COBERTURA ESPECIAL - America Latina - Inteligência

26 de Fevereiro, 2016 - 15:00 ( Brasília )

VENEZUELA – Ministro da Defesa considera o povo inimigo e manda entregar armas para as Milícias

A Fuerza Armada Nacional Bolivariana (FANB) tem muitos inimigos internos, De acordo com um documento apresentado pelo Ministro da Defesa Vladimir Padrino López aos oficiais do Estado-Maior o povo venezuelano está entre os inimigos

Ronna Rísquez
RUNRUN.ES

 
 
A Fuerza Armada Nacional Bolivariana (FANB) tem muitos inimigos internos, De acordo com um documento apresentado pelo Ministro da Defesa Vladimir Padrino López aos oficiais do Estado-Maior o povo venezuelano está entre os inimigos
 
Ministro da Defesa Vladimir Padrino López, ordenou  fornecer armas pesadas e munições para as Milicias Bolivarianas e ao povo, em 2016. Esta e outras diretrizes constam em um documento entregue aos oficiais do Estado-Maior contra as alegadas ameaças à independência e soberania do país (Venezuela) devido entre outras coisas, " ações conspiratórias externas de desestabilização interna".

http://runrun.es/wp-content/uploads/2016/02/padrino.jpg
 

Ministro da Defesa, General Padrino López: "O povo é o inimigo".



Em uma reunião, que foi realizada em 05 de fevereiro de 2016, para discutir a segurança da nação, o chefe da Defesa deu uma série de instruções para os membros do  Estado-Maior Superior expandido destinadas a enfrentar  uma suposta ameaça "interna e externa implementada pelo governo dos EUA "através de uma estratégia de “Estado Falido”. Estas ações são especificadas em um documento de 10 páginas,  chamado: “Guía de planteamiento del comandante estratégico operacional de la FANB ante las amenazas contra la independencia, soberanía y la integridad del espacio geográfico de la República Bolivariana de Venezuela”.
 

fan

 

Cópia dos documentos apresentados pelo RUNRUN.

Na página 9, no tratamento da questão relacionada com a logística, uma das ordens do Ministro Padrino López, no parágrafo identificado com a letra "c": "Desconcentrar os arsenais das armas e munições, o mais possível, a fim de trazê-los para unidades e as pessoas, especialmente as Milícias Bolivarianas. Isto inclui a entrega de armas maior poder de fogo como fuzis e munições para aumentar a prontidão operacional. Fazer o uso máximo das instalações existentes FANB ".
 
Anteriormente, no item "b" indica que a Comando Logístico Operacional (COLOP) e Comandos Generales devem estabelecer um plano conjunto de preservação dos sistemas de armas, a fim de "garantir a disponibilidade dos mesmos quando a ameaça se impor. "
 
"Isso é algo muito grave, muito grave, porque a Milícia Bolivariana não é um componente das Forças Armadas. Ele não está prevista na Constituição. Isso significa que eles estão entregando armas a grupos não-profissionais, que estão à margem da lei. São soldados à serviço da revolução ", disse Rocio San Miguel, presidente da ONG Control Ciudadano para la Seguridad, la Defensa y la Fuerza Armada Nacional..
 
A especialista explica que a estrutura militar atual cobre todo o território nacional, através das 7 Regiões  de Defesa Estratégica Integral (REDI), 24 Áreas de Atuação Defesa Integral (ZODI), e 99 Áreas de Defesa Integral da Milícia (ADI). "Isso significa que eles estão entregando armas para as 99 ADI, que estão constituídas por cerca de 1.500 grupos da Milícia Bolivariana, que ocupam todas as regiões do país", diz San Miguel, e detalha que somente no noroeste de Caracas (entre San Bernardino e 23 de Janeiro), operam oito grupos de milicianos identificados como Ezequiel Zamora.
 
"Estão avançando no processo de definir as milícias como organizações de combate na defesa da revolução e isto é absolutamente inconstitucional e extremamente grave", insistiu a presidente da ONG Control Ciudadano.
 
Ela explicou que, desde a reforma da Lei das Fuerza Armada Nacional Bolivariana,em 2014, a Milícia Nacional Bolivariana passou a ser parte da FANB, no entanto, não é um dos seus componentes. "A FANB é a única guardiã dos armamentos da República", disse San Miguel.
 
Será que a guerra da FANB  contra FANB?
 
O documento apresentado pelo ministro Vladimir Padrino aos seus oficiais começa da seguinte forma: "Hoje eu os reúno com o fim de transmitir as instruções, que eu acho que deve ser obedecidas e apresentar a planificação das atividades que irão realizar durante 2016, ante  às ameaças, contra a independência, soberania e integridade do espaço territorial da República Bolivariana da Venezuela, manifestadas na realidade atual, como parte da GUERRA DE CUARTA GENERACIÓN, GUERRA NO CONVENCIONAL Y ESTRATEGIA DE ESTADO FALLIDO implementada pelo governo dos EUA ", diz o documento.
 
Em seguida, lista as ações da suposta guerra: "... o boicote das corporações internacionais, a escassez de alimentos, mercado negro de divisas,  contrabando de riquezas minerais,  especulação com produtos de todos os tipos,  ataques especulativos à moeda e da economia nacional; insegurança (criminosos comuns, crime organizado, tráfico de drogas, paramilitares); corrupção e crise de valores éticos e morais;  operações psicológicas (Interna e externamente) para o debilitamento de todo tipo; ataques a empresas estratégicas e aos serviços públicos podendo este último gerar manifestações espontâneas ou induzidas pela falta de serviços básicos, como alimentos, água, eletricidade, vaso sanitário, transporte, gás, higiene e serviços de saúde, entre outros; e ações conspiratórias internas e externas para a desarticulação do Estado”.
 
O que é significativo em todas as supostas "ameaças ou expressões" da "Estratégia de Estado Falido" estão associadas atividades que são da responsabilidade ou estão sob o controle da FANB há vários anos. Por exemplo, toda a cadeia de importação e distribuição de alimentos no país está sob administração militar (do Ministério da Alimentação até as Guias de Distribuição); e também são os membros da FANB os responsáveis ??pela guarda das fronteiras para evitar o contrabando de riquezas minerais.

No caso da segurança pública, é uma área que está nas mãos da Guarda Nacional, há 17 anos (na identificação de vários planos e missões que atingem toda a vida da Venezuela e a Operación de Liberación del Pueblo  - OLP) e o atual ministro de Relaciones Interiores, Justicia y Paz é um major-general do Exército.

No caso do tráfico de drogas como uma ameaça para a estabilidade do Estado, é impossível ignorar o papel desempenhado pelos militares neste cenário, com repercussão internacional. São incontáveis as denúncias que ligam membros da FANB com o narcotráfico. Recentemente, uma investigação da Promotoria de Nova York, incrimina o Major-General Nestor Reverol, comandante da Guardia Nacional Bolivariana (GNB), com o narcotráfico.

E há apenas duas semanas foi preso o major do Exército Juan Jose Sorja Ojeda, com cerca de 500 quilos de cocaína. Uma extensa lista de nomes de militares ligados à revolução estão vinculados ao narcotráfico, segundo  Mildred Camero, ex-presidente da CONACUID, em seu livro: Chavismo, Narcotráfico y Militares..
 
No entanto, segundo o documento do Ministro da Defesa, a ameaça interna está na população civil, representada pelas ONGs e o triunfo eleitoral da oposição em 06 de dezembro de 2015. "Nós não podemos perder de vista que as grandes corporações internacionais, com interesses nos recursos naturais da Venezuela, o  financiamento dos governos e instituições internacionais para ONGs e organizações sociais com caráter desestabilizador ... e a pressão geopolítica exercida pelos EUA para assegurar o controle da nossa pátria, usando como pretexto a restauração dos direitos humanos, da democracia, das liberdades públicas, a libertação de "presos políticos" e o resultado das eleições de 06 de dezembro de 2015 ", diz um parágrafo da página 2 do documento.
 
Esta concepção da população civil como um inimigo da Nação é outro aspecto que preocupa Rocio San Miguel, que recorda que, no caso da Venezuela, estas medidas especiais em tempos de agitação social "se revestem em uma inquietação particular pela vigência do Decreto (008.610) permitindo o uso de armas de fogo e força letal contra os manifestantes. " (Nota DefesaNet – O Decreto é em linhas gerais similar ao brasileiro que define as ações de Garantia de Lei e da Ordem – GLO, com exceção do emprego de armas de fogo, que no caso brasileiro tem uma grande limitação).
 
O documento também enfatiza que "a palavra-chave para 2016 é MANTER a Prontidão Operacional da FANB e das Milícias Bolivarianas desde o ponto de vista de pessoal, adestramento, armas, munições; materiais e equipamentos para ser capaz de responder às diferentes ameaças. " Ele também garante o abastecimento de alimentos para os militares.

Além disso, esta semana o Instituto de Pesquisa da Paz de Estocolmo (SIPRI), publicou seu relatório revela que a Venezuela foi o maior comprador de armas na América Latina, em 2015, e ocupa o 18º entre os países que mais gastam em Defesa no mundo a maioria das armas foram adquiridas ano passado.

Nota DefesaNet

As Milícias Bolivarianas desfilaram em Caracas, Chavez chegou a reunir um milhão deles. Empunhavam fuzis FAL, em sua maioria e outras armas obsoletas da FANB.

Porém em nenhum momento receberam munição ou tiveram suas armas aptas para o disparo.

O Editor