência de Hugo Chávez e o grupo de governos pró-Castro, que surgiu na região na última década e rapidamente eles a cooptaram.

*****

O desastre da UNASUL começou, em 18ABR2013, quando não houve unanimidade entre os presidentes membros para reconhecer os resultados eleitorais venezuelanos em que Nicolás Maduro se proclamou o vencedor. Cristina Kirchner e Evo Morales exigiram pleno reconhecimento dos resultados das eleições, que deram como vencedor Maduro, enquanto um pequeno grupo de líderes, refletindo a posição da oposição venezuelana, pediu uma recontagem dos votos na Venezuela. Sebastian Piñera era então presidente do Chile e participou da reunião da UNASUL realizada no Palácio do Governo, em Lima,  com Ollanta Humala como anfitrião em que o "auto proclamado presidente" Nicolas Maduro pediu para  UNASUL reconhecer sua eleição.

Desde dezembro de 2014, quando o prédio da sede doada pelo Equador foi inaugurado, o Conselho de Presidentes da UNASUL não se reune. Da mesma forma, desde 2016 as reuniões de chanceleres foram suspensas, e em janeiro de 2017, encerrou o mandato d o colombiano Ernesto Samper Pizano como secretário-geral da organização. Enquanto isso, Samper criou sem consultar os governos membros, mas em conluio com o regime Chavista, um mecanismo para introduzir o espanhol José Rodríguez Zapatero como um "facilitador" entre Maduro e a oposição. 

Os governos de Nicolás Maduro e Evo Morales, na tentativa de manter o controle da organização, sistematicamente vetaram os nomes dos candidatos propostos para substituir Samper na Secretaria-Geral. Desde 2016 a maioria dos membros optou por cortar seus pagamentos anuais para UNASUL, e em 18ABR2018, os governos da Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Peru e Paraguai anunciaram a suspensão da sua participação nas reuniões do entidade. A Colômbia saiu formalmente da UNASUL, em  27FEV2019, enquanto o governo equatoriano de Lenin Moreno exige a devolução do edifício.

A regra da unanimidade para a tomada de decisões na UNASUL funcionou durante o período que o castrochavismo controlou a organização e os governos do subcontinente, mas depois tornou-se o impedimento para a necessária reforma, que guiaria a UNASUL ao seu objetivo integracionista original.

*****

O governo chileno fez um convite aos governos sul-americanos para realizar uma cúpula presidencial, no dia 22MAR2019. em Santiago do Chile, para discutir a criação da PROSUL (PROSUR em espanhol). O tratamento excluiu Nicolás Maduro e incluiu Juan Guaidó. A Cimeira envolveu sete presidentes, Mauricio Macri da Argentina, Jair Bolsonaro do Brasil, Ivan Duque da Colômbia, Lenin Moreno do Equador, Mario Abdo do Paraguai, Martin Vizcarra do Peru e o anfitrião Sebastián Piñera. A vice-chanceler boliviana, Carmen Almendra, e o embaixador do Suriname, Edgar Armaneko, representaram os governos da Bolívia e do Suriname, aliados a Nicolás Maduro. O uruguaio Tabaré Vázquez e seu chanceler Rodolfo Nin Novoa, jogando uma ambivalência habitual diante da situação venezuelana, Eles decidiram diminuir o alcance de sua presença e ser representados pelo vice-ministro das Relações Exteriores, Ariel Bergamino. A Guiana enviou George Wilfred Talbot, seu embaixador para Brasília, que é um ator importante nas relações de seu país com a América do Sul, incluindo o Grupo de Lima. Os documentos estabelecidos na reunião dos ministros das Relações Exteriores, realizada no dia anterior, foi submetida à consideração dos líderes de um projeto de declaração que será acordada a criação do Fórum para o Avanço da América do Sul (PROSUL). A "Declaração Presidencial sobre a renovação e fortalecimento da integração da América do Sul" foi assinado pelos sete líderes presentes e o enviado da Guiana, enquanto representantes da Bolívia, Suriname e Uruguai se abstiveram de assinar. 

*****

A criação de um novo órgão de integração, em qualquer caso, estará sujeita a mais outros compromissos e acordos legais. Por enquanto, na declaração assinada, em  22MAR2019, os líderes reconhecem "as contribuições dos processos anteriores de integração sul-americana ', mas alertam sobre a necessidade" de um novo espaço de forma mais eficiente, a integração pragmática e estrutura simples, que permite consolidar as suas realizações e evoluir sem duplicação de esforços, para uma região mais integrada ". Eles propuseram "construir e consolidar um fórum regional de coordenação e cooperação, sem exceção, para avançar para uma integração mais eficaz que nos permite contribuir para o crescimento, progresso e desenvolvimento dos países da América do Sul". A promessa de integração como um mecanismo para o desenvolvimento, tantas vezes declarado, mais uma vez aparece na América do Sul, mas desta vez tentando varrer a politização esquerdista, que transformou as diferentes organizações regionais em instrumentos  de ação política castrista. De acordo com a Declaração de Santiago, as questões fundamentais da PROSUL serão "integração em matéria de infra-estrutura, energia, saúde, defesa, segurança e combate à criminalidade, prevenção e gestão de desastres naturais", o que na realidade não difere da agenda original de Comunidade Sul-Americana de Nações CASA posteriormente designada como UNASUL.

*****

O Departamento do Tesouro Americano, impôs em 22MAR2019 sanções a um grupo de bancos de propriedade do Estado venezuelano: Banco de Venezuela (provavelmente o maior banco), com sede no Uruguai, Banco de Desenvolvimento Econômico e Social da Venezuela, BANDES, Banco Bicentenario, Banco BANDES, no Uruguai e no Banco PRODEM, com sede na Bolívia. Os ativos que os sancionados possuem nos Estados Unidos ficarão congelados nas mãos do governo dos EUA, enquanto cidadãos e empresas com sede nos EUA não poderão realizar transações com esses bancos. As novas sanções são uma reação do governo dos EUA à prisão, em 21MAR2019, do advogado Roberto Marrero, que atua como chefe do gabinete de Juan Guaidó. "Marrero e outros presos políticos devem ser libertados imediatamente" O secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, disse em seu comunicado que anunciou as sanções. E uma declaração da Casa Branca, 22MAR2019, disse que os EUA "não vão tolerar a prisão de atores democráticos pacíficos, incluindo membros da Assembleia Nacional da Venezuela eleitos democraticamente e venezuelanos que trabalham com Presidente interino Juan Guaidó".

*****

De acordo com o Departamento do Tesouro, "especialistas do governo chavista transformaram o BANDES e suas subsidiárias em veículos para transferir fundos para o exterior em uma tentativa de fortalecer Maduro".

Aliás, o presidente equatoriano, Lenin Moreno, emitiu um comunicado, desde Santiago do Chile, na manhã de 22MAR2019, envolvendo o Banco BANDES. De acordo com Moreno, em agosto de 2018, o governo de Maduro, usando o BANDES, transferiu U$ 281.000 para o Instituto de Pensamento Político Eloy Alfaro, que foram posteriormente repassados para contas do ex-presidente Rafael Correa e ex-funcionários de seu governo. Segundo Moreno, trata-se de uma operação para financiar ações de desestabilização no Equador. "Haveria dinheiro escuso para financiar os candidatos do chamado socialismo do século 21", alertou Moreno.

*****

O Relatório Otálvora, circulou pela primeira vez em23MAR2014,  no Diario Las Américas. O título dessa coluna era duplo: "Os negócios de Lula. Santos se distancia de Maduro." Esse relatório dava conta das atividades do poderoso ex-presidente Lula em uma rede de empresas  brasileiras e governos estrangeiros. Outros espaços da coluna foram dedicados aos sintomas que já eram sentidos por um distanciamento do governo da Colômbia em relação ao regime de Chávez. Cinco anos depois, Lula da Silva, contra todas as probabilidades, está cumprindo uma sentença de prisão depois de ser condenado por corrupção. Cinco anos depois, as relações diplomáticas entre a Venezuela e a Colômbia são rompidas pela primeira vez desde que em 1831 estabeleceram relações diplomáticas. Muita água correu desde março de 2014.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Superior Tribunal Militar

Superior Tribunal Militar

Última atualização 18 OUT, 15:36

MAIS LIDAS

America Latina