COBERTURA ESPECIAL - Mão Amiga - Terrestre

25 de Junho, 2019 - 10:35 ( Brasília )

Mais de 1.000 vidas podem ser salvas na guarnição de Curitiba em 8 dias da campanha de doação de sangue


As organizações militares de Curitiba se mobilizaram para aumentar os estoques dos bancos de sangue da capital. A recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) é de que cada país tenha, entre 3% e 5% de sua população doadora de sangue frequente.

No Brasil, o índice fica em 1,8%, enquanto em alguns países da Europa, cerca de 7%. Cidades do Paraná sofrem ainda mais nestas épocas, devido ao clima frio e às férias escolares. Por conta disso, foi coordenado pela Seção de Comunicação Social da 5ª Região Militar as doações de 19 organizações militares de Curitiba.

Ao longo da semana, de 10 a 14 de junho, foram 236 voluntários para doações em três hemobancos: Hemepar Curitiba, Hospital Erasto Gaertner e Santa Casa. Devido ao número de voluntários e pouca capacidade dos hemobancos para atendimento de grandes grupos, a Campanha se estendeu por mais três dias (17, 18 e 19 de junho) com um efetivo de 120 militares.

No total, foram 356 doadores que ajudaram a salvar mais de mil vidas. Segundo a supervisora de coleta do Hospital Erasto Gaertner, Carmen Cristina Queiroz, cada bolsa de sangue pode ser utilizada por até três pessoas. “Mudança do tempo influencia na diminuição do número de doações.

Ações como essa são ótimas e estamos abertos a receber doadores. É importante essa mobilização, pois, como somos um hospital oncológico, necessitamos de muito sangue para o pós-quimioterapia e plaquetas baixas, além dos procedimentos cirurgicos que demandam muito sangue”, explicou.

Incentivo à doação O soldado do efetivo profissional Günther Félix Keller doou sangue pela primeira vez. “O incentivo do Comandante de Companhia e a campanha de todo o quartel ajudou na decisão de doar pela primeira vez.

Já participo de doações de roupa e pretendo continuar ajudando no que for possível”, comentou. Foi disponibilizado, em murais no Forte do Pinheirinho, o banner alusivo à semana de doação e o tema também foi abordado nas formaturas da 5ª Região Militar (5ª RM), 5ª Divisão de Exército (5ª DE), Artilharia Divisionária da 5ª Divisão de Exército, 5ª Companhia de Polícia do Exército, Base de Administração e Apoio da 5ª Divisão de Exército e Comissão Regional de Obras 5.

Fora de Curitiba Os Tiros de Guerra (TG) do Paraná e Santa Catarina também aderiram à campanha “Ajudar está no nosso sangue”. Os TG servem como um instrumento de educação e de civilidade nos mais distantes rincões do território nacional, sendo conhecidos pela sociedade brasileira como verdadeiras “Escolas de civismo e cidadania”.



Ao longo do primeiro semestre, inúmeras ações sociais foram realizadas pelos TG jurisdicionados à 5ª RM nos municípios onde estão instalados, e a doação de sangue foi uma dessas ações, ocorrendo independentemente da campanha institucional.

No Paraná, o TG 05-009, de Maringá, estabeleceu como meta atingir 100 doações até o final do mês, já tendo conseguido alcançar 80 doações junto ao Hospital do Câncer. Em Cornélio Procópio, cerca de 80 atiradores do TG 05-002 participaram da campanha que salva vidas.

O TG 05-015, localizado em Assis Chateaubriand, deslocou o efetivo de 30 atiradores por 90 quilômetros para a doação em Cascavel, cidade mais próxima, uma vez que em Assis Chateaubriand não há hemobanco.

O TG 05-012, de Umuarama, participou da campanha com 25 pessoas e o TG 05-001, de Cambará, realizou 20 doações em maio para o Hemocentro de Jacarezinho. Já em SC, o TG 05-008, de Joaçaba, levou, no mês de abril, 17 doadores ao hemobanco. Com esses exemplos de cidadania, esta mais que comprovado que “Ajudar está no nosso sangue”.

Artigo relacionado:  

Altruísmo e voluntariado, Campanha Nacional de Doação de Sangue do Exército [Link]


VEJA MAIS